A inteligência sexual

A inteligência sexual

4, dezembro 2015 em Psicologia 1 Compartilhados
A inteligência sexual

A inteligência sexual não depende da aparência física e nem de habilidades extraordinárias de sedução. Todos nós podemos desenvolver as habilidades necessárias para desfrutar de uma vida sexual plena e saudável.

Uma grande parte da nossa vida gira em torno da sexualidade e de como adquirir uma estabilidade emocional nessa área, seja de forma consciente ou inconsciente. No entanto, existem muitos casos em que a sexualidade leva à frustração e à insatisfação.

A inteligência sexual

Diversos estudos realizados nessa área mostram que a insatisfação sexual, por diferentes motivos, chega a mais de 60%. Desse total, em 50% dos casos, as relações sexuais são consideradas dolorosas, e com disfunção erétil ou ejaculação precoce em mais de 35% dos casos.

A ausência da inteligência sexual

É importante ressaltar que a ausência da inteligência sexual ocorre principalmente devido à ignorância e aos preconceitos associados a mitos populares e religiosos. Portanto, para resolver esses problemas, é necessário se informar de forma adequada e científica.

Por exemplo, o orgasmo é experimentado de forma diferente por homens e mulheres. Para os homens termina com a ejaculação, e para as mulheres continua com o erotismo e a troca de carícias.

Muitas pessoas não conhecem o seu corpo. Não têm a menor ideia de como seu corpo reagiria a determinados estímulos e, ao mesmo tempo, se sentem bloqueadas pelo pudor de explorar a si mesmos.

A inteligência sexual

É muito importante conversar com o parceiro sobre o que gostamos e o que nos incomoda nas relações sexuais. Isso mostra quais são os nossos limites.

A confiança e a boa comunicação são os pilares da inteligência sexual entre um casal. Mostrar quem somos e o que queremos é fundamental. Só assim é possível desfrutar de experiências harmônicas e agradáveis com o parceiro.

A prática da sexualidade inteligente

Um elemento essencial para acessar a inteligência sexual é a capacidade de se conectar com os outros. Devemos estar dispostos a interagir, falar sobre a vida sexual com o parceiro, compreender e expandir nosso universo erótico. Temos que ser sinceros e mostrar como realmente somos sexualmente.

O órgão sexual mais importante é o cérebro. Por isso, é importante ser criativo, esquecer os modelos impostos ou tradicionalistas, despir o corpo e os sentimentos para desfrutar de uma vida sexual plena e saudável.

Além disso, deve ficar claro que as relações sexuais não são relações de poder.

A inteligência sexual

É possível melhorar e dignificar a nossa inteligência sexual, desde que estejamos dispostos a aprender, a refletir sobre nossos desejos e fantasias, e liberar sentimentos que nos limitam, como a culpa e a desconfiança.

Não se consegue a satisfação sexual através do “vale tudo” ou seguindo as lições do Kama Sutra; mas de um entrosamento, de um acordo elaborado entre os parceiros. Esse equilíbrio emocional só é possível através do respeito, da responsabilidade e sensibilidade.

Mesmo que as relações sexuais do passado tenham sido negativas, não devemos nos deixar levar por falsas crenças. Devemos ficar atentos e não confundir sexualidade inteligente com expressão de carências.

O sexo é saudável e agradável quando existe amor. E quando falamos de amor no sexo, não falamos somente do amor entre o casal, mas também do amor próprio, do amor pela vida e por toda a humanidade.

A inteligência sexual

Recomendados para você