9 sinais de que você é vítima de assedio no local de trabalho

Atualmente, o assédio no trabalho tende a passar mais despercebido, pois se tornou mais sutil para evitar a rejeição social e legal deste tipo de prática. Como reconhecer se há ou não assédio moral?
9 sinais de que você é vítima de assedio no local de trabalho

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 18 janeiro, 2023

O assédio no local de trabalho, ou mobbing, é um fenômeno mais frequente do que todos gostaríamos. Um dos aspectos complexos dessa situação é a dificuldade de detectá-la, já que os agressores também costumam ser hábeis manipuladores e possuem boas habilidades sociais.

Neste ponto, em quase todo o mundo o assédio moral no trabalho é proibido. Pela mesma razão, aqueles que o praticam refinaram suas táticas para torná-lo menos perceptível. É relativamente fácil camuflá-lo atrás de atitudes menos óbvias, como o perfeccionismo ou o rigor.

O pior é que muitas das vítimas de assédio moral no local de trabalho nem sempre sabem que estão nessa situação. Em alguns casos, chegam até a normalizar maus tratos ou comportamentos discriminatórios ou excludentes. Para colocar as coisas no lugar, vamos ver alguns sinais que indicam assédio moral.

Qualquer que seja a liberdade pela qual lutamos, deve ser uma liberdade baseada na igualdade.”

-Judith Butler-

1. Tratamento diferenciado

A desigualdade de tratamento não se refere a maior ou menor proximidade no relacionamento dentro do ambiente de trabalho. Em vez disso, tem a ver com o fato de que, em circunstâncias semelhantes, a resposta também deve ser semelhante.

Se alguém cometer um erro, e diante disso houver uma observação amigável, a mesma atitude deve ser aplicada aos demais. Maior exigência, severidade ou indiferença é sinal de tratamento desigual.

Chefe fazendo mobbing

2. Linguagem agressiva

A linguagem agressiva nem sempre segue o caminho prototípico. Às vezes, até, adota o tom do conselho profissional ou do questionamento “para o seu próprio bem”.

Se algo foi feito de errado, o que se indica é apontar a falha, sem questionar as motivações ou características de quem a incorreu. Qualquer referência à pessoa, e não ao seu trabalho, é agressiva e pode ser interpretada como assédio no local de trabalho.

3. Difamação

Também neste caso, muitas vezes há sutilezas que são negligenciadas. Comentários ou críticas devem ser direcionados à pessoa apropriada e somente à pessoa em questão. Não há necessidade de divulgá-los publicamente.

Tampouco é apropriado referir-se publicamente aos traços negativos de uma pessoa, ou dar um exemplo, ou usá-lo para ilustrar um caso. Tudo isso deve ser discutido em particular.

4. Pressão explícita ou encoberta

A pressão ocorre quando são feitas demandas que são impossíveis de atender plenamente. Muito pouco tempo é dado para terminar uma tarefa ou obter um resultado. Ou se estabelecem metas irrealistas. Também ocorre quando se introduz sobrecarga de trabalho ou se pretende responsabilizar alguém por algo que não é de sua competência. Em todos os casos, constitui assédio no local de trabalho.

5. Limitação do progresso

Este é um dos sinais de assédio moral no trabalho mais difíceis de detectar, porque os limites do progresso costumam ser muito vagos. Uma indicação pode ser o fato de que serejeitam sistematicamente suas idéias e propostas. Também que alguns têm oportunidades que outros não têm, sem motivo aparente. Da mesma forma, um trabalho no qual você nunca  consegue avançar, mesmo que não tenha objeções ao seu desempenho, pode ser um sinal de assédio moral.

6. Ameaças

As ameaças no local de trabalho raramente são diretas, embora também existam casos em que o são. Porém, o usual é que sejam feitas de forma velada.

Uma coisa é apontar que uma falha no aspecto “x” ou “y” pode trazer consequências negativas para você, e outra bem diferente emitir avisos sérios ao ar, sem especificar em que condições ou em que circunstâncias eles terão consequências negativas efeitos em seu trabalho.

7. Ocultação de informações

Ocorre quando se falha deliberadamente em fornecer informações cruciais para a conclusão adequada do seu trabalho. Da mesma forma, quando não entregam a você no prazo e assim atrapalham o seu trabalho. Se não houver motivo específico para a não entrega da informação, é mais provável que seja assédio moral no local de trabalho.

8. Ridicularização

Os parentes próximos do ridículo são a sátira, a ironia e as sugestões indiretas. Em todos os casos, a linguagem é usada em tom de zombaria, ou sarcasmo, para rebaixar o trabalho ou a pessoa.

A comunicação no trabalho deve ser profissional. Se eles vão reclamar algo de você, devem fazê-lo de forma clara e direta.

9. Insatisfação generalizada com o desempenho

Ocorre quando não importa quão bem você trabalhe ou quão comprometido esteja com seu trabalho, nunca será suficiente para deixar seu chefe satisfeito. Da mesma forma, acontece quando seu desempenho é bom, mas você raramente é reconhecido; em vez disso, quando há um erro… Isso é assédio no local de trabalho e não alta demanda.

Mulher entediada no trabalho

É muito importante que você esteja ciente dos sinais de assédio moral no trabalho, especialmente aqueles que são difíceis de detectar. Você tem direitos e é importante que você os conheça e coloque limites, de forma serena e inteligente, quando os outros quiserem passar por cima deles.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Camacho-Ramírez, A. (2018). Acoso laboral o mobbing. Editorial Universidad del Rosario.
  • Fuentes Rodríguez, C., & Alcaide Lara, E. R. (2009). Manifestaciones textuales de la descortesía y agresividad verbal en diversos ámbitos comunicativos. Universidad internacional de Andalucía.
  • Padial Ortiz, O., & Iglesia Mari, M. D. L. (2002). El mobbing como enfermedad del trabajo.
  • Pereyra, F. (2013). El acceso desigual a los derechos laborales en el servicio doméstico argentino: una aproximación desde la óptica de las empleadoras. Revista de Estudios Sociales, (45), 54-66.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.