Como é viver com a síndrome dos ovários policísticos?

julho 23, 2019
Sabe-se que um grande número de mulheres com a síndrome dos ovários policísticos acaba sofrendo de depressão em algum momento de suas vidas. As alterações hormonais somadas às mudanças físicas provocam distúrbios no humor.

Viver com a síndrome dos ovários policísticos nem sempre é fácil. Há realidades silenciadas que afetam grande parte da população feminina e das quais nem sempre estamos conscientes.

Dor, irregularidades menstruais, infertilidade, risco de desenvolver diabetes tipo 2, doenças cardíacas, depressão… A sintomatologia associada a essa condição metabólica é tão ampla quanto complexa.

É claro que cada mulher vive esse tipo de patologia de uma maneira muito específica. No entanto, desde que esta patologia foi descrita em 1935 pelos médicos Stein e Leventhal, sabemos que a síndrome dos ovários policísticos (SOP) pode afetar 1 em cada 10 mulheres. Além disso, muitas adolescentes já apresentam essas características logo após o início da menstruação.

A boa notícia é que cada vez mais podemos contar com os melhores tratamentos para melhorar a qualidade de vida das pacientes.

Além disso, as terapias hormonais, como os contraceptivos, juntamente com medicamentos para diminuir a insulina, se necessário, os antiandrogênicos ou suplementos dietéticos para melhorar a ovulação, são estratégias que oferecem bons resultados.

Também é importante lembrar a necessidade de supervisão médica adequada. De fato, há muitas mulheres que levam anos para receber o diagnóstico de síndrome dos ovários policísticos porque não vão ao especialista.

Tenha em mente que, por trás da dor menstrual, das irregularidades e do crescimento anormal dos pelos, há uma patologia que deve ser tratada.

Vejamos mais dados abaixo.

Dor causada pela síndrome dos ovários policísticos

O que é a síndrome dos ovários policísticos (SOP)?

A síndrome dos ovários policísticos é um distúrbio do sistema endócrino que afeta mulheres em seus anos reprodutivos.

É caracterizada por uma disfunção ovariana, em que os óvulos maduros nem sempre são liberados. Dessa forma, eles se tornam espessos na superfície do ovário, formando pequenos cistos benignos.

  • A sua origem está em uma alteração dos andrógenos. Para entender melhor, devemos lembrar que os ovários produzem estrogênio e progesterona.
  • No entanto, as mulheres com síndrome dos ovários policísticos tendem a gerar um maior número de andrógenos. É isso que faz com que os óvulos maduros não sejam liberados e formem cistos.

Esses cistos, como já dissemos, não são malignos e não costumam requerer intervenção cirúrgica. No entanto, eles levam a novos desequilíbrios hormonais que se manifestam na seguinte sintomatologia.

A anovulação na síndrome dos ovários policísticos

Uma das manifestações clínicas que as mulheres com esta condição médica notam é a anovulação. O que esse termo significa? Basicamente o seguinte:

  • Ciclos menstruais irregulares.
  • A falta de ovulação é algo que a metade das mulheres com a síndrome dos ovários policísticos sofre. A amenorreia ou falta da menstruação pode durar pelo menos 3 meses. Isso implica em problemas claros de infertilidade.
  • Outro problema que costuma surgir é a metrorragia. Há mulheres que têm um sangramento súbito entre um período menstrual e outro.

Hiperandrogenismo

O hiperandrogenismo responde a uma alteração dos hormônios na qual há um nível excessivo de andrógenos no sangue. Isso desencadeia as seguintes características:

  • Um excesso de acne e seborreia.
  • Alopecia.
  • Hirsutismo, nascimento de pelos em lugares não comuns em mulheres.
Acne provocada pela síndrome dos ovários policísticos

Acantose nigricans: manchas na pele

A acantose nigricans é uma condição da pele em que áreas como virilha, axilas ou partes do pescoço se tornam mais escuras e ásperas.

É um distúrbio provocado pelas alterações hormonais, assim como a resistência à insulina. Em alguns casos, pode ser visto como um efeito colateral de um medicamento ou contraceptivo.

Doenças associadas à síndrome dos ovários policísticos (SOP)

Nós já falamos sobre isso no início do texto. A síndrome dos ovários policísticos pode provocar alterações metabólicas que, a longo prazo, levam a outros problemas de saúde de relativa gravidade. Estes são alguns deles:

  • Cerca de 50% das mulheres com essa condição podem desenvolver resistência à insulina. Um estudo realizado pelo Dr. Richard Legro, da Universidade da Califórnia, apontou que esta síndrome está relacionada ao desenvolvimento do diabetes mellitus tipo II.
  • Também é comum aparecer a hipertensão, que por sua vez pode levar a várias patologias cardiovasculares.
  • Por outro lado, há um fato que não podemos ignorar. Esta condição médica está associada a um maior número de diagnósticos de depressão. A origem disso está nos problemas de autoestima gerados pelo aparecimento de pelos, acne e alterações físicas que prejudicam o autoconceito de muitas jovens.

Como tratar a síndrome dos ovários policísticos?

A abordagem médica para o ovário policístico é multidisciplinar. Assim, cada mulher receberá um tratamento individualizado que começará a partir do grau de sua alteração hormonal. Para isso, alguns passos muito simples devem ser seguidos:

  • Exames ginecológicos com ultrassonografia.
  • Um exame de sangue para medir as concentrações de andrógenos, insulina e outros hormônios. Dessa forma, é feito um diagnóstico mais preciso em cada paciente.
Mulher em consulta ginecológica

Ginecologistas, endocrinologistas, nutricionistas e psicólogos

A mulher com essa síndrome metabólica necessita, sem dúvida, de uma abordagem multidisciplinar, em que diferentes profissionais darão um tratamento adequado para cada área que caracteriza esse transtorno.

Em média, a abordagem terapêutica integra as seguintes estratégias.

Farmacológico:

  • Contraceptivos para regular a ovulação.
  • Antiandrógenos para tratar o hirsutismo (pelo, acne …).
  • Medicamentos para tratar a resistência à insulina.

Nutricional:

  • Para melhorar a dieta em caso de ganho de peso.
  • Para regular a hipertensão e problemas com insulina.
  • Para regular hormônios e inchaço.

Psicológico

  •  A ajuda psicológica é fundamental para melhorar a autoestima, os problemas de ansiedade, a imagem corporal, as possíveis alterações psicossexuais, bem como os problemas psicológicos associados à infertilidade sofridos por muitas mulheres com essa síndrome.

Para concluir, a assistência multidisciplinar é fundamental nesse tipo de doença. Além disso, o diagnóstico precoce ajudará todas as mulheres com essa condição a ter uma melhor qualidade de vida. Daí a importância de divulgar e tratar esse tipo de doença.

  • Meier, R. K. (2018, September 1). Polycystic Ovary Syndrome. Nursing Clinics of North America. W.B. Saunders. https://doi.org/10.1016/j.cnur.2018.04.008
  • Legro, RS (2003). Síndrome de ovario poliquístico. En El Ovario: Segunda Edición (pp. 489–512). Elsevier Inc. https://doi.org/10.1016/B978-012444562-8/50030-6