Sinto saudade, mas que fique apenas nas recordações…

Sinto saudade, mas que fique apenas nas recordações…

Patricia Prado setembro 13, 2016 em Emoções 13 Compartilhados
Sentir saudade

Eu não sei você, mas muitas vezes sinto saudade quando me lembro de algumas pessoas, embora não as queira de volta em minha vida. Esse sentimento é bastante comum quando tivemos relacionamentos disfuncionais ou mal resolvidos.

Quando passamos por relações desse tipo saímos magoadas, feridas, enfim, emocionalmente abaladas. Há pessoas que saem até fisicamente feridas. Fato é que quando isso nos ocorre interrompemos nossa evolução e temos de fazer um esforço sobre-humano para voltar a ficar bem novamente.

saudade que fica na lembrança

Não é um processo fácil perceber onde e como contribuímos para a ruína de um relacionamento, mas ninguém é só vítima e nem mesmo somente culpado. Falta-nos clareza para ver como tudo aquilo que passamos irá interferir na nossa vida dali para frente. E muitas vezes interfere muito, principalmente nos relacionamentos futuros.

Acontece. Do nada algo nos faz lembrar daquela pessoa com quem tivemos uma relação mal resolvida, daí sentimos saudade e dá vontade de ligar para saber como vai a vida, se os sonhos foram em frente, bater papo, qualquer coisa, mas nos contemos, pois sabemos que essa pessoa não pode acrescentar nada de positivo à nossa vida nesse momento. Desistimos. Sabemos lá no fundo que as coisas não serão como antes, nunca será, o tempo passou e com ele tudo que poderia dar certo.

Por mais que não queiramos admitir, sentimos o peso dessas relações desajustadas: uma hora ou outra ele sempre vem. Sentimos essa necessidade de querer atenuar o desprazer que causa a ausência dessa pessoa que um dia nos foi estimada, mas que saiu de nossa vida ou porque nós decidimos priorizar nosso bem-estar, ou porque a situação já estava insustentável, ou simplesmente fomos separados por caminhos distintos.

lembranças saudade

É bastante saudável sentirmos essa tal saudade

O que muda é que não queremos que algo ou alguém esteja presente em nossa vida de novo. Isso nos ajuda a definir o que nos faz bem, decidir o que queremos daqui para frente, e evitar cometer os mesmos erros do passado.

Toda relação tem dois lados, podemos aprender com tudo. Não é porque acabou que não tenhamos vivido momentos felizes que nos remetam a sentimentos positivos. Porém, a vida é feita de equilíbrio, e mesmo tendo lembranças boas é necessário definir bem que tudo isso faz parte do passado e que também houve situações negativas, que hoje não vale mais a pena resgatar.

Com a nossa constante evolução nos tornarmos cada vez mais conscientes de que talvez essa pessoa com a qual vivemos durante um ciclo da nossa vida hoje seria inadequada para nós, poderia nos trazer diversos problemas ainda maiores do que já tivemos de enfrentar.

É comum sentirmos um incômodo por ainda nos lembrarmos de alguém que tenha nos feito mal, mas devemos entender que todo aprendizado é válido e nos faz crescer, mesmo que a relação tenha criado algum trauma ou sentimentos ruins em nossas vidas.

O ser humano está em constante construção, e se todas as pessoas com quem nos relacionamos contribuem de alguma forma para o nosso crescimento, para a nossa evolução, não são somente as pessoas “boas”, as que permanecem ao nosso lado e as pessoas de nosso convívio de hoje. Não, não. Todas as pessoas interferem, por isso essas que hoje guardamos apenas nas lembranças e nas recordações sem sombra de dúvida contribuíram para que nos tornássemos o que somos. Por isso a elas devemos também a nossa gratidão.

Patricia Prado

"Patrícia Prado é psicóloga, coach, especialista em Gestão de Pessoas, palestrante, capixaba, reside em Ribeirão Preto - SP. Blog: www.patriciaprado.org Página Facebook: www.facebook.com/patriciapradopsi/

Ver perfil »
Recomendados para você