Tensão muscular causada por estresse

31 Julho, 2020
O impacto que as emoções têm sobre o nosso corpo é muito grande. Hoje veremos como o estresse afeta o nosso corpo, como ele se manifesta e como podemos combatê-lo para que não se traduza em tensão muscular.

Seu pescoço dói muito, mesmo quando você trabalha sentado e mantém uma boa postura? Você sente a sua mandíbula dolorida depois de receber uma carga repentina de trabalho? Se a resposta for sim, você provavelmente está sofrendo de tensão muscular causada pelo estresse: uma manifestação física de um problema de saúde que está afetando cada vez mais pessoas.

O artigo Estresse Acadêmico define muito bem todos os sintomas psicológicos subjacentes ao estresse. E o expõe como algumas exigências que causam pressão, perda de controle e exaustão.

As exigências são tão elevadas que derivam em um estresse que você precisa expressar, mesmo que fisicamente. Por esse motivo, aparecem dores nas costas, dores na mandíbula e dores de cabeça.

Um grande problema

O fato de muitas pessoas sofrerem de tensão muscular causada por estresse levou a uma “normalização” do problema. Dessa quantidade de pessoas afetadas, uma boa parte passou a encarar isso como algo normal. Portanto, não considera realizar uma intervenção para corrigir o problema. Isso não é nada além da face perniciosa da aceitação: a resignação.

Por outro lado, um dos alertas que indicam que estamos suportando uma carga de trabalho ou estudo considerável é a tensão nos ombros. Percebemos que ficam mais rígidos e sofremos contraturas que frequentemente se estendem até o pescoço.

Um grande problema

Você já viu alguém mover essa parte do corpo de um lado para outro enquanto a massageia? Pode ser sutil no começo, mas se não reduzirmos nosso estresse ao longo do tempo, pode se tornar um incômodo que se torna habitual.

Além disso, se alguma vez você já se sentiu muito estressado, deve ter notado como contrai os músculos das pernas em excesso. Isso, embora possa não parecer relevante, pode causar cãibras. Talvez você se identifique com esses episódios desagradáveis.

“O estresse deve ser uma força motriz poderosa, não um obstáculo.”

-Bill Philips-

Tensão muscular causada por estresse e as lesões

Pode parecer um exagero, mas não é. Por exemplo, ao aumentar a tensão muscular, o estresse pode ser um fator de risco para as lesões. Isso é algo que um atleta conhece bem, e é por isso que alonga seus músculos suavemente – com o objetivo de relaxar, não de ganhar flexibilidade – quando termina um treino intenso.

Quando sofremos de tensão muscular devido ao estresse, não estamos realizando nenhum exercício físico, portanto, não fazemos alongamentos. Porém, nossos músculos são rígidos e, portanto, suscetíveis a lesões.

Prevenir e reduzir o estresse

Se não tomarmos medidas para começar a reduzir e prevenir a tensão muscular causada pelo estresse, a situação vai piorar. Nesse sentido, procurar um fisioterapeuta pode ser como colocar um curativo na ferida: é inútil se não agirmos diretamente sobre o fator causal.

Como reduzir o estresse na nossa vida? Tomar uma série de medidas aparentemente simples, mas que exigem o nosso envolvimento consciente. Mesmo se sentirmos muita preguiça, será uma mudança importante que nos permitirá nos sentir melhor.

Prevenir e reduzir o estresse

Por fim, gostaríamos de lembrar algo muito importante. Quando estivermos longe do ambiente estressante, devemos nos concentrar no momento presente.

Na natureza que nos rodeia enquanto caminhamos, em como nos sentimos bem ao exercitar nossos músculos na academia, na alegria dos nossos amigos com quem compartilhamos projetos… Por último, e o melhor de tudo, também podemos procurar a ajuda de um profissional.

  • Elena, H. M., Sandra, C. R., & Guadalupe, L. S. M. (2007). Estrategias de afrontamiento ante el estrés laboral en enfermeras. Revista de Enfermería del Instituto Mexicano del Seguro Social15(3), 161-166.
  • Gonzales, R. R., Doval, Y. R., & Pérez, O. M. (2002). Estrés laboral, consideraciones sobre sus características y formas de afrontamiento. Revista internacional de Psicología3(01).
  • López Fernández, Rosa. (1996). La relajación como una de las estrategias psicológicas de intervención mas utilizadas en la practica clínica actual: Parte II. Revista Cubana de Medicina General Integral12(4), 375-380. Recuperado en 25 de febrero de 2019, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21251996000400008&lng=es&tlng=es.
  • López, A. D. J. H., Pérez, F. M., González, J. G., & López, E. C. Cultivos biointensivos y huertos familiares como terapia de apoyo para minimizar el estrés: empleo de la creatividad como recurso en la preservación de la salud.
  • Sierra, Juan Carlos, Ortega, Virgilio, & Zubeidat, Ihab. (2003). Ansiedad, angustia y estrés: tres conceptos a diferenciar. Revista Mal Estar e Subjetividade3(1), 10-59. Recuperado em 25 de feveiro de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482003000100002&lng=pt&tlng=es.