Sintomas da fibromialgia severa

08 Março, 2021
A fibromialgia é uma condição médica de difícil diagnóstico. Neste artigo, abordaremos sua definição, seus sintomas, e daremos atenção para a sua manifestação mais grave.

De acordo com o estudo EPISER, da Sociedade Espanhola de Reumatologia, calcula-se que aproximadamente 2,4% da população espanhola sofra de fibromialgia. Desta porcentagem, entre 20% e 30% apresentam uma dor grave que afeta significativamente suas vidas, que seria classificada como um dos sintomas da fibromialgia severa.

Se buscarmos a sua definição, podemos dizer que a fibromialgia é uma condição médica caracterizada por dor musculoesquelética generalizada que aparece ou se intensifica ao pressionar pontos específicos da morfologia do paciente.

Embora afete os dois gêneros, é predominante entre as mulheres. Aproximadamente, a cada 9 mulheres, apenas 1 homem costuma sofrer da doença. Ela costuma aparecer entre os 30 e 35 anos de idade. Além do gênero, outros fatores de risco são histórico familiar de dor crônica, sofrer ou ter sofrido de doenças reumáticas, traumatismo ou doenças infecciosas. Junto a estes sintomas, a exposição a altos níveis de estresse psicossocial é outro fator de risco.

O que as pessoas com fibromialgia sentem?

Como seu próprio nome indica (fibro – fibras; mio – músculos; algia – dor), o principal sintoma é a dor. Frequentemente, os pacientes dessa condição dizem que “sentem dor em tudo”, pois a doença provoca uma sensação desagradável e generalizada no corpo todo.

Esta dor, além de tudo, surge de forma progressiva e costuma ser estável nas áreas em que ocorre: cotovelos, mãos, joelhos, pescoço, quadris, etc.

Dor no pescoço

Ao aparecer, a intensidade da dor varia com as mudanças climáticas e oscila no tempo, sendo mais intensa pela manhã e no fim da tarde/começo da noite. No entanto, além da dor, outros sintomas da fibromialgia são os seguintes:

  • Fadiga. Entre 80% e 90% das pacientes dizem que se sentem muito cansados e que qualquer atividade exige muito esforço físico ou mental;
  • Rigidez corporal. Cerca de 77% dos pacientes dizem que sentem rigidez geral no corpo, especialmente ao se levantar pela manhã;
  • Transtornos do sono. Entre 70% e 80% dos pacientes também mencionam alterações no sono que, segundo alguns estudos, estão relacionados com a fadiga e antecedem a dor do dia seguinte;
  • Parestesias. Cerca de 63% das pessoas que sofrem de fibromialgia falam sobre sensações de formigamento, principalmente nas mãos;
  • Alterações psicológicas. Aproximadamente 25% dos pacientes apresentam sintomas ansiosos ou depressivos, em sua maioria devido à dor que sofrem;
  • Névoa fibro ou alterações cognitivas. Muitos pacientes também experimentam uma diminuição da clareza mental e da concentração, memória e expressão verbal.

Tipos de fibromialgia

Desde que foi reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como doença em 2002, houve várias tentativas de classificação dos tipos de fibromialgia. Muitas delas baseavam-se, principalmente, nas diferenças psicopatológicas entre os pacientes.

Recentemente, foi realizado um estudo que permitiu a classificação dos tipos, levando em consideração as doenças que ocorrem com a fibromialgia, com base em toda a literatura anterior sobre o assunto.

De acordo com esta classificação, existem quatro tipos:

  • Idiopática (tipo I). Este grupo apresenta um alto nível de dor, mas um perfil psicopatológico e cognitivo normal. Além disso, não há outra doença relacionada aos sintomas nem afeta significativamente a vida dos pacientes;
  • Moderada ou associada a uma doença crônica (tipo II). Neste caso, está relacionada com alguma doença sistêmica ou síndrome dolorosa regional. Embora envolva algumas limitações, a qualidade de vida da pessoa não é afetada caso ela siga um tratamento adequado e leve uma vida saudável;
  • Severa e secundária a alguma doença psiquiátrica (tipo III). Este é o tipo mais grave e a aparição da fibromialgia está associada a uma patologia psiquiátrica prévia;
  • Simulada. A pessoa acredita que tem fibromialgia, de forma consciente ou inconsciente, podendo inclusive chegar a desenvolvê-la.

A fibromialgia severa

Como indicado anteriormente, a fibromialgia severa é a que surge relacionada a alguma doença psiquiátrica prévia. É o tipo mais grave, já que pode impedir a pessoa de desempenhar sua vida pessoal e profissional com normalidade. De fato, em casos graves, é possível se aposentar por invalidez.

Além dos sintomas gerais, entre os sintomas da fibromialgia grave está um grande desequilíbrio psicológico. Os pacientes apresentam alterações no domínio psicossocial (altos níveis de depressão e ansiedade) e dissociação nos aspectos cognitivo-comportamentais (alto grau de catastrofismo e baixo autocontrole da dor).

Neste caso, recomenda-se que a abordagem da fibromialgia severa seja, principalmente, através das unidades de Saúde Mental.

Os sintomas da fibromialgia severa estão relacionados com um grande desequilíbrio psicológico.

Mulher com dores no corpo

Características e sintomas da fibromialgia severa

Entre as características psicológicas comuns encontram-se: recursos escassos para lidar com o estresse, perfil exigente diante das dificuldades, personalidade reservada, inibição da raiva, ruminação, falta de confiança, baixa autoestima, entre outras.

Por outro lado, tendem a apresentar traços de personalidade mais evitativos, dependentes, obsessivos, paranóicos e limítrofes do que a população geral. Porém, ao contrário da opinião popular, apresentam menos traços histriônicos e narcisistas.

Os diferentes tipos de fibromialgia são uma forma de conceitualizar a doença. Geralmente, serão apresentados sintomas que correspondem a vários tipos. Por isso, é necessário realizar um bom diagnóstico diferencial para escolher o melhor tratamento.

  • Atzeni, F., Talotta, R., Masala, I.F., Giacomelli, C., Conversano, C., Nucera, V., … Bazzichi, L. (2019). One year in review: fibromyalgia. Clinical and Experimental Rheumatology, 116(1), 3-10.
  • Belenguer, R., Ramos-Casals, M., Siso, A. y Rivera, J. (2009). Clasificación de la fibromialgia. Revisión sistemática de la literatura. Reumatología clínica, 5(2), 55-62.
  • Moyano, S. Kilstein, J.G. y de Miguel, C.A. (2014). New diagnostic criteria for fibromyalgia: here to stay? Reumatología clínica, 11(4), 210-214.