10 dicas para ser uma boa mãe

O que significa para você ser uma boa mãe? É claro que o significado varia de mulher para mulher, e todos estão corretos. No entanto, compilamos 10 dicas para ser uma boa mãe que podem te ajudar.
10 dicas para ser uma boa mãe

Última atualização: 22 Novembro, 2021

O que significa “ser uma boa mãe”? Na verdade, não é tanto uma questão de moralidade ou de que haja coisas certas ou erradas na maternidade, mas existem certos aspectos que podem nos orientar quando se trata de sentir que nossa maternidade é consistente com o que desejamos para nossos filhos.

Por isso neste artigo selecionamos 10 ideias ou dicas para ser uma boa mãe, as quais te encorajamos a ler para adaptá-las ao que você sente que tem a ver com seu jeito de ser e com sua ideia de maternidade.

10 dicas para ser uma boa mãe

Quando a jornada da maternidade e da paternidade começa, é normal que surjam dúvidas. Talvez seja sobre encontrar aquelas ideias que tenham a ver com o nosso conceito de maternidade, pois na verdade não existem 10 dicas que podem servir a todos nós de igual forma.

Portanto, este artigo está focado nesta ideia: trazer um pouco de luz ao complexo e fascinante caminho da maternidade.

Lembre-se que, ao educar, o melhor critério é o seu. Mas esse poderia ser um critério flexível, aberto à vivência e a continuar aprendendo nesta jornada que dura a vida toda não acha?

Menina beijando a mãe dela

Siga sua intuição

Haverá muitas vezes durante a maternidade em que você sentirá que não sabe se está fazendo certo ou errado. Não fique sobrecarregado por isso; a intuição é uma ferramenta altamente confiável à nossa disposição.

Portanto, confie nela; o melhor para seus filhos é o que você sente que é o melhor para eles. Isso não significa que você não possa ter dúvidas, cometer erros e que possa continuar aprendendo… na verdade, você sempre pode aprender!

“É isto o que significa aprender. De repente percebes algo que já tinhas percebido toda a tua vida, mas numa nova forma”

-Doris Lessing-

Estimule sua autonomia

A autonomia é essencial para um desenvolvimento psicológico saudável. Portanto, desenvolvê-la em seus filhos os ajudará a se construir como pessoas, a amadurecer e a poder assumir responsabilidades cada vez maiores.

Passe tempo com eles

Passar tempo com seus filhos (tempo de qualidade) fortalecerá seu vínculo e permitirá que sua confiança aumente. As crianças precisam estar com seus entes queridos, principalmente durante os primeiros anos de vida.

Permita que eles cometam erros

Outra dica para ser uma boa mãe é deixar os filhos cometer erros. É normal querer proteger as crianças e evitar possíveis danos para elas. Mas cometer erros será bom para elas aprenderem e melhorarem : permita!

“Aquele que nunca cometeu um erro provavelmente nunca descobriu nada.”

-Samuel Smiles-

Externalize o amor

Compartilhar o amor, externalizá-lo… é importante para criar laços e desenvolver a autoestima das crianças. É importante, portanto, mostrar esse amor com ações, mas também com palavras.

Aproveite a experiência

Não se prenda à ideia de “ser uma boa mãe”; apenas aproveite a experiência, deixe-se levar e faça o que achar que é melhor para seus filhos. Se você começar a desfrutar e relaxar, verá que as coisas fluem com mais facilidade.

Adapte-se ao seu momento evolutivo

Ao falar com eles, repreendê-los ou ensiná-los algo novo, por exemplo, recomendamos que você se adapte à sua idade e momento evolutivo.

Você conhece seus filhos melhor do que ninguém e saberá quando eles estarão, se estão prontos ou não para algumas tarefas, etc. E se você não tiver certeza, pode sempre consultar um profissional (por exemplo, um psicólogo infantil ).

Seja o exemplo deles

Outra dica para ser um bom pai é liderar pelo exemplo. As crianças, especialmente quando são pequenas, aprendem por meio do exemplo, de modelos (isto é, imitando). Por causa disso, eles prestarão muita atenção ao que você faz ou diz e provavelmente o imitarão.

Portanto, se você deseja ensinar certos valores ou comportamentos, seja um exemplo para eles. Obviamente, com o tempo, as crianças começam a olhar para outros modelos; mas você sempre será alguém extremamente influente para elas.

Ofereça liberdade

Em linha com o ponto já mencionado, relacionado com a autonomia, encorajamos você a dar liberdade aos seus filhos. Obviamente, isso deve ser de acordo com sua idade e maturidade, mas sempre pode ser benéfico.

Por quê? Porque permite que ajam a partir de seus próprios critérios, errem e, claro, aprendam.

Defina limites e regras

Limites e normas são saudáveis para o desenvolvimento infantil; os ajudam a identificar o que é bom e o que não é (portanto, a desenvolver a moral) e, sobretudo, os orientam na hora de agir desde muito jovens. Estabelecer limites é sempre benéfico para uma educação respeitosa enquanto permanece disciplinado.

Filha conversando com a mãe dela

Conversamos sobre algumas dicas para ser uma boa mãe, embora sejam apenas ideias indicativas que você pode adaptar ao que sente que seus filhos precisam. É um ponto de partida para educar de acordo com seus próprios critérios e intuição.

“A intuição dirá à mente pensante onde procurar o seguinte”.

-Jonas Edward Salk-

E lembre-se: você deve encontrar seu próprio significado para a ideia de “ser uma boa mãe “. E a partir daí, continue aprendendo e educando, como você considere melhor, pensando no melhor para seus filhos.

Pode interessar a você...
O que é a síndrome da péssima mãe?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O que é a síndrome da péssima mãe?

Você acha que se realizar como mãe e cultivar outras áreas de sua vida é incompatível? Então, talvez você sofra da síndrome da péssima mãe.



  • Falk, J. (2009). Los fundamentos de una verdadera autonomía. Budapest: Associatíon Pikler Lóczy, París: Associatíon Pikler Lóczy de France.
  • Serrano Muñoz, A.; Mérida Serrano, R.; Tabernero Urbieta, C. (2015). Estudio de la autoestima infantil en función del sexo. Revista sobre la infancia y la adolescencia. (9): 98-115. doi:10.4995/reinad.2015.4120.

  • Woolkolk, A. (2006). Psicología Educativa. Editorial Pearson – Adisson Wesley. México.