Shrek e a solidão: uma decisão ou imposição?

dezembro 24, 2018

O que aconteceria se alguém acreditasse que é forte o suficiente para se defender dos perigos iminentes? Essa pessoa não precisaria viver em comunidade? Não precisaria de amigos? Neste artigo estudaremos os efeitos da solidão a partir do ponto de vista do filme ‘Shrek’.

Viver em comunidade é algo natural para o ser humano. Primeiro foi pela sobrevivência, para nos defendermos dos animais, das tribos rivais e tornarmos mais efetiva a obtenção de alimentos. As cidades e vilas ofereciam proteção aos seus habitantes, um sentimento de pertencimento e segurança. Mesmo hoje, as pessoas buscam o refúgio oferecido por viver em comunidade.

Shrek, o ogro que vive em um pântano

Shrek é um filme de animação lançado em 2001, produzido pela Dreamworks Animation Studios. O protagonista é um ogro que vive num pântano muito distante, no meio de uma floresta. Esse indivíduo está completamente à vontade nessa situação e ama a solidão da sua casa.

No entanto, um dia, a preciosa solidão de Shrek é subitamente destruída por uma invasão de irritantes personagens de contos de fadas. Todos eles foram banidos do seu reino pelo maligno Lorde Farquad.

O ogro, determinado a salvar sua casa, chega a um acordo com Farquad. Se ele afastasse esses personagens dos contos de fadas, Shrek resgataria a Princesa Fiona. Assim, Shrek deve embarcar em uma jornada muito longa e cheia de aventuras com um único companheiro chamado Burro, para encontrar a garota. Portanto, ele deve enfrentar não apenas todos os tipos de perigos, mas o fim da sua solidão.

Shrek

As vantagens da solidão

Comumente, as pessoas tendem a acreditar que estar sozinho é um fracasso pessoal. Essa ideia está equivocada. A solidão é apenas um estado de transição, que pode ser escolhido voluntariamente ou não. A solidão, quando escolhida, nasce das decisões tomadas por si mesmo.

Muitas vezes, o isolamento voluntário surge do desejo de ser o condutor da própria vida. Nasce do desejo de ser autêntico, sem máscaras ou fantasias. A solidão escolhida pode promover o crescimento pessoal, além da realização de projetos e aspirações. Estas são algumas vantagens de estar sozinho devido a uma escolha pessoal:

  • Permite concentrar a energia em projetos pessoais. Em vez de se desgastar e tentar agradar os outros, a solidão permite que você se concentre em empreendimentos particulares.
  • Não é preciso dar explicações sobre comportamentos ou horários. Isso envolve limpar e comer quando desejar. Decorar a casa de acordo com o seu gosto e preferência. E também dormir e trabalhar em qualquer horário e em qualquer lugar
  • Permite que você pense em suas próprias ações e reflita. Em um mundo cheio de distrações e tarefas pendentes, é difícil encontrar um momento para meditar sobre o que fazemos. A solidão contribui para o crescimento pessoal, permitindo um espaço para introspecção.
  • Fortalece a independência individual, cada um é responsável por si mesmo. Isso significa que não precisamos depender de mais ninguém, o que aumenta nosso bem-estar e felicidade.

O amor também toca a porta dos solitários

No filme, o ogro deve ir em busca da bela princesa Fiona, que está trancada em uma torre guardada por um dragão. Quando Shrek e o Burro conseguem libertá-la do seu temível guardião, ela fica encantada. No entanto, essa felicidade logo se dissipa quando Fiona descobre que o seu salvador é um ogro e não um príncipe.

Em sua viagem de volta ao castelo de Farquad, Shrek e Fiona descobrem que têm muitas coisas em comum. Ao longo da viagem eles se apaixonam, mas a princesa ainda não revelou o seu segredo a ninguém. Devido a um feitiço, toda noite ela também se transforma em um ogro, embora volte a ser humana ao amanhecer.

Quem descobre o segredo da princesa primeiro é o Burro. Então, Fiona explica que ela foi enfeitiçada quando era criança e que apenas um beijo do seu verdadeiro amor devolverá a sua forma normal. Shrek ouve uma parte da conversa entre o Burro e Fiona, não entende o que está acontecendo e sente-se traído.

Apesar de ter passado muito tempo na solidão, Shrek não possui um bom nível de autoconhecimento. Embora a solidão seja boa para a introspecção, é claro que Shrek não a aproveitou dessa maneira. O protagonista do filme tinha muito poucas habilidades para definir e expressar as suas necessidades e sentimentos.

Portanto, quando Lorde Farquad devolve Fiona ao seu castelo, Shrek retorna ao pântano, agora vazio e solitário. Lá, ele se sente mal por não ter expressado o que sentia pela princesa, mesmo acreditando que ela sentia desprezo por ele. O pântano agora se tornou uma prisão autoimposta: a mesma solidão que antes o deixava feliz agora o torna infeliz.

Shrek e Fiona

O fim da solidão

Shrek logo percebe que, apesar de ter recuperado a sua privacidade, ele se sente miserável. Ele precisa da companhia de quem ele ama: Fiona e Burro. No entanto, o ogro tem baixa autoestima, não se sente digno de nada.

Shrek, assim como muitas pessoas com baixa autoestima, se sente impelido a rejeitar os outros. Essa imagem ruim de si próprio pode levar a pessoa a se sentir incapaz de se relacionar com os outros. Essa parece ser a causa da solidão de Shrek, em vez de ser algo livremente escolhido. Por causa do seu medo de sofrer ou de ser ferido pelos outros, ele decidiu que era melhor não se aproximar de ninguém.

Nos casos em que a solidão ocorre por razões semelhantes, a pessoa deve trabalhar para se sentir digna da companhia dos outros. Estar longe de outras pessoas deve ser uma escolha, e não algo provocado pelo medo. No caso de Shrek, quando ele percebeu que conseguia gostar dos outros, escolheu passar o tempo com Burro e Fiona, as pessoas que ele mais amava.

Quando a solidão é sentida como algo imposto, é comum relacioná-la com as emoções negativas. Dessa forma, aparece a tristeza e o humor da pessoa piora. No entanto, estar sozinho não precisa ser uma coisa ruim. A pessoa se sente mal quando não é uma situação escolhida, mas algo que surge do medo.

Portanto, não tenha medo de ficar sozinho. Aproveite esses momentos para se conhecer melhor e trabalhar naquilo que você quer mudar. No entanto, se você quiser passar mais tempo com os outros, comece a trabalhar para isso, porque todos nós merecemos ser aceitos pelos outros.