Você sofre do vício em angústia?

novembro 12, 2019
Se a sua infância foi cheia de situações dramáticas, estressantes e angustiantes, é bem possível que na idade adulta você experimente o que é conhecido como vício em angústia.

Você se sente entediado no seu relacionamento amoroso? Quando tudo está indo bem, você faz o impossível para sabotar a si mesmo? Se você respondeu “sim” a essas duas perguntas, pode sofrer do vício em angústia. Para confirmar, teremos de revisar a sua história familiar.

Muitas pessoas escolhem parceiros que as machucam muito. No entanto, quando encontram o oposto, ficam entediadas. Essa dicotomia não é absurda.

Pode haver alguma explicação na infância, onde o nosso primeiro modelo de relacionamento, o dos nossos pais, foi cheio de infidelidades, gritos, estresse e drama.

De uma maneira completamente inconsciente, no momento em que escolhemos um parceiro, esse modelo de relacionamento que tivemos e tudo o que experimentamos durante a infância explica a razão pela qual olhamos para algumas pessoas e não para outras.

Quem escolheremos como parceiro se sofremos do vício em angústia?

Vício em angústia: em busca de drama

Criança chorando

Se sofremos de vício em angústia, isso significa que o relacionamento dos nossos pais foi bastante tempestuoso ou, pelo menos, que nós o vivenciamos dessa maneira. O que está claro é que havia muito drama.

Provavelmente, eram duas pessoas emocionalmente imaturas que não percebiam que o estresse e a ansiedade permeavam todo o espaço em que também estávamos. Tínhamos medo de que brigassem? Eles nos usavam para ‘jogar um contra o outro’? Havia atitudes passivo-agressivas entre eles?

Apesar de tudo isso, nós amamos os nossos pais. Talvez um deles tenha se comportado mal e o outro cônjuge tenha nos dito, por exemplo, “você deve amar o papai, pois no fundo ele é bom”. Foi isso que começamos a entender desde a infância como amor.

É por isso que, quando encontramos alguém assim, nós o amamos.

“Toda forma de dependência é ruim”.
– Carl Gustav Jung –

O mecanismo de reforço-recompensa

Ao nascer em um tipo de família como a que descrevemos acima, cria-se um mecanismo de reforço-recompensa, onde a ansiedade, angústia e adrenalina estão presentes quando os pais brigam, gritam um com o outro ou ocorre uma situação de abuso.

No entanto, em contraposição, há a tranquilidade e o bem-estar de quando tudo está bem. Isso causa uma série de liberações de serotonina e dopamina que nos levam a desenvolver dependência da angústia.

O vício em angústia e o tédio

O problema quando sofremos vício em angústia é que, quando encontramos alguém que nos ama e nos trata bem, ficamos entediados. Então, acreditamos que não amamos essa pessoa de verdade e a deixamos ou somos infiéis.

Será que realmente não a amamos? Na maioria das vezes, isso não é verdade. Nós amamos essa pessoa, mas como identificamos o amor com outra coisa, consideramos o tédio um sinal de que não é amor.

Muitas pessoas com vício em angústia associam o amor a doses constantes de adrenalina, não à tranquilidade. É por isso que, muitas vezes, ficam com raiva sem motivo, são infiéis ou inventam algo para que o relacionamento tenha a adrenalina a que foram expostos desde a infância.

Sem dúvida, esse é um grande problema que mina os relacionamentos saudáveis nos quais há bem-estar. No entanto, mesmo que pareça muito difícil sair do vício em angústia, é possível superar esta situação com a ajuda necessária.

O vício em ansiedade pode nos levar a deixar bons relacionamentos para encontrar outras pessoas que nos mergulharão em uma montanha-russa emocional.

Mulher chorando

Tomada de consciência

O vício em angústia é isso, uma dependência. Portanto, tomar consciência, ver a situação através de outras perspectivas e contar com a ajuda de um psicólogo nos ajudará a perceber quando estamos caindo em nossa própria armadilha.

Quando estamos com uma pessoa e nos sentimos entediados, se tivermos a consciência de que isso é uma armadilha, saberemos não tomar a decisão precipitada de acabar com o relacionamento, fugir ou deixar a pessoa por outra que nos dê aquela adrenalina, estresse e desconforto ao qual estamos ligados.

Os vícios são difíceis de superar, mas não é impossível fazer isso. Muitas pessoas estão imersas em relacionamentos dramáticos que não as fazem felizes. Relacionamentos em que as mentiras, a infidelidade e a manipulação estão presentes diariamente para não deixar espaço para a tranquilidade e a calma.

Se a sua infância foi muito angustiante, é normal desenvolver esse vício. No entanto, essa concepção tão prejudicial que temos sobre o amor pode ser desprogramada, sempre com ajuda profissional especializada.

  • Becoña Iglesias, E., & Cortés Tomás, M. (2016). Manual de adicciones para psicólogos especialistas en psicología clínica en formación.
  • Cuervo Martínez, Á. (2010). Pautas de crianza y desarrollo socioafectivo en la infancia. Diversitas: Perspectivas en psicología6(1).
  • Newman, K., Harrison, L., Dashiff, C., & Davies, S. (2008). Relaciones entre los tipos de padres y comportamientos de riesgo en la salud del adolescente: una revisión bibliográfica integrada. Rev. Latino-Am. Enfermagem16(1), 142-150.