Teoria da dissociação estrutural: quando a personalidade se divide após o trauma

A dissociação é um mecanismo de defesa que a mente coloca em movimento quando se depara com uma experiência traumática. Saiba o que é e como funciona.
Teoria da dissociação estrutural: quando a personalidade se divide após o trauma

Última atualização: 11 Agosto, 2021

A mente humana é complexa, e a sua adaptabilidade pode ser surpreendente. Quando o indivíduo sofre um trauma grave, vários mecanismos de defesa são colocados em prática para lidar com o estresse emocional. Um deles é a dissociação, que permite que a consciência se divida para continuar funcionando apesar das graves circunstâncias vividas. É isso que explica a interessante teoria da dissociação estrutural.

Quando falamos de personalidade dissociada, geralmente pensamos no que antes era chamado de “transtorno de personalidade múltipla“. Embora este seja o representante de uma das formas mais complexas de dissociação, existem outras condições que também a apresentam, como o transtorno de estresse pós-traumático e transtorno de personalidade limítrofe. Até mesmo indivíduos saudáveis ​​são capazes de se dissociar em determinados momentos. Vamos examinar isso mais de perto.

Dupla personalidade

Em que consiste a dissociação?

A dissociação é um processo no qual elementos que normalmente estão associados se desconectam. Isso pode afetar a percepção, as emoções ou a identidade e se apresentar de diferentes maneiras.

Em um grau não patológico, todos nós podemos experimentar a dissociação em diferentes circunstâncias, como:

  • Quando você está dirigindo, absorto em seus pensamentos, e chega ao seu destino sem se lembrar de nada sobre a viagem. Você sabe que já faz um tempo que começou a jornada, mas a sua mente descartou tudo que aconteceu no meio.
  • Enquanto você está fazendo uma atividade absorvente (por exemplo, pintar ou ler), alguém pode falar com você e você ouvirá, mas não processará a informação.

A dissociação em um grau patológico aparece como um mecanismo de defesa contra o trauma. Embora tenha a função de ajudar na sobrevivência e no funcionamento, pode ser a fonte de uma série de problemas.

A teoria da dissociação estrutural

A teoria da dissociação estrutural, postulada pelo psicólogo Onno van der Hart, tenta explicar a dissociação da personalidade após um evento traumático.

Este modelo defende a existência de dois sistemas de personalidade presentes em todos os indivíduos, que estão integrados nas pessoas saudáveis:

  • O sistema de ação orientado para a sobrevivência: incentiva a abordagem de estímulos agradáveis, prazerosos ​​e necessários. Por exemplo, nos motiva a comer, socializar, nos divertir, nos limpar ou trabalhar.
  • O sistema de ação orientado para a defesa: nos protege de ameaças e situações perigosas e desagradáveis. Por exemplo, nos motiva a confrontar aqueles que nos atacam, a fugir de um ladrão ou a procurar ajuda quando precisamos.

As duas partes da personalidade

Quando ocorre uma experiência traumática, esses dois sistemas se dissociam e a personalidade começa a funcionar de maneira dividida. Desta forma, surgem duas partes diferentes da personalidade:

  • A Parte Aparentemente Normal (PAN): é responsável por tentar levar uma vida o mais normal e funcional possível. Para conseguir isso, ela se separa do trauma e de tudo relacionado a ele. Você pode não ter acesso ou se conectar emocionalmente com essas memórias (falar sobre o trauma sem sentir a dor). Também é comum que ela evite “de forma fóbica” qualquer estímulo, local ou situação que possa lembrá-lo do ocorrido.
  • A Parte Emocional (PE): detém a carga emocional negativa e que permaneceu ancorada no momento do trauma. Por isso surgem flashbacks e a reexperimentação, e o objetivo principal é ficar atento a possíveis novos perigos. Portanto, essa parte não funciona na vida cotidiana.

As duas partes da personalidade

Níveis de dissociação de acordo com a teoria da dissociação estrutural

Dependendo da gravidade do trauma, do momento da vida em que é vivenciado e de outros fatores, podem ocorrer diferentes níveis de dissociação:

  • A dissociação estrutural primária é caracterizada pela presença de um único PAN e um único PE. É típica do transtorno de estresse pós-traumático e outros transtornos dissociativos simples.
  • Na dissociação estrutural secundária, um único PAN e vários PEs são responsáveis ​​por diferentes funções. Por exemplo, um PE pode promover a luta e, outro, a submissão. Este estado ocorre no transtorno de estresse pós-traumático complexo ou transtorno de personalidade borderline resultante de trauma.
  • Finalmente, na dissociação estrutural terciária, existem vários PANs e vários PEs. É o grau máximo de dissociação e é típico do transtorno dissociativo de identidade (anteriormente conhecido como transtorno de personalidade múltipla).

A dissociação é a consequência

Em última análise, esse modelo teórico ajuda a compreender os mecanismos complexos que a mente coloca em movimento para lidar com o trauma.

Isso nos lembra que a dissociação não é o problema, mas a consequência que surge como uma defesa contra a dor extrema. Portanto, o processamento desse trauma (causa inicial) deve ser o principal objetivo da intervenção psicológica.

Pode interessar a você...
Você conhece o transtorno dissociativo de identidade?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Você conhece o transtorno dissociativo de identidade?

A característica que define um transtorno dissociativo de identidade é a presença de dois ou mais estados de personalidade, ou uma experiência de p...



  • Nijenhuis, E., van der Hart, O., & Steele, K. (2010). Trauma-related structural dissociation of the personality. Activitas Nervosa Superior52(1), 1-23.
  • Steele, K., van der Hart, O., & Nijenhuis, E. R. (2004). Tratamiento secuenciado en fases de la disociación estructural en la traumatización compleja: superar las fobias relacionadas con el trauma. Journal of Trauma & Dissociation6(3), 11-53.