Substância negra, a artesã dos movimentos e da aprendizagem

dezembro 8, 2019
A substância negra participa de processos importantes. Como exemplos, podemos citar o fato de que ela influencia o nosso sono, o nosso humor e a forma como reagimos quando as nossas expectativas não são cumpridas.

Uma das nossas estruturas cerebrais mais impressionantes é a substância negra. Se a julgássemos pelo seu tamanho, poderíamos pensar que não desempenha um papel importante, quando na realidade é fundamental para o nosso organismo.

Este artigo será dedicado a ela. Iremos defini-la e falaremos sobre as suas partes e suas funções. Além disso, mostraremos quais doenças podem estar associadas a alterações na substância negra. 

O que é a substância negra?

Trata-se de uma estrutura que faz parte dos gânglios basais, um circuito de núcleos interconectados. Ela fica localizada no mesencéfalo do nosso cérebro. Além disso, contamos com ela em ambos os lados do nosso cérebro, ou seja, em cada um dos nossos hemisférios cerebrais.

Você pode se perguntar a que se deve o seu nome. Os neurônios desta estrutura contam com um pigmento que faz com que ela apresente um tom escuro. Este pigmento é chamado de neuromelanina, e está presente nos neurônios dopaminérgicos, que são muito abundantes nesta região.

Gânglios basais
Gânglios basais

Funções da substância negra

A substância negra conta com duas partes, cada uma com suas próprias funções:

  • Compacta: se encarrega da transmissão de sinais ao resto dos gânglios basais. Além disso, inicia e regula a motricidade fina, através de projeções de neurônios dopaminérgicos. Esta região se caracteriza por ser mais escura, portanto, contém uma maior quantidade de neurônios dopaminérgicos.
  • Reticulada: sua função é enviar sinais dos gânglios basais a diferentes áreas do encéfalo, sobretudo ao tálamo, um centro de controle de informação. Contém uma quantidade menor de neurônios de dopamina.

Não acredite que, como na sua parte compacta há mais neurônios dopaminérgicos, a seção reticulada não desempenha um papel essencial. Ela ajuda, sobretudo, na inibição neuronal através do neurotransmissor GABA.

Aprendizagem

A substância negra está associada aos processo de aprendizagem, pois media a resposta cerebral a estímulos. Sua função é facilitar a aprendizagem, graças aos efeitos reforçadores da dopamina. Além disso, se envolve, sobretudo, na aprendizagem espacial.

Por que esta função? Uma grande quantidade de neurônios dopaminérgicos é ativada quando surgem estímulos que nos surpreendem. Isso apoiaria a implicação desta estrutura, já que ela contém esse tipo de neurônios. No entanto, não o faz de forma isolada, atua em conexão com outras estruturas cerebrais.

Motricidade

Como mencionamos no início, a substância negra faz parte dos gânglios basais, um conjunto de núcleos que influenciam o movimento. Então, qual é a ação específica da substância negra? Iniciar e dirigir os movimentos nos quais a motricidade fina é necessária.

Os movimentos oculares influenciam a ativação da parte reticulada em associação com o tálamo e outras estruturas do nosso sistema nervoso. Trabalham, sobretudo, para que o nosso olhar se estabilize, nos movimentos do rosto e a da cabeça. Além disso, intervêm no processamento visual.

Reforços e recompensas

Quando sentimos sensações prazerosas, os neurônios da substância negra também se ativam. Desta maneira, eles participam dos circuitos de recompensa. Segundo Bear, Connors e Paradiso, autores do livro ‘Neurociência. A exploração do cérebro’, eles facilitam a previsão de comportamentos que implicam reforço.

Então, quando os padrões de comportamento se repetem, a substância negra também estaria agindo. A isso se devem as associações entre os estímulos e as reações. Portanto, esta substância se vincula com a motivação, os reforços e os vícios, já que pode ser acionada diante do uso adaptativo da aprendizagem.

Regulação do sono

Novamente, falamos sobre os neurônios dopaminérgicos que se encontram em outros locais nesta estrutura. Graças a eles, regulamos nosso ritmo biológico de sono, ou seja, eles têm relação com os padrões de sono-vigília. A fase do sono em que eles ficam mais ativos é a Fase REM.

Além destas funções, a substância negra tem relação com o processamento do tempo, ou seja, com a sua percepção quanto à detecção de intervalos de estímulos.

Mulher dormindo em sua cama

Doenças associadas à substância negra

Como pudemos ver, a substância negra atua em diversas funções importantes para o nosso organismo. Por isso, uma falha na mesma pode levar a várias doenças. Vamos nos centrar nas duas de maior destaque:

  • Esquizofrenia. Trata-se de um transtorno mental no qual a substância negra parece estar implicada. O que acontece é que as vias dopaminérgicas ficam alteradas neste transtorno, e os níveis deste neurotransmissor podem chegar a ser muito altos nesta doença. Por isso, não é raro que na doença surjam sintomas associados à motivação e ao estado de humor.
  • Mal de Parkinson. Ocorre uma degeneração dos neurônios dopaminérgicos, sobretudo na parte compacta da substância negra. Além disso, se refletirmos um pouco sobre as funções desta substância, poderemos notar como elas estão estreitamente relacionadas com alguns sintomas da doença, como as alterações motoras, do humor e do sono.

Em suma, a substância negra é a que nos ajuda no movimento, na motivação, no sono, na detecção de intervalos de estímulos, no humor, na aprendizagem e na conexão de sinais nervosos. Portanto, sua ausência ou alteração causa problemas importantes nos processos em que participa.

Bear, M. F. Connors, B. W., PAradiso, M.A. Nuin, X.U., Guillén, X.V & Sol Jaquotor, M.J. (2008). Neurociencias la exploración del cerebro. Wolters Kluwer/Lippicott Williams & Wikins.

Kandel, E. R., Schwartz, J. H., & Jessel, T.M. (2001). Principios de neurociencia. Madrid: McGrawHill Interamericana