A teoria da relatividade psicológica de Wim Hofstee

A psicologia é uma ciência que interpreta uma série de realidades. Isso significa que há uma certa influência da subjetividade. A teoria da relatividade nos diz que devemos controlar esse fator para seguir um método científico.
A teoria da relatividade psicológica de Wim Hofstee

Última atualização: 23 fevereiro, 2022

A teoria psicológica da relatividade nos lembra que as verdades absolutas não existem. Além disso, como às vezes é difícil avaliar o comportamento e a personalidade. Há casos em que o avaliador revela seus preconceitos ao gerar um parecer e, por sua vez, os avaliados também podem mentir intencionalmente ou não durante testes e entrevistas.

Neste mundo, como se costuma dizer, tudo é relativo dependendo da lente através da qual as coisas são vistas. De fato, é interessante saber que o campo da psicologia é uma disciplina mediada por várias escolas e abordagens. Também aqui o comportamento humano é observado a partir de diferentes lentes.

Muitas dessas correntes (estruturalismo, funcionalismo, psicanálise, behaviorismo, cognitivismo, humanismo etc.) podem ter ideias opostas sobre certos conceitos. Isso faz com que muitos psicólogos trabalhem a partir de uma ciência factual com a qual acreditam que sua percepção está sempre correta. Quando na realidade, na ciência devemos trabalhar com probabilidades, não com certezas.

Esse foi um problema levantado por Willem Hofstee, psicólogo da Universidade de Groningen, nas décadas de 1970 e 1980. Talvez nunca encontremos a verdade sobre as coisas. No entanto, podemos fazer boa ciência, que seja útil para as pessoas, e isso exige que todos os especialistas concordem, de acordo com Hofstee.

Paciente em psicologia clínica representando a teoria da relatividade psicológica

O que é a teoria da relatividade psicológica?

A teoria da relatividade psicológica é um conceito muito estudado por esta ciência comportamental. Embora Willem Hofstee tenha sido o primeiro a nos falar sobre esse assunto como psicólogo especialista em personalidade, um estudo sobre esse foi realizado em 2003. A Universidade de Cambridge define esse fenômeno com muita clareza.

Todos nós aplicamos a relatividade a partir do momento em que nos deixamos levar por uma perspectiva interna, em vez de seguir uma abordagem externa mais padronizada e rigorosa ao avaliar algo. Para entender melhor, vamos dar um exemplo muito simples de que o Dr. Willem Hofstee viveu em sua própria pele.

Ele foi presidente do comitê criado em 1990 pelo Escritório Nacional contra o Racismo para analisar os testes psicológicos aplicados no departamento de imigração. Uma coisa que ele conseguiu observar foi o número de vieses cognitivos que os profissionais usavam (inconscientemente) em suas avaliações. E isso era claramente um problema.

O problema das observações e avaliações em psicologia

Às vezes, o simples ato de agir como observador em um determinado contexto faz com que o comportamento do observado mude. Outro fenômeno comum é avaliar uma pessoa e ser enganado por ela. A teoria da relatividade psicológica nos lembra que é muito difícil obter a verdade absoluta sobre o comportamento humano.

Agora, esse efeito é algo que todo psicólogo conhece. É uma variável que é sempre levada em consideração. A questão é que o profissional tenha consciência de que a relatividade está presente em todas as áreas do ser humano; incluído a dele mesmo.

Não podemos ignorar o fato de que a psicologia, como ciência, deve interpretar muitas realidades humanas e é inevitável que nos deixemos levar pela subjetividade em alguns casos.

A teoria da relatividade psicológica e as diferentes abordagens e escolas

A teoria da relatividade psicológica também nos lembra algo óbvio. Esta é uma ciência que não tem o rigor que evidencia, por exemplo, a medicina. Assim, uma depressão não é como um osso quebrado que aparece em um raio X. Transtornos mentais não aparecem em um exame de sangue. Nem os tratamentos são tão estabelecidos quanto os antibióticos podem ser para as infecções.

Na psicologia cada escola tem suas práticas, abordagens e estratégias. Um psicanalista que segue a abordagem psicodinâmica não avalia ou faz o mesmo tipo de terapia que a humanista ou cognitivo-comportamental. As práticas em psicologia também são relativas, mas sim, existem aquelas que têm respaldo científico mais sólido.

Mente com luzes representando a teoria da relatividade psicológica

Como reduzir a subjetividade na psicologia

Para reduzir preconceitos e subjetividades na psicologia, a humildade intelectual deve ser aplicada. O que significa isto? Implica que devemos nos lembrar de algo tão simples como que não temos uma verdade absoluta, que não sabemos tudo. Além disso, que não somos infalíveis.

O bom senso deve ser usado e aliado ao profissionalismo e rigor científico. Willem Hofstee insistiu na necessidade de trabalhar em conjunto com outros colegas, porque a ciência não é feita por uma pessoa, é construída por uma comunidade. O rigor surge quando há várias visões que avaliam, que são rigorosas e que apaziguam as subjetividades para fazer uso da objetividade científica.

Essa é a chave e a estratégia com a qual todos nós ganhamos.

Pode interessar a você...
Elliot Aronson, a biografia de um psicólogo social brilhante
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Elliot Aronson, a biografia de um psicólogo social brilhante

Conheça a biografia de Elliot Aronson, um dos psicólogos sociais mais reconhecidos da atualidade. Destacam-se suas pesquisas sobre dissonância cogn...



  • HOFSTEE, WKB. (1984). METHODOLOGICAL DECISION RULES AS RESEARCH POLICIES – A BETTING RECONSTRUCTION OF EMPIRICAL-RESEARCH. Acta Psychologica56(1-3), 93-109.
  • Laming, D. (2003). Psychological relativity. Behavioral and Brain Sciences, 26(4), 416-417. doi:10.1017/S0140525X03300093
  • Willem K. Hofstee, Boele de Raad en Lewis R. Goldberg (1992). “Integration of the Big Five and circumplex approaches to trait structure”. Met In: Journal of Personality and Social Psychology. Vol 63(1), Jul 1992, pp. 146-163