A Colina Escarlate: a escuridão das paixões

'A Colina Escarlate' é um filme que reúne inúmeros elementos que constituem a tradição do terror. Elementos que têm sua origem na narrativa gótica, no romantismo, e que evoluíram projetando diferentes espaços sombrios nos quais a vida após a morte parece estar mais viva do que nunca. No entanto, em 'A Colina Escarlate', o terror reside nas paixões humanas.
A Colina Escarlate: a escuridão das paixões

Última atualização: 14 Abril, 2021

Para todos aqueles que estão mais familiarizados com o cinema de Guillermo del Toro, não será nenhuma surpresa se encontrar diante de um filme como A Colina Escarlate (2015). Seres extraordinários, fantasmas e monstros compõem a filmografia deste diretor mexicano, mas eles não são apresentados como temíveis ou vingativos.

A aparência pode ser assustadora, mas não é nada mais do que isso: uma simples aparência. Os verdadeiros monstros vivem conosco todos os dias, habitam as cidades e podem se vestir com as melhores roupas.

Del Toro bebe das influências dos filmes de terror, do romance gótico e daqueles espaços cujo passado parece nunca ter desaparecido. Porém, não é um filme que tenta assustar o espectador ou, pelo menos, não através do sobrenatural.

As críticas foram muito variáveis: algumas apontavam para a magia da sua atmosfera, mas outras classificaram o filme de forma leviana. O público não foi tão benevolente, e embora o longa tenha sido aprovado, não brilhou muito.

Talvez o problema fosse que muitos esperavam ver um filme sobre mansões mal-assombradas e cheias de sustos, seguindo o rastro mais tradicional do gênero. E, de fato, A Colina Escarlate segue todas as convenções do terror ao pé da letra, enquanto as reinventa e nos proporciona um novo ponto de vista.

Os sustos não são causados ​​pelos fantasmas, o terror não reside na vida após a morte… O verdadeiro terror se encontra entre os vivos, nas paixões mais humanas e arrepiantes. Del Toro se junta à tradição romântica de explorar as profundezas da mente humana, os segredos e mistérios que cercam uma sociedade já em declínio.

Em uma mansão absolutamente sombria que parece ganhar vida própria, respirar e até sangrar, A Colina Escarlate reúne todas as pegadas do cineasta mexicano para configurar uma história que poderia perfeitamente ser inspirada em um romance do Romantismo.

A Colina Escarlate: as paixões

A história começa em Nova York no final do século 19. Edith é a filha de um importante empresário. Ela não é uma mulher convencional, não é uma mulher que se encaixa nos moldes do seu tempo.

Edith aspira se tornar uma escritora, mas não quer escrever comédias românticas e dramas relacionados com mulheres, e sim aquelas histórias que a perseguem desde a infância: histórias de fantasmas. Edith sempre acreditou em fantasmas, os via e pôde ver que eles não a machucariam de verdade.

Del Toro sempre optou por uma forte presença feminina na sua filmografia, por desvinculá-las dos papéis secundários, das ‘damas em perigo’. Isso lhes dá força, destaque e as torna mestres das suas ações e do seu destino. Edith enfrenta seu pai depois de conhecer Sir Thomas, um jovem britânico por quem se apaixona.

A Colina Escarlate zomba das convenções da alta sociedade do século 19, ri da moral da época e nos dá uma jovem que poderíamos ver perfeitamente anos mais tarde. Essa descrição da alta sociedade, aquela crítica leve mas eficaz que une os papéis de gênero e os casamentos de conveniência da época, nos lembra de alguma forma a literatura de Jane Austen.

Após a morte do pai, Edith viaja para a Inglaterra com Sir Thomas, parando na casa de sua família, Allerdale Hall. Em Allerdale, eles viverão ao lado de Lucille, a estranha irmã de Sir Thomas. Ambos os irmãos se propuseram a restaurar o esplendor da sua mansão em ruínas.

Allerdale Hall foi, em sua época, um lugar que brilhava com sua própria luz, um lugar próspero onde vivia a rica e aristocrática família de Thomas e Lucille. No entanto, desses anos, dificilmente restou mais do que uma fachada triste.

O interior da casa está absolutamente frio, as ruínas fizeram o telhado desabar e as correntes de ar parecem sussurros vindos do além. A casa parece ganhar vida, seu chão emana sangue, suas paredes respiram. O barro vermelho de que Sir Thomas espera fazer uso deixa a neve na cor do sangue. Edith terá que se acostumar com esta nova vida, com uma casa que parece gritar com ela para sair, para fugir para o mais longe possível.

Desde o início, sabemos que algo estranho acontece com Lucille e Sir Thomas, a intriga não está na busca do detetive por um assassino ou um fantasma. Os fantasmas aparecem em cena ao longo do filme, orientam Edith e se comunicam com ela; a intriga está nas paixões, na complexidade e no passado sombrio dos dois irmãos. Poder, ambição, amor, incesto, vida e morte… tudo se reúne em A Colina Escarlate.

As duas mulheres serão as presenças mais poderosas, principalmente Lucille, que brilha com sua própria luz graças à atuação espetacular de Jessica Chastain. As metáforas abundam desde o início, as cores assumem uma importância especial, o vermelho escarlate do vestido de Lucille contrasta com o vestido claro de Edith.

As paixões se manifestam por meio dessa cor, o vermelho escarlate, a cor do sangue, do proibido e do erótico. Por sua vez, os tons verdes do ambiente evocam o obsceno, o impuro do lugar.

Violência, amor e sangue em 'A Colina Escarlate'

Violência, amor e sangue

O terror se funde com amor em A Colina Escarlate: nada é mais assustador do que as paixões humanas, nada aterroriza mais do que um louco apaixonado e obsessivoO incestuoso se esconde por trás das paredes fracas de Allerdale Hall, o passado foi torturado e ele não consegue se dissociar daquele lugar escuro.

Edith viaja por corredores intermináveis, entra em um elevador assustador e desce ao inferno, para o lugar onde tudo começou, de onde o sangue emana das paredes.

A construção do filme é quase metafórica, a própria casa é um paralelo com aquelas paixões que acabam destruindo o ser humano, que o conduzem pelo caminho da violência, da raiva e do desejo. Amor, erotismo e violência parecem andar de mãos dadas. A trama se afasta do terror produzido pelos fantasmas para apresentá-los a nós como amigos e aliados.

Esse triângulo amoroso e violento que os três protagonistas constroem nos lembra fortemente a literatura do romantismo, mas também os crimes passionais de Agatha Christie. Da mesma forma, a influência de Hitchcock pode ser sentida desde os primeiros minutos da filmagem.

Estamos, portanto, diante de um filme que pega todas as influências do diretor, que as reagrupa e conta uma história de casas mal-assombradas e paixões devastadoras. A violência não incomoda, é estética; o sangue se derrete com a neve criando poesia.

Certamente, este não é o melhor filme do mexicano e está longe de outros como O Labirinto do Fauno, mas Del Toro conseguiu capturar o que queria, conseguiu fazer magia e fantasia se encaixarem neste horror gótico.

Em um mundo onde não podemos mais acreditar em fadas, A Colina Escarlate nos fornece aquela dose de nostalgia, de romantismo. Na atualidade, Edith assume as rédeas dessa história que, se tivesse sido escrita no século 19, teria apresentado um homem como protagonista.

Del Toro constrói um filme divertido e envolvente que captura a tragédia de um lugar em decadência absoluta.

“Fantasmas existem, eu sempre os vi.”
– A Colina Escarlate –

Pode interessar a você...
‘A Forma da Água’: os verdadeiros monstros
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
‘A Forma da Água’: os verdadeiros monstros

A cerimônia do Oscar é o acontecimento do ano no mundo cinematográfico, e em 2018, 'A Forma da Água' foi um de seus grandes protagonistas.