Anarquia relacional: vínculos sem hierarquias ou rótulos

Anarquia relacional: vínculos sem hierarquias ou rótulos

Março 27, 2018 em Psicologia 32 Compartilhados
Anarquia relacional: vínculos sem hierarquias ou rótulos

A anarquia relacional é uma corrente de pensamento que defende a criação e a manutenção de vínculos sem rótulos ou hierarquias predefinidas. Esta forma de anarquismo procura separar as relações íntimas de ideias, compromissos ou tradições convencionais. Seu maior desejo é se libertar do que é ditado ou instituído pela sociedade.

Esta abordagem visa criar relações fora das categorias estabelecidas e baseadas apenas no acordo mútuo de seus componentes. Os anarquistas relacionais seguem um estilo de vida longe de qualquer tipo de padrão ou doutrina imposta. Mas isso é realmente viável? Como você entende o amor e os relacionamentos?

Os relacionamentos da anarquia relacional

Os defensores deste pensamento não distinguem entre relacionamentos de casais e aqueles que não são. Em vez de rotulá-los, eles preferem enquadrar todos os seus vínculos íntimos na ideia de “acordo mútuo”.

Eles consideram que o pilar fundamental de todos os seus relacionamentos deve ser a confiançaSomente se eles tiverem certeza de que as pessoas ao seu redor não pretendem prejudicá-los, podem manter relacionamentos livres e sem amarras. Somente se esse clímax de intimidade e liberdade for gerado, o relacionamento pode ser satisfatório. Caso contrário, se estiver intoxicado com receio, suspeita e dúvida, a relação se tornará um tormento.

Portanto, a comunicação é o principal veículo para que este vínculo seja adequado. Atualmente tendemos a falar sobre nossos sentimentos quando temos um problema. Mas aqueles que praticam a anarquia relacional defendem a comunicação constante para aumentar esse grau de confiança na outra pessoa.

Casal conversando e sorrindo em casa

Amor ilimitado e sem rótulos

O anarquista relacional considera que o amor é infinito. Portanto, não está limitado a uma única pessoa ou limitado a apenas uma forma.

Cada um é capaz de entregar o amor a quantas pessoas quiser, sem prejuízo de nenhuma delas. Baseia-se na ideia de apreciar cada um de seus vínculos de forma independente, sem comparações ou variações entre eles. Para essas pessoas, parece impensável usar frases pré-estabelecidas como “amizade colorida”, “somos apenas amigos” ou “estamos em um relacionamento aberto“.

Compromisso baseado em um acordo mútuo

A anarquia relacional não defende a supressão do compromisso. É o oposto. Ela defende, mas apenas enquanto são os próprios parceiros que acreditam no acordo mútuo. Nesse acordo, ambos estabelecem o nível e o tipo de compromisso que terão, de acordo com os sentimentos que experimentam.

Este arranjo deve ser criado com base no mapa de valores de cada um, sempre tendo em mente a naturalidade, o consenso, a comunicação e o sincero desejo de amar o outro. Portanto, nunca há lugar para amarras, hierarquias ou normas impostas do exterior. Não são permitidas influências ou condições sociais. Os vínculos devem aparecer naturalmente e espontaneamente.

Amigas sorrindo

Rompendo com o que está estabelecido na sociedade

A anarquia relacional considera que hoje a sociedade impõe como e a quem amar. Através de leis, direitos e obrigações, determina o que fazer e o comportamento que os cidadãos devem ter em todos os momentos. Esta corrente suprime a ideia de que, em um relacionamento, cada membro tem um direito sobre o outro.

Por exemplo, se um deles decidir sair com seus amigos e chegar tarde, é impensável que o outro exija explicações ou diga um “Tenho o direito de saber onde você passou a noite”. O respeito e a independência são intocáveis.

Além disso, critica que a sociedade indique que a normalidade é estabelecida na heterossexualidade. É por isso que, diante dessas imposições, ela grita amar qualquer pessoa, independentemente do sexo, gênero, cultura ou crença.

Anarquia relacional ou poliamor?

Ambas as correntes ou práticas relacionais podem ser confundidas, uma vez que ambas defendem a manutenção de vínculos com várias pessoas, tanto emocional quanto sexualmente. Mas, embora sua diferença seja sutil, a anarquia relacional e o poliamor são diferentes.

A anarquia relacional não categoriza e nem classifica. Cada relacionamento é considerado único, irrepetível e independente dos outros. Neste caso, o amor não precisa de rótulos para ser expressado ou sentido.

poliamor sim. De fato, uma de suas formas mais comuns é precisamente catalogar um dos relacionamentos que a pessoa mantém como primário (geralmente o casamento) e o resto como secundários.

Amigos conversando

Abordagem de referência contra a monogamia

A anarquia relacional é considerada por aqueles que a praticam como um meio de vida. Eles mesmos se definem como livres no amor e livres das estruturas e condições impostas pela sociedade e pela cultura. Eles usam a imaginação para criar seu próprio ideal de relacionamentos. Eles os concebem e levam da maneira que lhes convêm.

Nesse sentido, Andie Nordgren escreveu um manifesto para coletar as bases ou princípios desta corrente. Atualmente, este pensamento é considerado uma referência no ativismo relacional para lutar contra a hegemonia tradicional do modelo de casal monogâmico.

Recomendados para você