Tantra: a ciência que transforma amantes comuns em almas gêmeas

Tantra: a ciência que transforma amantes comuns em almas gêmeas

novembro 12, 2016 em Psicologia 0 Compartilhados
Tantra: ciência que transforma amantes comuns em almas gêmeas

O tantra é uma filosofia milenar que vem da Índia, e compreende nossa energia sexual como uma potente força criativa. Essa potencialidade permite elevar nosso ser a um plano superior através da sexualidade e do desenvolvimento espiritual.

Essa filosofia se baseia na energia vital e na plena aceitação da vida e do nosso ser. Os métodos práticos do tantra nos ajudam a desenvolver nossa consciência, ampliando nossas potencialidades físicas graças a aceitação de nossas sensações, emoções e desejos.

Integrar os valores do tantra pode nos ajudar a viver a sexualidade de uma forma mais saudável e enriquecedora. Dessa forma, nos desprenderíamos de todos os julgamentos morais, medos e culpa que nos foram transmitidos sobre como viver nossa sexualidade. A ansiedade subjacente, que é a principal causa da maioria dos problemas sexuais, desapareceria.

“O tantra utiliza o ato sexual para se integrar, mas você terá que entrar nele muito meditativamente; esquecendo tudo o que já ouviu falar sobre o sexo; o que já estudou sobre ele; o que a sociedade, a igreja e a religião lhe disseram; assim como seus professores… esqueça tudo isso, totalmente”.
– Osho-

mulher-pedras

Como o tantra é praticado?

O tantra é, antes de tudo, uma forma de se realizar na vida. Psicanalistas renomados como Jung, Reich e Freud prepararam o terreno para que essa filosofia pudesse adentrar o Ocidente, baseando-se nos princípios da integração entre o masculino e o feminino como condição sine qua non para chegar à maturidade psicológica.

O tantra pode ser praticado através de diferentes técnicas: a meditação, repetição de mantras, práticas rituais, invocação de deidades, visualizações, fantasias, ioga, etc. Todas essas técnicas são utilizadas para despertar nossos sentidos e obter uma estimulação física e mental.

Essas práticas nos convidam a experimentar o desejo de uma forma saudável, já que, no geral, costumamos lutar contra ele devido aos nossos medos, à culpa e à vergonha. A verdade é que cortamos nosso desejo com a intenção de não sofrer.

O tantra nos ensina a não lutar contra o desejo, a entendê-lo como um aliado de nosso movimento, da ação e da vida. Compreender que se trata de um impulso vital em benefício da nossa natureza. A aceitação do sexo de forma natural nos convida a adentrarmos em nossa mais profunda sensibilidade.

“O sexo é só o princípio, não o fim. Mas se você perde o princípio, também perderá o fim”.
– Osho-

mulher-alongando-flores

Atitudes que o tantra promove

O tantra promove a atitude de abandono diante do desejo e da experiência, um convite a manter o prazer sem interferências mentais. Sem julgamentos nem opiniões, uma atitude de aceitação, uma fusão e união profunda de duas almas.

Através da libertação de nossas limitações mentais, conseguimos adentrar o mundo dos sentidos. Este aprendizado contribui para solucionar muitas disfunções sexuais, já que promove as seguintes atitudes:

  • Acabar com nossas limitações de âmbito religioso, social e moral, favorecendo, assim, uma atitude mais livre e aberta em relação à sexualidade;
  • Através de diversas mensagens, o tantra é aprendido para prolongar o prazer e manter de forma contínua a sensação do orgasmo, para experimentar o êxtase;
  • A atenção plena: nos ensinando a desfrutar do tato sendo conscientes do que experimentamos, aumentando a conexão sexual, corporal e espiritual  com a outra pessoa;
  • Sua prática meditativa contribui para uma profunda conexão interpessoal de um amor espiritual.
  • O encontro erótico acontece através dos nossos cinco sentidos, de modo que todo o conjunto é empregado. Dessa forma, é subtraída a importância exclusiva que o Ocidente tem sobre o contato oral e o coito, diminuindo, assim, a ansiedade da execução.

Crescimento espiritual por meio da nossa energia sexual

Duas pessoas se encontram, se desfazem de toda a contaminação mundana, chegam a uma aproximação mística, sentem a energia, a essência de seu espírito. É o momento da expansão e da falta da inibição; saborear a libertação. Elas se entrelaçam encontrando-se com o amor espiritual, o êxtase, origem da criação.
Compartilhar

bocas-proximas

Se aprendermos a estar plenamente presentes com nosso parceiro, vamos poder experimentar o que é desfrutar da delícia de cada pedaço. Iremos levar com mais calma a presença do ser amado, diminuir a nossa agitação mental e a ansiedade antecipatória.

Conseguimos, através do crescimento espiritual, um maior conhecimento sobre nós: ampliando nossa consciência, diminuindo nossos medos e tudo aquilo que impede a entrega e abandono de nosso ser à experiência.

“O espírito dá significado a sua vida e à possibilidade de seu maior desenvolvimento. Mas a vida é essência para o espírito, já que sua verdade não é nada se não puder viver.”
– C. G. Jung-

Recomendados para você