A depressão e as relações sexuais

março 25, 2019
Sabemos muito pouco sobre a depressão e menos ainda se pararmos para pensar na quantidade de mitos que circulam sobre ela. Um dos aspectos que ela mais influencia são as relações sexuais, e neste artigo falaremos sobre isso.

Qual é a relação entre a depressão e as relações sexuais? A depressão, essa doença invisível coberta de preconceitos que se sustentam graças à ignorância, afeta todas as esferas da vida de uma pessoa: de trabalho ou acadêmica, familiar, social, etc. E claro, também afeta a esfera mais íntima, a da sexualidade e, especificamente, as relações sexuais.

Apesar do que muitas pessoas podem acreditar, a depressão não é sinônimo de estar extremamente triste. Além dos sinais ou sintomas descritos com precisão pelos manuais de psicopatologia, a depressão é sentida como se algo nos impedisse de realizar as nossas tarefas e atividades diárias.

De fato, a Organização Mundial da Saúde, nessa mesma linha, projetou um vídeo no qual ilustrou essa ideia. Este vídeo, chamado ‘Eu tinha um cachorro preto, seu nome era depressão’, representa um homem que quer fazer as suas tarefas, mas um cão o impede constantemente e não o deixa sair da cama.

A depressão e as relações sexuais

A depressão condiciona as relações sexuais de formas muito diferentes. Dessa forma, ela afeta especialmente aquelas dinâmicas que ocorrem dentro de um casal porque há um vínculo emocional, uma comunicação mais íntima, um compromisso presente e futuro e, afinal, uma vida comum. No casal, quando um dos membros está imerso em um processo depressivo, ocorre uma série de mudanças:

  • Desejo sexual ou erótico baixo ou inexistente. É o principal afetado, pois é o motor que nos move a ter um relacionamento sexual. O prazer fica muito reduzido se não houver um desejo, mais ou menos específico, mais ou menos concreto, que nos predisponha a ter um relacionamento íntimo. A perda de motivação em todas as áreas vitais se reflete especialmente na perda ou redução do desejo sexual ou erótico que afeta diretamente as relações sexuais.
  • Incapacidade de criar fantasias eróticas. É uma consequência da perda do desejo, porque as fantasias estão associadas a ele. Se ter um relacionamento sexual fosse como comer uma torta de queijo, o desejo sexual corresponderia aos ingredientes e as fantasias sexuais seriam as diferentes maneiras de combinar esses ingredientes para criar algo que vale a pena desfrutar.
  • Déficits na assertividade. Assertividade é a maneira correta de comunicar os nossos desejos, sem ceder a qualquer pressão e sem expressar o que queremos (ou não queremos) de maneira agressiva. Muitas vezes, pessoas com depressão geram um grande sentimento de culpa por não atender às expectativas dos outros. Por sua vez, isso gera uma resposta de comunicação passiva, como um mecanismo compensatório.

A relação entre a depressão e as relações sexuais pode assumir muitas formas

Em um contexto íntimo, as pessoas têm a capacidade de decidir quando fazer e quando não fazer sexo. De fato, muitas vezes acontece que em um casal uma das pessoas quer fazer sexo e a outra não. Mas quando uma pessoa tem depressão, geralmente tem mais dificuldade em expressar a sua falta de desejo sexual. Portanto, recorre ao mecanismo compensatório que é ceder ao desejo do parceiro.

  • Alteração de relacionamento consigo mesmo/mesma. Embora falemos em termos de um casal, a autoestimulação também merece uma consideração especial. Esta é uma parte muito importante de nós, uma fonte de autoconhecimento, exploração e prazer que podemos acessar em nossa privacidade. Estes tipos de relacionamentos também são afetados quando sofremos de depressão. De fato, não é incomum que a frequência da masturbação diminua consideravelmente.

A relação entre depressão e relações sexuais é um fato, pois o humor afeta o desejo sexual e a capacidade de criar fantasias.

Mulher triste deitada na cama

É importante lembrar que as pessoas deprimidas não querem se sentir assim. Elas gostariam de ter um nível de atividade, um humor diferente e desfrutar do sexo. Embora cada processo depressivo apresente uma série de variáveis diferentes, vale a pena ressaltar algumas ideias no caso do nosso parceiro estar passando por uma depressão.

Meu parceiro/a tem depressão, como agir?

  • Sem julgamentos. A última coisa que uma pessoa com depressão precisa por parte do parceiro é que ele questione o seu comportamento, as suas decisões ou os seus ritmos. Duvidar ou pré-julgar só causará mais dor na pessoa deprimida, além de frustração e a culpa já mencionada e muito presente. Emitir esse tipo de julgamento quando o nosso parceiro expressa a sua falta de desejo antes de uma relação sexual poderá causar um desconforto particularmente significativo.
  • Sem pressões. O ideal é acompanhar o seu parceiro, mas respeitando os seus ritmos e espaços. Às vezes o seu parceiro precisará de companhia e outras vezes precisará ficar sozinho. Às vezes não sentirá vontade de conversar ou simplesmente desejará chorar acompanhado… Esse respeito deve ser mostrado no ambiente mais íntimo, e não se pode confundir as suas mudanças de humor com a falta de desejo pelo companheiro. Isto é, assumir que não querer ter relações sexuais corresponde a um processo depressivo, não a um problema pessoal.
  • Mostrar disponibilidade. Não pressionar o parceiro não significa desconsiderá-lo. É importante que os nossos parceiros entendam que estamos lhes dando o espaço de que necessitam e respeitando profundamente os seus ritmos enquanto os acompanhamos. Este acompanhamento pode ser expresso explicitamente através de frases como “se você precisar conversar, simplesmente me diga”.
  • Pedir ajuda. Cada vez mais pessoas com depressão recorrem à ajuda de um psicólogo ou de uma psicóloga, e sabemos que essa decisão geralmente não é fácil ou imediata. Portanto, é importante mostrar apoio ao parceiro quando ele tomar essa decisão e até demonstrar disponibilidade para acompanhá-lo, se necessário.

Conclusão

A depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Além disso, sabemos que o que muitos encaram como uma despesa se torna um investimento se decidirmos nos colocar nas mãos de um bom psicólogo.

Mesmo com ajuda profissional, superá-la não é um processo fácil. No entanto, se tivermos um parceiro que entenda a situação e a respeite, especialmente no ambiente mais íntimo, o seu apoio será muito valioso, além de uma variável que ajudará a depressão a ser deixada para trás rapidamente.