As consequências da indiferença

As consequências da indiferença

Última atualização: 30 Novembro, 2021

A indiferença é um estado afetivo neutro. Temos a tendência de definir uma pessoa indiferente como alguém que “não sente nem sofre”. É um sentimento que mantém o portador dessa condição à margem. No entanto, quando somos nós quem recebemos a indiferença de alguém, suas garras nos infligem feridas dolorosas.

Pensar em alguém indiferente é atribuir uma série de adjetivos, que pouco ou nada têm a ver com o ideal de uma pessoa virtuosa. A indiferença está associada à insensibilidade, desapego ou frieza. São essas características que se pressupõem contrárias à condição social que o ser humano possui e que fazem com que nos relacionemos.

“Às vezes, a indiferença e a frieza causam mais danos do que a aversão absoluta.”

JK Rowling

Ser indiferente implica que “nada importa para nós “. Que não sentimos nada diante de uma situação ou pessoa, que “para nós é tudo a mesma coisa”. Embora tenhamos certeza de que assim é, devemos nos perguntar se é possível isolar nossas emoções dessa forma. Na verdade, quando somos indiferentes a algo ou a alguém, o que fazemos é nos aproximar ou afastar dessa pessoa ou daquela circunstância.

A indiferença dói

Mulher triste

A vida está cheia de momentos e circunstâncias em que escolher ser indiferente nem sempre é o melhor. Podemos nos importar mais ou menos, mas nunca podemos parar de sentir. Este é um recurso que nos permite escolher sentir alguns estímulos ou simplesmente retirá-los de nós. Portanto, a indiferença absoluta nunca é possível.

A sabedoria popular diz que parecer indiferente é a resposta mais dura, mesmo quando você espera pouco. Está provado que, quando a demonstramos, essa atitude é das mais agressivas e dolorosas que podemos projetar. Ser indiferente a alguém implica que você está retirando todos os seus sentimentos, que essa pessoa não existe mais para você. Existe algo mais cruel?

“O oposto do amor não é o ódio, é a indiferença. O oposto da beleza não é feiúra, é a indiferença. O oposto da fé não é heresia, é a indiferença. E o oposto da vida não é a morte, é a indiferença entre vida e morte. “

Elie Wiesel

É por isso que dizem que o oposto do amor não é ódio, é a indiferença. Porque não há nada pior do que alguém que não se importa com você. Que vê-lo feliz ou triste seja a mesma coisa. Isso dói muito se for alguém próximo a você, como um parceiro, um membro da família, um pai…

Essa indiferença quebra nossas expectativas em relação às pessoas que pensávamos que estariam lá. No entanto, em vez de encontrar apoio, não encontramos nada. Mesmo às vezes, preferimos receber alguma palavra desagradável porque a interpretamos como se continuássemos a ter importância para a outra pessoa. Mas quando não recebemos um sinal, sentimos que não importamos mais.

Homem indiferente

Confrontar a indiferença

A indiferença traz sofrimento para aqueles que a sentem, gera tensões às vezes insuportáveis, confusão e pode até afetar a autoestima. É por isso que deve ser confrontada. O primeiro passo é tentar uma aproximação gradual com a outra pessoa para que ela saiba como sua atitude nos afeta.

Pode não haver uma resposta imediata, mas é bom ser paciente, não é bom se fechar. Às vezes, um período de reflexão leva a outra pessoa a dar o passo esperado. Ou talvez você consiga encontrar alguém para desempenhar o papel de mediador. Entretanto, às vezes podemos não conseguir a aproximação que estamos procurando. Nesse caso, é melhor aceitar o que está acontecendo. A obsessão com a indiferença de alguém pode levar a momentos muito desagradáveis.

“O pior pecado para com nossos semelhantes não é odiá-los, mas tratá-los com indiferença: essa é a essência da desumanidade.”

-George Bernard Shaw-

Impermanência

Quando aceitamos a indiferença, temos que começar a olhar para o horizonte com a ideia de que nem sempre seremos importantes para os outros como gostaríamos. Embora seja um processo doloroso, pensar nisso ajudará a saber que nossa felicidade não pode depender de uma única pessoa. Se as pessoas decidirem ser indiferentes, obrigá-los a nos ouvir não é a melhor opção. O melhor  é aprender a soltar.

Conversa séria

Quando você chegar à conclusão de que a outra pessoa não tem intenção de mudar seu comportamento, é melhor se distanciar. Você sempre pode encontrar outras pessoas que te valorizam e te apoiam. Dessa forma, você terá entendido o conceito budista de impermanência, ou seja, tudo muda: quem hoje é seu amigo, amanhã pode deixar de ser. Se integrarmos isso em nossa prática diária, será mais fácil superar a indiferença de outra pessoa.

Um meio de proteção

Mas a indiferença nem sempre é negativa. É também um mecanismo de defesa, e às vezes nos aferramos a ela para não sofrer decepções contínuas diante das vicissitudes da vida. “Ficar de fora” ou “não esperar nada de nada ou de ninguém” é uma forma de nos proteger. Nesse caso, a indiferença consistiria mais do que um ato passivo, no ato ativo de aceitar tudo o que pode acontecer. Estar aberto a um mundo de possibilidades e aceitar que um evento como outro possa ocorrer.

Se não tivéssemos a capacidade de recorrer à neutralidade, se tivéssemos que dar uma resposta negativa ou positiva a cada estímulo que recebêssemos, acabaríamos exaustos. Portanto, a chave é não esperar nada, assim, abrindo-nos a todas as possibilidades, tudo é bem-vindo. Se for positivo, perfeito; se for negativo, o melhor que podemos fazer é transformá-lo em um aprendizado.

“Palavras agressivas não doem tanto. Os longos silêncios doem mais.”

-Anônimo-

Pode interessar a você...
A indiferença assertiva, o que é e como funciona
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A indiferença assertiva, o que é e como funciona

A indiferença assertiva é uma nova expressão que começou a ser usada no âmbito das relações amorosas. Saiba mais sobre ela aqui.