Testemunhas de bullying: olhar, sofrer e não agir

As testemunhas do bullying são uma parte crítica da equação do bullying. Este é um triângulo que inclui agressores e vítimas, mas também aqueles que testemunham o abuso.
Testemunhas de bullying: olhar, sofrer e não agir

Última atualização: 29 Agosto, 2021

O bullying é um fenômeno do qual participam os agressores, as vítimas, mas também aqueles que testemunham o que acontece. Essas testemunhas do bullying às vezes não concordam com o que está acontecendo, às vezes não ligam, e às vezes chegam a gostar da situação. A verdade é que, embora em muitos casos elas não sejam consideradas na equação, também fazem parte do problema, segundo estudos.

As testemunhas são, na verdade, um fator-chave no fenômeno do bullying. Assim como em muitos casos elas são o combustível que mantém o fogo aceso, também podem ser decisivos na sua solução ou prevenção. À semelhança do que ocorre na sociedade, os atos abusivos ganham força quando gozam da aprovação ou permissividade do entorno.

O que há de prejudicial na atitude individualista é que ela permite que a semente do bullying crie raízes e cresça. Embora, em princípio, o abuso seja dirigido a outra pessoa, não se pode excluir que no futuro ele será redirecionado para as testemunhas do bullying. Portanto, fechar os olhos pode se tornar uma atitude muito contraproducente.

“Nunca seja maltratado em silêncio. Nunca se permita ser uma vítima. Não aceite que ninguém define a sua vida, defina-se ”.
-Tim Fields-

As testemunhas do bullying

Crianças zombando um menino

As testemunhas do bullying são aquelas pessoas que sabem da existência ou presenciam atos de bullying. Na maioria dos casos, aqueles que cumprem esse papel também são afetados pela situação e, eventualmente, são vistos como vítimas adicionais.

Não é incomum que essas crianças ou jovens apresentem sintomas semelhantes aos da vítima direta. Medo, ansiedade, alterações de humor e baixo desempenho acadêmico são algumas das transformações que os denunciam. Seu grande medo é ocupar o lugar que a vítima agora ocupa.

O problema do bullying é mais fácil de corrigir quando o entorno é contra o bullying. Pais, professores e crianças ou jovens que desconhecem o problema podem interromper ou potencializar esse bullying. O problema é que, na maioria das vezes, o bullying é mantido em segredo e as testemunhas colaboram para que isso aconteça.

Em muitos casos, essas testemunhas de bullying não falam porque não querem ser denunciadas aos seus pares, mas também porque não confiam suficientemente nos adultos à sua volta. Como o resto dos colegas, os pais ou a escola reagirão quando souberem do problema?

Os tipos de testemunhas

A reação usual em testemunhas de bullying é ficar com medo e se sentir inibida para agir. No entanto, o medo geralmente se manifesta de maneiras diferentes das convencionais. Isso resulta em diferentes tipos de comportamento.

As testemunhas podem responder à situação de várias maneiras, como as seguintes:

  • Ativamente. O medo os leva a se juntarem aos agressores, embora em princípio não concordem com eles. Eles unem forças para, assim, evitar que se tornem vítimas de abuso.
  • De forma passivo-agressiva. Nesse caso, não participam integralmente do abuso, mas o aprovam com risos ou comentários que impliquem sua aceitação do que está acontecendo, embora no fundo não tenham convicção disso. Eles agem como reforçadores.
  • Atitude observadora. Corresponde àqueles que observam em silêncio e, com isso, tentam se tornar invisíveis. Na prática, é um comportamento de aprovação, uma vez que não se opõem ao que acontece.
  • Atitude pró-social. Refere-se a crianças ou jovens que enfrentam a situação e expressam abertamente sua discordância ou desaprovação. Às vezes eles apenas comentam e outras vezes vão mais longe e denunciam.

Fortalecer as testemunhas

Bullying na escola

Como se sabe, os autores do bullying são quase sempre uma minoria. Os valentões muitas vezes precisam de um público para apoiá-los, porque seu jogo é se tornarem figuras de poder e ninguém consegue isso sem testemunhas. Além disso, o fato de haver espectadores reforça o ato de humilhação implícito no bullying.

As testemunhas de bullying sofrem, em parte, as consequências do abuso, mas algo pior também pode acontecer: elas se tornam indolentes – produzindo um fenômeno em que o que é anormal passa a ser considerado normal – como mecanismo de defesa para o enfrentamento da situação. Isso é muito negativo, pois promove a violência social e é um veneno para a solidariedade. Estabelece uma espécie de barbárie nas relações, da qual, a longo prazo, ninguém sai ileso.

Às vezes, pais e professores também se tornam testemunhas mudas do bullying, porque não tomam medidas substanciais para resolver o problema. Isso é ainda mais negativo, pois envia uma mensagem de aprovação total ao que está acontecendo.

Embora essas situações devam ser corrigidas, também é importante evitá-las com a educação das testemunhas. Elas devem ser muito claras a respeito da intensidade do sofrimento que a vítima pode experimentar. Além disso, é necessário que conheçam o protocolo de ação quando detectarem um problema nesse sentido.

Pode interessar a você...
Uma criança que faz bullying pode ser um adulto narcisista sem empatia
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Uma criança que faz bullying pode ser um adulto narcisista sem empatia

A criança que faz bullying, que não tem limites ou não é educada no respeito e na empatia, pode se tornar um adulto narcisista e maquiavélico amanh...