André Green e a prática da psicanálise

22 Março, 2021
Uma das grandes contribuições de André Green foi ter corrigido, de forma comedida e inteligente, a cisão ocorrida entre os modelos psicanalíticos de Melanie Klein, Jaques Lacan e Heinz Hartman.

André Green foi uma das figuras mais proeminentes da psicanálise contemporânea. Na sua época, ele era o psicanalista francês mais traduzido para vários idiomas, e também o mais reconhecido internacionalmente. Ao contrário de outros colegas seus, Green teve um importante reconhecimento na América Latina.

O nome de André Green começou a ganhar notoriedade na década de 1960, e se consolidou no final dos anos 1980. Ele se definiu como um freudiano básico, mas ao longo de sua carreira, também recebeu importantes influências de autores como Lacan, Winnicott e Bion.

Este importante autor esteve no centro das polêmicas pós-freudianas. Como se sabe, a psicanálise passou por vários momentos de crise após a morte de Freud. André Green soube manter uma postura de abertura e pluralismo perante todo este debate. Por isso, foi presidente da Sociedade Psicanalítica de Paris (1986-89).

“A análise consiste no retorno sobre si mesmo através de outro semelhante”.
-André Green-

André Green
André Green

Os primórdios de André Green

André Green nasceu no Cairo (Egito) em 1927. O seu pai era português e sua mãe espanhola, ambos judeus sefarditas, embora não muito devotos. Estudou no Liceu Francês e aos 18 anos entrou em contato com a psicanálise, graças às aulas de filosofia na escola.

Naquela época ele conheceu Lydia Harari, que lhe deu aulas particulares e lhe explicou os conceitos básicos da teoria de Freud. Com ela, leu a Introdução à Psicanálise, obra que serviu de base para a apresentação de seu exame final de bacharelado.

Green queria estudar filosofia, mas a sua família o chamava ao pragmatismo. Então, por fim, ele decidiu estudar medicina, mas sem muito entusiasmo. Fez o curso preparatório em sua cidade natal e aos 19 anos, em 1946, emigrou para a França para completar os estudos. André Green disse muitas vezes que, quando partiu, sabia que seria para sempre.

Altos e baixos na formação acadêmica

André Green não gostava da medicina. Na verdade, ela lhe causava uma certa rejeição. Ele via os seus estudos como um mal necessário. O que ele mais deplorava era a mentalidade fechada e radical do meio médico da época. No terceiro ano, ele começou a fazer estágio em psiquiatria infantil.

Ele também começou a frequentar os cursos de psiquiatria ministrados pelo Dr. Julian de Ajuriaguerra no Hospital Sainte-Anne. Ele estava muito interessado em fenômenos psíquicos, e em 1953 ele conseguiu uma vaga na psiquiatria. Lá, ele foi apadrinhado pelo psiquiatra Henry Ey, a figura mais relevante de todo o Hospital.

Em 1956 ele iniciou a sua primeira análise com Maurice Bouvet. Nessa época, também conheceu Jacques Lacan, que o tornou um de seus colegas mais próximos. André Green participou ativamente do que Lacan chamou de “o retorno a Freud”, entre 1960 e 1967, embora nunca tenha concordado plenamente com essa revisão.

Jacques Lacan
Jacques Lacan

O caminho de André Green na psicanálise

A primeira análise de André Green terminou pouco antes da morte de seu psicanalista. Isso o levou a uma nova análise com Jean Mallet, que o ajudou a superar o luto. Em seguida, fez o que ele chamou de “uma análise detalhada” com Catherine Parat. Isso foi tão inspirador para ele que, como resultado dessa experiência, escreveu o ensaio “A mãe morta” e voltou ao Egito, após 40 anos de ausência.

A partir de 1961, André Green também se tornou amigo e seguidor de Winnicott e Bion. Toda essa constelação de influências propiciou o desenvolvimento de uma psicanálise adequada para os novos tempos. Na época de Freud predominavam as neuroses. Agora, quase todos os pacientes tinham distúrbios limítrofes.

André Green fez parte de um duro debate dentro da psicanálise. Na época, havia três grandes correntes -movimentos pós-freudianos – que mantinham uma polêmica constante: o modelo Melanie Klein, o modelo Jacques Lacan e o modelo Heinz Hartman. Green soube fazer uma síntese integrativa de todos eles.

As abordagens de Green foram estruturadas e refletidas principalmente em seu trabalho “Ideias e diretrizes para uma psicanálise contemporânea”, de 2002. Um grande número de contribuições para os atendimentos em consultório também são reconhecidas. A Universidade de Buenos Aires o nomeou professor honorário pelas suas contribuições à psicanálise. André Green morreu em Paris em 22 de janeiro de 2012.

  • Green, A. (2005). Ideas directrices para un psicoanálisis contemporáneo: desconocimiento y reconocimiento del inconsciente. Buenos Aires: Amorrortu.