Tipos de amizade segundo Aristóteles - A Mente é Maravilhosa

3 tipos de amizade segundo Aristóteles

Abril 9, 2018 em Emoções 763 Compartilhados
Tipos de amizade

Aristóteles sempre atribuiu um valor especial ao tema de amizade em sua obra. Para ele, era um bem valioso e um incentivo para uma vida feliz. No entanto, especificou que na vida podemos encontrar três tipos de amizade, três tipos de vínculos, onde apenas um pode se elevar a uma forma superior de relacionamento, a um vínculo excepcional longe do interesse e da simples casualidade.

Como se sabe, Aristóteles era um polímata. Seu conhecimento, ou melhor, sua ampla curiosidade lhe permitiu adquirir um conhecimento em áreas bem diversas como a lógica, a ciência, a filosofia… Assim, algo que sem dúvida é muito marcante quando abordamos trabalhos como ‘Ética a Nicômaco’ é que ele descreve, naquela época, o ser humano como uma criatura rigorosamente social. Ele nos descreve como animais sociais, onde a amizade supõe, sem dúvida, a forma mais satisfatória de convivência.

“Sem amigos ninguém escolheria viver, mesmo que tivesse todos os outros bens”.
-Aristóteles-

Talvez em seu tempo o sábio não tivesse acesso ou possibilidade de conhecer os mistérios do cérebro, mas se há algo que a ciência moderna tem sido capaz de demonstrar é que este órgão precisa da interação social para se desenvolver, sobreviver e se beneficiar, por sua vez, de uma saúde adequada. Somos, sem dúvida, animais sociais, criaturas que precisam de fortes laços com nossos semelhantes. No entanto, os vínculos a que devemos aspirar devem, certamente, se basear em uma série de pilares. 

Aristóteles

Os três tipos de amizade que caracterizam o ser humano

Muitas vezes vemos os filósofos clássicos como repletos de sabedoria respeitável, mas distantes. São as vozes de ontem que podemos citar de tempos em tempos com fins informativos, mas pensando, por sua vez, que muitas das coisas que nos deixaram nesses legados milenares têm pouco a ver com as necessidades e características atuais. Nada está mais longe da realidade. Além disso, em meio à nossa ansiedade existencial é realmente oportuno nos reconectarmos com eles para descobrir textos autênticos de crescimento pessoal.

‘Ética a Nicômaco’ é um deles, um trabalho revelador sobre como alcançar a felicidade e sobre o lugar que nossas relações sociais ocupam no nosso dia a dia. Para Aristóteles, a amizade é um intercâmbio onde se aprende a receber e a doar, mas longe de ser concebida como um sistema de pagamento, devemos lembrar que “não é nobre desejar receber favores, porque só o infeliz precisa de benfeitores, e a amizade é, antes de tudo, liberdade. O estado mais virtuoso do ser”.

Por outro lado, algo que Aristóteles nos explica neste trabalho é que existem três tipos de amizade que, de alguma forma, todos nós encontramos em mais de uma ocasião.

A amizade interesseira

O fato de que as pessoas instrumentalizam umas às outras é bem conhecido. Algumas o fazem com mais frequência, outros não o concebem e alguns entendem a amizade desta maneira: “começo uma relação de falsa amizade com você na esperança de obter algum benefício“.

Embora tenhamos um ou vários amigos, todos esperamos receber algo em troca: apoio, confiança, construir bons momentos, compartilhar situações de lazer, etc. Há quem utilize a adulação e a manipulação para obter dimensões mais elevadas: posição social, reconhecimento…

Manipulação

A amizade que só procura prazer

Este é um dos três tipos de amizade que, sem dúvida, nos será bem conhecida. É uma interação que geralmente ocorre muito durante a adolescência e no início da juventude. Mais tarde, quando nos tornamos mais seletivos, cautelosos e aplicamos filtros apropriados, é menos comum ver este tipo de amizade de duas faces surgindo.

Agora, em que se diferencia a amizade interesseira da que busca prazer? Na primeira, a pessoa procura obter um benefício, sejam favores, acesso a outras pessoas, reconhecimento, etc. No caso da segunda dimensão, o que se deseja é simplesmente “aproveitar o tempo”.

São pessoas orientadas a um hedonismo vazio e inconsequente, que procuram estar com os outros exclusivamente para compartilhar momentos de descontração, alegre cumplicidade e agradável bem-estar. Assim, quando a outra pessoa precisa de um apoio sincero diante de um problema ou quando as coisa se complicam, o falso amigo se dissolve no nada, como açúcar em uma xícara de café.

A amizade para Aristóteles consiste em almejar e procurar o bem do amigo, favorecendo, por sua vez, nossa própria realização individual ao cuidar desse vínculo especial. 
Compartilhar

A amizade perfeita

Entre os três tipos de amizade definidos por Aristóteles, existe a ideal, a mais sólida, a mais excepcional mas ainda possível. É aquela em que, além da utilidade ou do prazer, há uma apreciação sincera pelo outro como ele é. Há um tipo de altruísmo neste vínculo onde não se busca tirar proveito, onde simplesmente se deseja compartilhar os bons momentos, as coisas cotidianas e ser também a referência permanente a quem recorrer para receber apoio.

É a amizade baseada na bondade, a que Aristóteles descreveu quase como uma relação de casal. Porque, no final das contas, os amigos perfeitos, os amigos de coração são muito poucos, são escassos, são as referências para construir um senso de intimidade profunda, onde esperamos não sermos traídos, onde se valorizam experiências, recordações e promessas que nem o tempo ou a distância podem destruir.

Amigas se divertindo juntas

Para concluir, é bem possível que muitos de nós tenhamos neste momento os três tipos de amizade descritos por Aristóteles: pessoas que querem algo de nós, amigos que só nos procuram para compartilhar momentos de diversão, e pessoas excepcionais que estão presentes para o que der e vier. Amigos que não trocaríamos por nada e que fazem dessa vida uma viagem mais divertida e interessante.

Recomendados para você