Terapia MR para a paralisia do sono

junho 2, 2019
A terapia MR é uma intervenção destinada ao tratamento da paralisia do sono, um fenômeno que costuma gerar uma grande ansiedade por causa das sensações de falta de controle que produz.

A terapia MR é uma intervenção projetada para a paralisia do sono (PS). Este transtorno é caracterizado por um estado involuntário de paralisia muscular. Pode ocorrer no começo do sono ou ao despertar. É provocado por um desajuste nos mecanismos que regulam o ciclo de sono REM-vigília.

Quem a experimenta recupera a consciência e a percepção sensorial, mas não a capacidade de controlar os músculos. Essa situação causa ansiedade, medo, e é acompanhada de alucinações hipnagógicas e hipnopômpicas.

É um distúrbio primário do sono e não é causado por outro distúrbio psiquiátrico, médico ou de abuso de substâncias. O Manual de Diagnóstico de Transtornos Mentais (DSM IV, 1994) a classifica como uma parassonia, pois é um transtorno que afeta a qualidade e quantidade do sono.

Este fenômeno ocorre entre a fase REM (Rapid Eye Movement) do sono e da vigília. De acordo com a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono, pode aparecer tanto de maneira isolada quanto crônica. É por isso que seu desenvolvimento pode estar ligado a fatores totalmente circunstanciais.

Rapaz com paralisia do sono

Principais características da paralisia do sono

Durante o sono REM, a atividade elétrica do cérebro é semelhante à da vigília. Nesta fase, ocorrem os sonhos mais complexos e emocionais. Por um princípio de conservação, os músculos não autônomos ficam paralisados. Mudanças na rotina do sono podem alterar o processo de bloqueio e desbloqueio dos músculos.

Quais mecanismos fisiológicos estão envolvidos?

Através dos neurotransmissores GABA e da glicina, o tônus do músculoesquelético é suprimido. É assim que os neurônios motores da medula espinhal são inibidos.

Um desajuste na sequência do despertar faz com que a pessoa recupere a consciência antes da capacidade de se mover e reagir. O sistema límbico (emocional) processa e interpreta a situação como um todo.

O sentimento de fuga

A partir da amígdala, um princípio de resposta baseado na emoção é elaborado. As circunstâncias mais comuns, como estar no escuro e sem poder reagir, causam uma avaliação negativa rápida.

É por isso que os sentimentos mais frequentes são medo e terror. Esse processamento emocional provoca alterações perceptivas, interpretadas como alucinações visuais, táteis e auditivas.

A sensação de presença

Uma das sensações mais comuns na paralisia do sono é a de ser observado. A incapacidade de se mover junto com a ansiedade e a imaginação própria do sono aumenta as expectativas de uma manifestação visual. A atenção é tendenciosa para detectar possíveis ameaças. Assim, a sensação de que algo ou alguém está perto de nós, sem ter uma evidência real dessa presença, é muito comum.

A terapia MR para a paralisia do sono: desmascarando o fantasma

Poucos autores se atrevem a formular um tratamento psicológico específico para esta questão. Baland Jalal, do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Cambridge (Reino Unido), propôs a terapia MR (meditação e relaxamento) em 2016.

O autor argumenta que o aumento recíproco de medo, ansiedade e angústia gera um ciclo de retroalimentação que agrava o ataque e o conteúdo das alucinações. Com base nisso, elabora seu modelo de intervenção segundo os seguintes pilares:

  • Reavaliação do significado do ataque: tomar consciência da natureza benigna e temporária do ataque (não há morte ou paralisia permanente). Também do significado de alucinações, intimamente relacionadas aos sonhos durante a fase REM. Isso serve para dar um novo significado aos episódios e é um passo crucial para alcançar o relaxamento e manter a calma.
  • Distanciamento psicológico e emocional: a pessoa deve entender que a preocupação e o medo só pioram e prolongam os episódios. Não é um evento paranormal, mas uma resposta do seu corpo.
  • Meditação, atenção fixa interna: a meditação é a disciplina crucial a ser desenvolvida para se obter um bom resultado. O mecanismo que define a meditação em movimento busca um ganho em relação ao controle da atenção, de modo que a pessoa tenha um recurso valioso para ignorar as alucinações.
  • Relaxamento muscular: os sintomas físicos, como a paralisia motora ou a incapacidade de gerenciar a respiração voluntariamente, tomam seu curso quando são ignorados. Caso contrário, eles podem desestabilizar o processo de foco interno. É necessário manter a calma e relaxar.
Terapia MR para paralisia do sono

A importância da prática para a terapia MR

A terapia MR para a paralisia do sono requer treinamento. A pessoa afetada pode replicar a posição em que ocorre a paralisia (normalmente voltada para cima) para praticar os passos.

Dada a natureza esmagadora do evento, a prática prepara a pessoa sem o estresse que uma situação real pode gerar.

O objetivo é se predispor a responder passivamente e recriar imagens positivas diante do estímulo ameaçador.

O relaxamento

Segundo especialistas como Dr. Ramachandran, a falta ou carência de sincronia entre as extremidades e o sistema motor altera o processamento multissensorial. Então, se ao tentar fugir e executar mentalmente essa ação não há resposta do corpo, a autopercepção é alterada.

Dessa forma, aparece a sensação de flutuar, experiências extracorpóreas e imagens sombrias. Através do relaxamento como primeira resposta, o impulso de fuga e a alteração perceptiva são modificados.

Características da intervenção

Podemos classificá-lo como um tratamento cognitivo-comportamental. Ele se concentra em modificar o comportamento e evitar a retroalimentação negativa. Por outro lado, o sucesso da intervenção é sensível à atitude da pessoa.

Em segundo lugar, seu sucesso também é condicionado, como observamos anteriormente, pelo grau de controle de atenção da pessoa. A capacidade de concentração, juntamente com a interpretação das sensações, vai nessa direção. O modelo propõe uma mudança direta na atenção. Graças ao relaxamento, a situação passaria de estímulos externos potencialmente desagradáveis ​​a estímulos internos neutros ou positivos.

Para concluir, por mais curiosa que a experiência possa ser, não estamos falando de um fenômeno estranho. De fato, não costuma ser preocupante em si, o que preocupa são suas consequências, levando em conta o grau de ansiedade que pode provocar. Em qualquer caso, é aconselhável consultar um especialista.