Teste SDQ para avaliar capacidades e dificuldades em crianças

O teste SDQ permite fazer uma detecção precoce de dificuldades psicológicas das crianças. Ele oferece um perfil muito simples de traçar, mas muito valioso no que diz respeito à informação.
Teste SDQ para avaliar capacidades e dificuldades em crianças

Última atualização: 01 Junho, 2021

Estima-se que 15% da população infantil sofra de algum transtorno psicológico. No entanto, é difícil detectar e fazer diagnósticos precisos, já que em muitos casos a linha que separa a sintomatologia clínica das manifestações que não indicam um transtorno é tênue. O teste SDQ, sobre o qual falaremos hoje, é um excelente recurso para identificar possíveis dificuldades de saúde mental em crianças e jovens.

A infância é uma etapa crucial na qual uma detecção precoce pode evitar o avanço do transtorno e a comorbidade com outros problemas psicológicos. No entanto, além disso, é um momento excelente para potencializar as qualidades e habilidades da criança. Por isso, este questionário completo avalia tanto as suas fraquezas quanto as suas forças.

Menino triste olhando para baixo

O teste SDQ para a detecção precoce

O questionário de capacidades e dificuldades (SDQ) é um teste de triagem. Isso quer dizer que foi desenhado para fazer uma primeira análise e detectar possíveis casos de risco. Mais adiante, será necessário confirmar e completar a avaliação em profundidade com outros instrumentos. No entanto, ele constitui um elemento inicial valioso.

Trata-se de um teste simples de 25 itens divididos em cinco escalas. Quatro delas avaliam dificuldades, enquanto a última mensura o comportamento pró-social. Pode ser aplicado em crianças de 4 a 16 anos e conta com versões que podem ser aplicadas por pais, professores ou até pelos próprios jovens se já tiverem a maturidade cognitiva necessária.

Cada enunciado conta com três opções de resposta: ‘não é verdade’, ‘é parcialmente verdade’, ‘é absolutamente verdade’. Com base nas respostas, é obtida uma pontuação para cada área avaliada, bem como um índice global de dificuldade. As escalas que compõem o teste são as seguintes:

Sintomas emocionais

  • Reclama com frequência de dores de cabeça, de estômago ou de náuseas.
  • Tem muitas preocupações. Parece inquieto ou preocupado com frequência.
  • Se sente infeliz, desanimado ou choroso com frequência.
  • Fica nervoso ou dependente diante de novas situações. Perde a confiança em si mesmo facilmente.
  • Tem muitos medos e se assusta facilmente.

Problemas de comportamento

  • Faz birra ou apresenta um gênio difícil com frequência.
  • Costuma ser obediente e fazer o que os adultos pedem.
  • Briga com frequência com outras crianças ou implica com elas.
  • Mente ou engana com frequência.
  • Rouba coisas em casa, na escola ou em outros lugares.

Hiperatividade

  • É inquieto, hiperativo, não consegue ficar quieto por muito tempo.
  • Está sempre se movimentando e é um pouco rebelde.
  • Se distrai com facilidade, sua concentração tende a se dissipar.
  • Pensa nas coisas antes de fazê-las.
  • Termina o que começa e tem uma boa concentração.

Problemas com os colegas

  • É mais solitário e tende a brincar sozinho.
  • Tem pelo menos um bom amigo.
  • Costuma ser querido pelas outras crianças.
  • As outras crianças implicam com ele ou zombam dele.
  • Se dá melhor com adultos do que com outras crianças.

Escala pró-social do teste SDQ

  • Leva os sentimentos das outras pessoas em conta.
  • Compartilha com outras crianças frequentemente.
  • Oferece ajuda quando alguém está ferido, chateado ou doente.
  • Trata bem as crianças menores do que ele.
  • Se oferece para ajudar pais, professores e outras crianças com frequência.
Crianças compartilhando maçã

Avaliação e interpretação do teste SDQ

Para a avaliação, são usadas apenas as quatro primeiras escalas (deixando de lado a de comportamento pró-social). A partir delas, é obtida uma pontuação de dificuldade que vai determinar se é necessário fazer uma exploração mais aprofundada por ter detectado algum ponto anormal no perfil.

A pontuação é obtida da seguinte forma: para cada enunciado, a resposta “não é verdade” soma zero pontos; “é parcialmente verdade” soma um ponto e “é absolutamente verdade” soma dois pontos. A exceção são os itens marcados em negrito, nos quais “não é verdade” soma dois pontos e “é absolutamente verdade” soma zero pontos, enquanto a opção intermediária se mantém igual.

Se for alcançada uma pontuação igual ou superior a 16, considera-se que há dificuldades emocionais ou comportamentais e que é necessário fazer uma avaliação mais profunda. Por isso, este questionário é especialmente útil para a população infantil normal em contextos habituais, como a consulta de puericultura ou a escola.

Deste modo, seria possível detectar de forma precoce condições que, de outra forma, poderiam passar despercebidas. Isso permitirá fazer uma avaliação, diagnóstico e intervenção adequados para minimizar o impacto do transtorno, frear o seu curso e prevenir futuros problemas.

Pode interessar a você...
Por trás de uma criança difícil há uma emoção que ela não sabe expressar
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Por trás de uma criança difícil há uma emoção que ela não sabe expressar

Muitos pais e mães se queixam de ter uma criança difícil, que descarrega suas emoções de forma equivocada e com a qual não é fácil lidar no dia a dia.



  • Zubillaga, M., Rodríguez, Á. S., Hinojal, C. T., Serrano, A. C., & García, E. O. (2009). Uso del Cuestionario de Capacidades y Dificultades (SDQ) como instrumento de cribado de trastornos psiquiátricos en la consulta de pediatría de Atención Primaria. Bol Pediatr49, 259-262.
  • Castillo, M. (2018). Estudio estructural del Cuestionario de capacidades y dificultades (SDQ) en niños de 2 a 4 años de Montevideo y Canelones.