Susan Fiske: biografia de uma psicóloga que aborda sexismo e preconceito

Susan Fiske é uma psicóloga que lida com questões como sexismo e preconceito. Atualmente, ela continua pesquisando e escrevendo artigos muito interessantes. Quer saber mais sobre sua vida e suas teorias mais relevantes?
Susan Fiske: biografia de uma psicóloga que aborda sexismo e preconceito

Última atualização: 12 abril, 2022

Susan Fiske passou grande parte de sua vida estudando sexismo, estereótipos e preconceitos. Sua paixão pela psicologia social nos permite desfrutar atualmente de um grande número de livros e artigos que podemos encontrar na Internet. Todos eles são leituras altamente recomendadas, pois todos os seus textos despertam um interesse crescente.

A razão pela qual quisemos falar sobre essa influente pesquisadora no campo da psicologia social é porque seu trabalho ainda é desconhecido para muitas pessoas.

Para conhecê-la em profundidade, não podemos ignorar o ambiente em que ela nasceu e cresceu, pois teve muito a ver com sua carreira profissional posterior.

Muitos livros

Biografia de Susan Fiske

Para falar sobre a vida e a trajetória profissional dessa psicóloga, nos baseamos nos dados coletados pelo Academic Journal PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States).

Consideramos que foi feita uma compilação bastante completa e interessante, que apresentamos a seguir. Da mesma forma, deixaremos algumas obras importantes com suas respectivas referências.

Seus primeiros anos

Susan Fiske nasceu em 1952 em Chicago (atualmente tem 67 anos). Seu pai foi um psicólogo altamente influente que trabalhava na Universidade de Chicago. Sua mãe, era editora, mas também uma líder ativista. A avó e a bisavó de Susan Fiske eram fortes lutadoras pelos direitos das mulheres.

Menção especial deve ser feita a seu irmão, um antropólogo que trabalha na Universidade da Califórnia, que se tornaria um importante modelo para Susan Fiske.

Sem dúvida, toda a família tinha valores muito fortes que fizeram Fiske crescer em um ambiente muito enriquecedor. Aliás, ela mesma diz que as conversas à mesa de jantar eram sempre muito estimulantes.

O início de sua carreira

Fortemente motivada por este ambiente familiar, Susan Fiske, aos 21 anos, matriculou-se no Radcliffe College onde ela se formou em Relações Sociais.

Após concluir o doutorado na Universidade de Harvard, recebeu o Cum laude, sem dúvida, a prova de que alcançaria grande sucesso ao longo de sua carreira profissional. Sua tese foi Attention and Weight in Person Perception: The Impact of Negative and Extreme Behavior.

Depois de obter seu doutorado, Susan Fiske teve a oportunidade de trabalhar como professora assistente de psicologia e ciências sociais na Universidade Carnegie-Mellon. No entanto, ela continuou a manter contato com sua tutora de doutorado, Shelley Taylor, investigando ainda mais o estudo da cognição social. Assim, foram coautoras do livro Social Cognition.

A teoria do sexismo ambivalente de Susan Fiske

Susan Fiske trabalhou com Peter Glick sobre preconceito. Suas investigações foram tão longe que conseguiram desenvolver Ambivalent Sexism Inventory (ASI). Essa ferramenta possibilita registrar e compreender melhor o preconceito em relação às mulheres.

Na ASI, há dois componentes fundamentais: por um lado, o sexismo hostil, voltado para aquelas mulheres que defendiam seus direitos; de outro, o sexismo benevolente, em que se registram comportamentos paternalistas e superprotetores dirigidos às mulheres que cumprem a imagem tradicional de como devem ser e o que devem fazer.

Mulher pensando em fechamento precisa de teste

Modelo de conteúdo estereotipado

Susan Fiske também abordou o modelo de conteúdo dos estereótipos. Esta teoria foi desenvolvida em conjunto com Peter Glick e uma ex-aluna chamada Amy Cuddy. O que ele argumenta é que as pessoas tendem a perceber os grupos sociais com base na sociabilidade e na competência.

Esse modelo permite ver como as pessoas que pertencem ao mesmo grupo social são vistas como mais amigáveis (afetuosas) e competentes. No entanto, aqueles que não fazem parte desse grupo, por exemplo, pessoas com recursos limitados ou em risco de exclusão social, não são vistos da mesma forma. Dessa forma, elas têm estereótipos positivos em relação ao próprio grupo e negativos em relação aos outros.

Susan Fiske continua a fazer um trabalho importante hoje. Por seu trabalho, ele ganhou vários títulos honoríficos e até se tornou membro eleito da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. Embora tenhamos mencionado duas de suas teorias, recomendamos investigar mais sobre essa interessante psicóloga. Ela certamente fará novas contribuições que não deixarão de surpreender. Você a conhecia?

Pode interessar a você...
Albert Ellis: biografia do criador da terapia racional emotiva comportamental
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Albert Ellis: biografia do criador da terapia racional emotiva comportamental

Albert Ellis foi um dos psicólogos mais influentes do século XX graças ao desenvolvimento da Terapia Racional Emotiva Comportamental.



  • Fiske, S. T. (1980). Attention and weight in person perception: The impact of negative and extreme behavior. Journal of personality and Social Psychology38(6), 889.
  • Flavell, J. H., & Miller, P. H. (1998). Social cognition.
  • Glick, P., & Fiske, S. T. (2018). The ambivalent sexism inventory: Differentiating hostile and benevolent sexism. In Social Cognition (pp. 116-160). Routledge.