Sociedade, virtualidade e casal: o atual triângulo amoroso

Muitos casais incluíram um terceiro elemento em seu relacionamento que pode ser realmente perigoso: espectadores e seguidores digitais.
Sociedade, virtualidade e casal: o atual triângulo amoroso

Última atualização: 23 março, 2022

As redes sociais tornaram-se mediadoras das relações amorosas. Da mesma forma, às vezes pode dar a sensação de que os casais atuais precisam de testemunhas nessas redes como fiadores do relacionamento. Em parte, por esse motivo, às vezes se fala de um triângulo amoroso. Como isso pode ser? As redes e as demais intervêm nos vínculos quase como se fossem terceiros.

São muitos os casais que se formam a partir de encontros no âmbito da virtualidade. Da mesma forma, os vínculos que se estabelecem presencialmente costumam introduzir um componente virtual em sua dinâmica. Isso tem repercussões importantes e estabelece as bases para a criação de um verdadeiro triângulo amoroso.

A presença nas redes sociais torna mais difícil manter um espaço pessoal próprio. Nas redes é mais complicado saber onde começa ou termina o mundo de cada indivíduo. Além disso, não é incomum que alguns casais convoquem um tipo de público que acaba interferindo no vínculo. Um terceiro vértice que geralmente não torna o vínculo mais forte.

O mundo gosta da Internet como se fosse um brinquedo. No entanto, é a arma mais poderosa criada pelo homem.”

-Ruben Serrano-

O triângulo amoroso na virtualidade

Casal tirando uma selfie

O amor digital, ou amor com uma forte componente digital, introduz a possibilidade de televisar a relação, praticamente ao vivo. De um lado está o casal e do outro está uma espécie de público que pode solicitar, ou mesmo exigir, informações sobre o que está acontecendo no relacionamento. Assim, o triângulo amoroso está completo.

Alguns não só têm de suportar a pressão de tentar gerir com sucesso as suas próprias expectativas ou as do outro, como também são obrigados, de alguma forma, a ter em conta as desse público improvisado. Assim, algumas questões -como: o que dirão de nós?, como nos verão?- podem acabar condicionando as ações de um e de outro.

Por outro lado, a necessidade de fotografar e partilhar cada momento é também um sintoma que aponta no mesmo sentido. As pessoas que entram nessa dinâmica podem sentir que a felicidade realmente não existe se não fizerem os outros parte dela. Assim, pode chegar um momento em que os principais pontos de referência sejam as testemunhas das redes, junto com suas reações.

É comum ver casais registrando cada evento, seja grande ou pequeno, em uma foto, e não com o objetivo de preservá-lo na memória, mas como forma de obter reforço ou feedback de outros.

Muitos perfis são uma verdadeira coleção de fotos “dos dois” em várias circunstâncias. Quando o que é descrito acontece, as fronteiras entre o privado e o público são borradas, tornando “o jogo” ainda mais dependente, tirânico, cruel e perigoso devido à perversão dos reforços que produz em relação ao casal.

As implicações das redes

A virtualidade, o fato de poder saber onde o outro está a todo momento, mascara muitas atitudes ciumentas. Nesse tipo de dinâmica, fazer uma espécie de acompanhamento ou marcar o outro é muito simples.

O problema realmente sério pode aparecer quando o ciumento deixa de ter essa informação. Por exemplo, porque o outro decide parar de postar tudo o que faz nas redes sociais ou incluir mais pessoas, que não são seu parceiro, em suas postagens.

Em diferentes aspectos, inclusive nos relacionamentos, as redes sociais tornaram-se aquele espaço onde tudo e nada se vê. O que entra em jogo aqui é uma narrativa ficcional de vidas e relacionamentos. Mesmo assim, essa área tem peso suficiente para dar origem a um triângulo amoroso: há um “outro” contínuo que funciona como pano de fundo no vínculo.

Os efeitos do triângulo amoroso

Mulher e homem no celular mandando um beijo

O triângulo amoroso que se forma nas redes sociais, entre a virtualidade, a comunidade e o casal é causa e consequência de diversas características das relações atuais. Fala-se cada vez menos sobre se apaixonar e mais sobre “relacionar-se”. O vínculo de um casal acaba se focando no mercado de imagem.

A exposição pública dos altos e baixos do casal acaba prejudicando sua intimidade. Eles não estão olhando um para o outro, nem estão olhando na mesma direção, mas para a mesma tela. Inclusive, não são poucos os casais que acabam o relacionamento por causa de posts, emojis e chats que não param de chegar.

O efeito geral do ecossistema descrito são relacionamentos menos duradouros, mais superficiais e menos cúmplices. Além disso, é muito comum que a ansiedade apareça porque o público nem sempre reage da forma em que um ou ambos desejam.

Pode interessar a você...
7 jogos divertidos para fazer em casal e conhecer melhor um ao outro
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
7 jogos divertidos para fazer em casal e conhecer melhor um ao outro

Conhecer alguém é mágico e também pode ser divertido. Conheça alguns jogos divertidos para fazer em casal.



  • Aristu, A. L. (2010). El amor en los tiempos de Internet. Critica: La Reflexion Calmada Desenreda Nudos60(966).
  • Cornejo, M., & Tapia, M. L. (2011). Redes sociales y relaciones interpersonales en internet. Fundamentos en humanidades12(24), 219-229.
  • Hurtado, C. M. G., & Bustamante, A. R. (2018). La comunicación en las relaciones de pareja mediadas por la virtualidad en tiempos de modernidad líquida. Latinoamericana de Estudios de Familia, 10(1), 11-30.
  • Levis, D. (2006). Sobre chat, máscaras y otros asuntos sobre el amor en Internet. Teoría de la Educación. Educación y Cultura en la Sociedad de la Información7(2), 141-155.
  • Verdés Bertolín, N. (2020). Enamorarse en el enjambre digital: relaciones virtuales y aplicaciones de citas.