A teoria dos construtos pessoais de George Kelly

· setembro 26, 2018

Em 1955, George Kelly apresentou a teoria dos construtos pessoais como uma alternativa às duas principais abordagens que estavam em vigor para entender a compreensão humana: o behaviorismo e as teorias psicodinâmicas (psicanálise). Essa corrente desafiou o pensamento psicológico existente na época.

Tradicionalmente, a pesquisa psicológica considera todas as pessoas que estuda como objetos de estudos; assim, eles os diferenciam de alguém que, como eles, tenta dar um sentido aos acontecimentos. Nesse sentido, Kelly sugeriu que precisamos mudar a forma como vemos a ciência se ela se aplica aos seres humanos.

A premissa da teoria dos construtos pessoais de George Kelly era direta, mas radical. Ele afirmava que as pessoas nunca conhecem o mundo diretamente, mas apenas através de imagens que criam dele. Dessa forma, ele concebe o ser humano como um cientista que constrói e modifica os seus conhecimentos e hipóteses de acordo com a sua experiência.

Portanto, os construtos são os mapas mentais que temos da realidade, além dos seus opostos. Portanto, para definir o que é algo, é necessário descobrir o que não é, de acordo com a teoria de Kelly. Por exemplo, ser feliz para mim pode ser diferente do que é ser feliz para o outro, dependendo de como interpretamos o que significa estar mal emocionalmente.

A teoria dos construtos pessoais de George Kelly nos convida a entender como cada um de nós vê o mundo. Em vez de usar conceitos complexos da psicologia para entender as pessoas, essa corrente de pensamento tenta compreender as pessoas em seus próprios termos.

A teoria dos construtos pessoais de Kelly sugere que as pessoas desenvolvem as suas construções pessoais conforme o seu entendimento sobre como o mundo funciona. Isto é, através dos construtos, dão um sentido ao que observam e experimentam.

George Kelly

A psicologia dos construtos pessoais

Durante a década de 1950, as perspectivas comportamentais e psicanalíticas ainda eram predominantes na psicologia. Kelly, por outro lado, via as pessoas como criadoras ativas da sua realidade. Isso se contrapunha às ideias dessas duas correntes, nas quais o sujeito pouco podia fazer para mudar a sua visão de mundo.

Kelly defendia que, desde que nascemos, estamos desenvolvendo um conjunto de construtos pessoais. São essencialmente representações mentais que usamos para interpretar eventos e dar significado ao que acontece. Eles se baseiam em nossas experiências e observações.

Em vez de ver os seres humanos como sujeitos passivos à mercê das associações, reforços e punições que encontram em seu ambiente (behaviorismo), ou dos seus desejos inconscientes e experiências da infância (psicanálise), Kelly acreditava que as pessoas desempenham um papel ativo em como coletam e interpretam o conhecimento.

Ao longo das nossas vidas, realizamos “experimentos” que testam as nossas crenças, percepções e interpretações. Se essas experiências funcionarem, elas fortalecem as nossas crenças atuais. Quando isso não acontece, podemos mudar nossos pontos de vista. Para a teoria dos construtos pessoais de Kelly, isso é fundamental.

Devido a esse processo, experimentamos o mundo através da “lente” das nossas crenças. Elas são usadas para prever e antecipar eventos, o que por sua vez, determina os nossos comportamentos, sentimentos e pensamentos.

Kelly também defendia que todos os eventos que acontecem estão abertos a múltiplas interpretações. Em seus trabalhos, ele se referiu a elas como alternativas construtivas. Quando tentamos entender um evento ou situação, também podemos escolher qual construção queremos usar para explicá-lo.

O que diz a teoria dos construtos pessoais

Como utilizamos os construtos

Kelly argumentava que o processo de usar construtos mentais funciona de maneira semelhante a como um cientista usa uma teoria. Primeiro, começamos com uma hipótese sobre por que uma situação ocorre. Em seguida, a testamos aplicando o construto e prevendo o resultado que acreditamos que ocorrerá. Se formos bem-sucedidos, entenderemos que a construção mental é útil nessa situação e a preservaremos para uso futuro.

No entanto, quando as nossas previsões não se realizam, podemos seguir três caminhos:

  • Reconsiderar como e quando aplicarmos a construção.
  • Alterar a construção.
  • Abandoná-la completamente.

Por outro lado, a recorrência de uma situação desempenha um papel importante na teoria das construções pessoais. Os construtos surgem porque refletem coisas que se repetem frequentemente em nossa experiência.

Além disso, Kelly acreditava que nossas formas de ver o mundo tendem a ser organizadas hierarquicamente. Assim, poderemos encontrar construções mais básicas na base da hierarquia; enquanto as construções mais complexas e abstratas seriam colocadas em níveis superiores.

Segundo Kelly, os construtos são bipolares. Isto é, em essência, cada construto consiste em um par de faces opostas. O lado que uma pessoa aplica a um evento é conhecido como o polo emergente. O que não se aplica é o polo implícito.

Finalmente, é essencial lembrar a ênfase na individualidade na teoria das construções pessoais. Os construtos são intrinsecamente pessoais porque são baseados nas experiências de vida de cada pessoa. O sistema de crenças de cada um é único e é a natureza individual dessas experiências que forma as diferenças entre as pessoas.

A teoria dos construtos pessoais

A validade da teoria dos construtos pessoais

George Kelly argumentava que a validade de qualquer teoria reside na sua utilidade. No caso da sua teoria, a sua utilidade foi comprovada em campos muito diferentes: na linguística, história, psicoterapia, administração, desenvolvimento organizacional, estudos de mercado, sociologia, psiquiatria, psicologia e muitos outros.

Atualmente, a teoria dos construtos pessoais continua viva e ativa, com organizações que as investigam nos Estados Unidos, Europa e Austrália.