Uso de anti-inflamatórios no tratamento da depressão

O tratamento convencional da depressão maior, envolvendo antidepressivos e terapia cognitiva, só é eficaz em cerca de 60% dos casos. Portanto, é importante analisar outras alternativas terapêuticas, como os medicamentos anti-inflamatórios, que possam ser úteis para enfrentar este transtorno.
Uso de anti-inflamatórios no tratamento da depressão

Última atualização: 16 Janeiro, 2020

Faz algum tempo que diversos estudos vêm centrando suas análises no papel da inflamação nos estados depressivos. Por isso, neste artigo vamos falar sobre o possível uso terapêutico que os anti-inflamatórios podem ter no tratamento da depressão.

Segundo alguns estudos, o tratamento convencional da depressão maior, envolvendo antidepressivos e terapia cognitiva, só é eficaz em cerca de 60% dos casos. Isso significa que há 40% dos pacientes resistentes ao tratamento, nos quais o estado depressivo pode piorar e até levar a um suicídio.

No caso da depressão maior, estamos falando de uma prevalência muito alta. Ela afeta aproximadamente 350 milhões de pessoas em todo o mundo, o que representa 1 em cada 10 adultos. Portanto, é importante analisar alternativas terapêuticas que possam contribuir para o tratamento desse transtorno.

Mulher sofrendo de depressão

O papel da inflamação da depressão

Como já mencionamos, cada vez mais estudos estão relacionando a depressão a estados inflamatórios do cérebro. Inicialmente, não estava claro se a depressão poderia surgir como consequência de uma inflamação prévia ou se, pelo contrário, a depressão era a causa desse processo inflamatório.

A depressão, em geral, é um transtorno multifatorial que implica diversos aspectos psicossociais, genéticos e biológicos. Entre eles, devemos citar a influência do estresse, que também é capaz de ativar a cascata de sinalização inflamatória e provocar mudanças no cérebro.

Em pacientes com depressão maior, foi observada a presença aumentada de biomarcadores inflamatórios no sangue. Isso inclui as chamadas citocinas inflamatórias, que também são capazes de levar a modificações no sistema nervoso central, no sistema imunológico, e até no sistema neuroendócrino.

Especificamente, foi observado um aumento da proteína c-reativa (CRP), bem como de diversas interleucinas.

Uso de anti-inflamatórios no tratamento da depressão

Levando em conta esta teoria inflamatória da depressão, abre-se um grande leque de possibilidades terapêuticas que podem ajudar no tratamento desse transtorno. Isso é especialmente importante para os pacientes com estados de depressão maior que não respondem aos medicamentos antidepressivos clássicos.

Foi observado que a inibição das citocinas pró-inflamatórias aumenta a eficácia dos medicamentos antidepressivos e melhora, em geral, o estado dos pacientes com esta patologia.

Inicialmente, esta relação foi descoberta em tratamentos oncológicos e anti-infecciosos nos quais foi observado que a administração de interferon-alfa produzia sintomas similares aos dos estados depressivos.

Atualmente, está sendo estudado o uso terapêutico real que os medicamentos anti-inflamatórios podem ter no tratamento da depressão. Diversos estudos realizados em animais demonstraram que a administração de antagonistas de citocinas inflamatórias reduz as condutas depressivas, bem como as reações diante do estresse.

Estes antagonistas de citocinas inflamatórias, também chamadas de citocinas anti-inflamatórias ou anticitocinas, são utilizados, em alguns casos, em pacientes com patologias sistêmicas autoimunes, como a artrite reumatoide e a psoríase.

Estudos realizados com estes pacientes mostraram que eles podem ter um efeito antidepressivo bastante significativo em comparação com um placebo, embora sejam complementares à terapia psicológica.

Mulher em depressão cobrindo seu rosto

Ômega-3 como tratamento complementar para a depressão

Alguns estudos também propõem os suplementos de ômega-3 como coadjuvantes terapêuticos no tratamento da depressão devido ao seu efeito anti-inflamatório. Diversas pesquisas relacionaram a presença da depressão com um déficit de ácidos graxos poli-insaturados ômega-3.

O ácido graxo ômega-3 que apresentou a maior eficácia contra os estados depressivos nos diversos estudos realizados foi o ácido eicosapentaenoico, ou EPA. Além disso, ele é o que apresenta o maior efeito anti-inflamatório.

Este ácido é capaz de influenciar o sistema imunológico e reduzir algumas citocinas e prostaglandinas pró-inflamatórias, além de modificar outros mecanismos moleculares.

Mais pesquisas ainda são necessárias nesse campo. A depressão é um transtorno complexo demais, e a inflamação tem sintomas difusos demais para que a relação entre ambas possa ser definida perfeitamente.

Sem dúvida, é uma área terapêutica em aberto que tem muitas perspectivas e na qual estão sendo depositadas muitas esperanças.

Pode interessar a você...
Cérebro em chamas: o vínculo entre inflamação e depressão
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Cérebro em chamas: o vínculo entre inflamação e depressão

O cérebro em chamas faz referência a uma teoria que relaciona o processo inflamatório com a depressão. Saiba mais neste artigo.



  • Pérez-Padilla, Elsy Arlene, Cervantes-Ramírez, Víctor Manuel, Hijuelos-García, Nayeli Alejandra, Pineda-Cortés, Juan Carlos, & Salgado-Burgos, Humberto. (2017). Prevalencia, causas y tratamiento de la depresión Mayor. Revista biomédica28(2), 73-98.
  • Miller, A. H., Maletic, V., & Raison, C. L. (2010). La inflamación y sus desencantos: papel de las citocinas en la fisiopatología de la depresión mayor. Psiquiatría Biológica17(2), 71-80.
  • Villa, B. A. D., & González, C. G. (2012). Actualidades en neurobiología de la depresión. Revista latinoamericana de psiquiatría11(3), 106-115.
  • Martínez, V. B. (2016). Ácidos grasos omega-3 como tratamiento complementario de la depresión:¿ qué evidencia tenemos?.