Termine logo com isso! Amor é para ser inteiro, repleto.

Termine logo com isso! Amor é para ser inteiro, repleto

Patricia Prado outubro 30, 2016 em Emoções 0 Compartilhados
Termine logo com isso! Amor é para ser inteiro, repleto.

Muitas vezes tememos o fim de um relacionamento pelo medo de sofrer. Quantos casamentos, noivados, namoros estão se definhando e mesmo assim a mulher ou o homem o mantém, como que agarrados à perna, não deixando o outro ir embora?

Certo é que ninguém em pleno gozo de suas faculdades amorosas embarca numa história de amor já pensando em pular fora no primeiro solavanco. Pelo contrário, pensa-se num amor duradouro, para toda a vida, quem sabe até para outras vidas?! O ser humano tenta fazer dar certo, mas de vez em quando acontece de a locomotiva enguiçar, do barco furar, do avião cair. De vez em quando acaba mesmo. E quando acaba, é melhor que termine logo, de uma vez, no susto. No pulo, da noite pro dia, num piscar de olhos, na volta da feira, como a sacola que rasga no fundo e espalha tomates na descida. Sem volta.

Porque é triste demais ver um amor definhando. Amor que morre aos poucos agoniza moribundo, sofre exaurido, semimorto, matando sua sede a conta-gotas onde ontem mesmo jorravam emoção, interesse, entusiasmo, fascínio. Coisa horrível de tão triste o amor que adoece e vai partindo aos pouquinhos, diminuindo, rareando, minguando, se despedindo.

amor causa sofrimento

Amor é para ser inteiro, repleto

Mesmo na calma e na doçura tranquila que sucedem uma paixão louca… Já não é amor quando tudo está no mais ou menos, no assim ou assado, no tanto faz. Quem ama precisa saber e sentir que o faz de verdade. Não que apenas cumpre tabela ou quer tão somente agradar o outro enquanto tenta se convencer de que está feliz.

É triste, mas vontade de sentir amor não é amor. É só vontade de sentir amor. É só uma velha e boa intenção. E de boas intenções também andam cheios os corações vazios.

Não basta. Tentar resgatar o que se foi, a alegria do começo, o frio na barriga inicial, a paixão louca, tudo isso é não se dar conta de que o caminho acabou. Vem o desgosto, se instala horroroso e a gente nem percebe. É preciso encontrar uma outra via. Juntos ou separados, mas não. Quase sempre, em vez de fazer isso rápido, prolongam seu sofrimento inútil como quem procura castigar o espírito e livrar-se da culpa de ir embora.

é melhor o amor acabar rápido

Quando nos achamos no controle do amor é que somos totalmente controlados. Porque o amor não se controla. Ou alguém já escolheu a quem amar? A gente cuida bem dele, rega sua sede, ouve suas queixas, alimenta suas fomes, leva ao passeio, ajeita sua coberta que cai da cama durante a noite. Mas a despeito de tudo isso o amor também se abate sem mais. E quando adoece nem sempre resiste.

É injusto, doloroso e insuportável assistir a um amor que foi tudo se tornar nada. Dói na alma ver a ternura enfraquecer até inexistir, como um doente velho e fraco que se acaba na cama de um hospital, dependente da misericórdia fria das máquinas, a vida escorregando de seus olhos, a morte distorcendo sua face. A gente evita, e quanto mais a gente nega, mais sente dor.

Para os amantes, não corresponder a um amor é tão dolorido quanto não ter o seu amor correspondido

Amor quando acaba, ou quando não é, dói mesmo. Dói nos amantes e em quem estiver perto. É dor para todo lado. E dor que não acaba mais.

Então é melhor que doa muito, mas que doa logo. E que acabe depressa com isso. No amor, é melhor um fim horroroso que um horror sem fim. E esperar, só o tempo há de desfazer os nós e abrir novos caminhos. Só o tempo cura. Só o tempo há de fazer a dor passar. Só o tempo.

Patricia Prado

"Patrícia Prado é psicóloga, coach, especialista em Gestão de Pessoas, palestrante, capixaba, reside em Ribeirão Preto - SP. Blog: www.patriciaprado.org Página Facebook: www.facebook.com/patriciapradopsi/

Ver perfil »
Recomendados para você