A teoria dos seis graus de separação

· novembro 8, 2018

Você acredita que seria possível conhecer o seu ator favorito, ou os componentes do grupo musical pelo qual é apaixonado há anos? Segundo a teoria dos seis graus de separação, isso não seria tão difícil.

Esta hipótese sugere que qualquer habitante do planeta Terra está ligado com todos os outros através de um máximo de seis relacionamentos pessoais, entre conhecidos ou amizades. Portanto, nós poderíamos chegar até qualquer pessoa por meio de um número máximo de cinco intermediários.

Imagine que você deseja conhecer o famoso ator Will Smith. Talvez você tenha algum familiar que trabalhe em uma agência de publicidade, e talvez o seu chefe tenha trabalhado nos Estados Unidos, onde conheceu um representante de artistas que trabalha com um músico que, em algumas ocasiões, colabora com esse famoso ator. Parece complicado, mas você poderia se surpreender.

O começo da teoria dos seis graus de separação.

Esta curiosa teoria foi inicialmente proposta pelo escritor húngaro Frigyes Karinthy no ano de 1930, a partir de um conto titulado Chains.

Segundo o escritor, a ideia da teoria dos seis graus de separação se baseia no fato de que o número de pessoas conhecidas cresce exponencialmente junto com o número de relacionamentos em cadeia.

Desta forma, só um pequeno número de relacionamentos seria necessário para que o conjunto de indivíduos que qualquer pessoa pudesse conhecer se transformasse em toda a população do planeta. Este conceito foi descrito pelo sociólogo Duncan Watts no livro Six Degrees: The Science of a Connected Age.

Teoria dos seis graus de separação

O funcionamento da teoria dos seis graus de separação

Logicamente, esta hipótese deve se basear em números, os quais estão estabelecidos por uma média de pessoas que cada indivíduo pode conhecer. Segundo a teoria dos seis graus de separação, cada pessoa do mundo conhece outras cem, entre amigos, familiares e colegas de trabalho.

Ainda que, inicialmente, seja difícil listar as cem pessoas que conhecemos, bastaria uma rápida olhada na lista de amizades de qualquer rede social para ver que isso não só é possível, mas também bastante comum.

Bom, se cada um dos nossos 100 conhecidos está relacionado com outras 100 pessoas, o número aumentaria para 10.000 somente com o segundo nível dessa cadeia. No começo nós não conheceríamos a maioria dessas 10.000 pessoas, mas elas seriam facilmente acessíveis se pedíssemos aos nossos amigos ou familiares que nos apresentassem a esse grupo.

É claro, essa hipótese também considera que nenhum dos nossos 100 conhecidos têm relacionamentos comuns com os seguintes 10.000. Apesar de, na prática, isso não ser verdade, também devemos considerar que é bastante provável que muitos de nossos conhecidos tenham acesso a mais de 100 pessoas, o que poderia equilibrar a situação.

Continuando com os níveis dessa cadeia, no próximo passo nós poderíamos aumentar o número de pessoas a 1 milhão e, com outro mais, a 100 milhões de pessoas. Em um quinto nível chegaríamos a 10 bilhões, e no sexto atingiríamos 1 trilhão.

Isso supera bastante a população total do planeta, e por isso as relações que os integrantes da cadeia têm em comum poderiam ser compensadas sem nenhum problema.

A teoria dos seis graus de separação e o networking

Esta teoria está bastante ligada ao conceito de networking: uma prática profissional e empresarial baseada na criação de uma rede de contatos sólida e útil.

Além disso, é uma forma muito eficaz de conseguir uma vaga de emprego; devido a isso, o networking é muito incentivado entre os estudantes universitários que desejam se integrar ao mercado profissional. Aí entra em jogo a teoria dos seis graus de separação como uma forma de estabelecer relações profissionais.

Teoria dos seis graus de separação

Pensemos em outro exemplo: o recepcionista de um hotel conhece o dono desse estabelecimento. Portanto, ele conhece o dono de um hotel bastante conhecido que, por sua vez, conhece também um funcionário de um alto cargo do governo, que conhece o presidente.

Desta forma, com somente cinco relacionamentos, nós chegamos do recepcionista de um hotel até o presidente. Logicamente, não precisam ser relações sólidas de amizade e, na maioria dos casos, não serão. No entanto, isto não é imprescindível para conseguir manter um relacionamento.

Poder ter um relacionamento com qualquer um de uma forma aparentemente tão simples é incrivelmente útil para conseguir oportunidades profissionais. Além disso, é uma tarefa curiosa pensar em quantos relacionamentos nós precisaríamos, e através de quem, para chegar até uma determinada pessoa.