A teoria bifatorial de Spearman sobre a inteligência

21 Fevereiro, 2021
Spearman é uma das figuras mais importantes no estudo da inteligência. A sua abordagem foi uma revolução, nos fazendo começar a questionar a inteligência como um fator único e indivisível.

Quando falamos sobre inteligência e seu estudo científico, não podemos omitir, entre outros, o nome de Charles Spearman. Os seus estudos forneceram uma riqueza de informações e ideias para futuros pensadores. Por que a teoria bifatorial de Spearman era, e é, tão importante para o estudo da inteligência e dos testes psicométricos?

A inteligência tem sido cientificamente estudada e conceituada por diferentes pensadores. Entre eles está Charles Spearman, que cunhou o termo inteligência geral em 1904 a partir dos estudos de Galton.

Charles Spearman (1863 – 1945) foi um psicólogo nascido em Londres, discípulo do pai da psicologia experimental, Wilhelm Wundt (1832 – 1920) e influenciado pelas obras de Francis Galton (1822 – 1911).

Foi o fundador da London School of Psychology do University College London (UCL), onde, juntamente com muitos dos seus alunos, pôs em prática a psicologia experimental durante as primeiras décadas do século XX.

A teoria bifatorial de Spearman

A teoria bifatorial de Spearman propõe um sistema onde a inteligência é decomposta em fatores, o fator geral (g) e os fatores específicos (s).

Spearman afirmou, em 1923, que o desempenho acadêmico de crianças em idade escolar estava correlacionado com o resultado obtido em testes sensoriais que ele mesmo escolheu e lhes aplicou. Concluiu, assim, que a inteligência geral poderia ser medida com a capacidade de discriminação sensorial, proposta anteriormente por Galton.

Dentro do estudo científico da inteligência atualmente, é difícil abordar o assunto sem falar da Teoria Bifatorial de Spearman, uma vez que ela lançou as bases para uma nova etapa de estudos.

Árvores como peças de quebra-cabeças

A inteligência geral

Spearman definiu a inteligência geral como “a capacidade de deduzir relacionamentos e deles extrair correlatos”.

Ele também falou de um fenômeno neural g, que “é considerado em sua tese como uma energia potencial disponível em todo o cérebro, e postula que essa energia difere quantitativamente entre os indivíduos e seria determinada geneticamente” (Spearman 1927 pp 124, citado por Rosa María Bonastre Rovira em “A inteligência geral (g), eficiência e o índice de velocidade de condução nervosa: uma abordagem empírica, 2004”).

Ou seja, ele fala de uma parte da inteligência que intervém em muitas atividades, porém, não se especializa em nenhuma delas. Ao contrário dos fatores específicos ou fatores s.

Os fatores específicos

Também conhecidos como fatores s, são aqueles que correspondem a diferentes habilidades, como atividades mecânicas, verbais, numéricas, espaciais, entre outras.

Portanto, a teoria bifatorial de Spearman nos diz que se um menor em idade escolar tiver boas notas em uma das disciplinas, será mais provável que obtenha boas notas nas demais também.

Nessas avaliações intervém a inteligência geral ou “g”. Porém, isso não garante que o menor se sobressaia em uma futura habilidade, disciplina ou área específica, pois para isso é necessário que os ‘fatores s’ intervenham.

Contribuições da teoria bifatorial de Spearman para o estudo da inteligência

Da teoria bifatorial de Spearman e das diferentes críticas que recebeu, surgiram outras ideias para tentar compreender cientificamente o fenômeno da inteligência.

Algumas dessas críticas estavam relacionadas a preconceitos culturais, posição econômica, localização geográfica da residência do indivíduo ou nível acadêmico. Como a teoria bifatorial de Spearman não leva esses fatores em consideração e a genética não pode explicar tudo, surgiram novas propostas e modelos.

Outras definições

Algumas outras definições que pareceram relevantes ao longo do tempo são de pensadores como a Dra. Rosa María Bonastre Rovira, 2004, mencionada em “Inteligência geral (g), eficiência neuronal e índice de velocidade de condução nervosa: uma abordagem empírica” ​​e  Hebb D. O. (1949 em A organização do comportamento) que afirmam que “inteligência é o potencial de um organismo animal para aprender e se adaptar ao seu ambiente”.

Stemberg (1985 em Beyod IQ: Uma teoria triárquica da inteligência humana) a define da seguinte forma: “A inteligência explica as diferenças que observamos entre as pessoas para resolver problemas”.

Gottfredson LS (1997 em “Por que a inteligência g importa: a complexidade da vida cotidiana”) afirma que a inteligência “é uma faculdade mental geral que, entre outras coisas, implica a capacidade de reagir, planejar, resolver problemas, pensar abstratamente, compreender ideias complexas, aprender rápido e aprender com a experiência”.

Howard Gardner (1999 em “O córtex pré-frontal: funções executivas e cognitivas”) reconhece a inteligência como “um potencial biopsicológico de processamento de informação para resolver problemas ou criar produtos valiosos para uma dada cultura ou comunidade”.

Essas são algumas das contribuições mais importantes sobre a inteligência e, como podemos ver, estão relacionadas à resolução de conflitos e à adaptação ao meio ambiente, o que indica que não levam mais em consideração apenas as condições genéticas dos indivíduos.

A teoria bifatorial de Spearman sobre a inteligência

Na psicologia, existem testes psicométricos para quase todas as dimensões que têm despertado interesse; a teoria bifatorial de Spearman, embora não seja tão valorizada por alguns, tem uma grande relevância. Destes estudos, surgiram outros que foram dando forma a diferentes testes de inteligência psicométrica que usamos hoje.

Atualmente, testes psicométricos baseados na teoria bifatorial de Spearman continuam sendo aplicados, como o Teste de Matrizes Progressivas de Raven, Teste de Dominós D-48 e Teste do fator g de Cattell.