Melanie Klein e a psicanálise infantil

25 Fevereiro, 2021
Melanie Klein fez contribuições extraordinárias para a compreensão da psique infantil e para o desenvolvimento da técnica terapêutica com crianças. Também introduziu conceitos valiosos. É considerada uma das psicanalistas mais importantes da história.

A história de Melanie Klein é a de uma das mulheres mais importantes da psicanálise, mas também a de um ser humano que viveu lutos profundos e a de uma intelectual que enfrentou forte oposição e polêmica. Seu acirrado debate com Anna Freud marcou toda uma era.

Melanie Klein é considerada a fundadora da psicanálise britânicaEla é a única mulher na história desta corrente que é considerada chefe de uma escola.

Sua vivacidade intelectual e seu caráter rebelde despertavam grandes paixões, tanto por admiração quanto por rejeição. Seu trabalho continua a ser objeto de discussão, mas de grande elogio ao mesmo tempo. Seus textos foram traduzidos para 15 idiomas.

Uma das muitas experiências interessantes e surpreendentes do iniciante na análise de crianças é encontrar nas crianças muito pequenas uma capacidade de visão que muitas vezes é muito maior do que a dos adultos.”
-Melanie Klein-

Essa grande psicanalista austríaca desenvolveu seu trabalho principalmente com crianças. Ela foi a responsável pela estruturação da técnica da brincadeira como meio de acesso ao inconsciente infantil. Ele se afastou das teses de Freud em vários aspectos e forneceu uma perspectiva consistente e renovada sobre a psicanálise clássica.

A história de Melanie Klein

O início da vida de Melanie Klein

Melanie Klein nasceu em Viena em 30 de março de 1882. Era filha de um judeu polonês que, por sua vez, vinha de uma família muito religiosa e ortodoxa. O pai rompeu com essa linhagem familiar e estudou medicina. Ele teve um primeiro casamento arranjado que não deu certo. Em seguida, ele se casou com Libussa Deutsch, uma mulher muito mais jovem do que ele, com uma personalidade tirânica e destrutiva. O matrimônio nunca deu certo.

Melanie Klein era a mais nova de quatro irmãos. Ela tinha ciúmes de uma de suas irmãs, que acabou morrendo de tuberculose quando Melanie tinha 4 anos. Isso plantou nela uma semente de culpa da qual ela nunca conseguiria se livrar.

Por outro lado, Melanie tinha uma relação próxima e complexa com seu irmão Emmanuel. Este foi o único que a apoiou quando ela expressou sua intenção de estudar medicina. No entanto, o afeto entre eles foi mais longe e teve nítidos tons incestuosos. Emmanuel saiu de casa para morar na Itália.

Uma vida difícil

O pai de Melanie morreu quando ela tinha 18 anos. A isso se somou o fato de que seu amado irmão Emmanuel morreu pouco depois, vítima do seu alcoolismo e de uma vida desordenada.

Logo depois, Melanie Klein decidiu se casar com um engenheiro químico. Ela desistiu de estudar medicina e teve três filhos, mas sua vida familiar a deixava muito infeliz.

Seus dois filhos mais velhos basicamente cresceram ao lado da avó, Libussa, que frequentemente recomendava que Melanie fizesse uma viagem para equilibrar a sua ansiedade e depressão. Em seguida, ela enviou cartas agressivas acusando-a de abandonar os filhos. Quando a mãe morreu, Melanie Klein iniciou uma análise com Sandor Ferenczi para tratar sua depressão.

Lá, ela começou a se familiarizar com a psicanálise, principalmente depois de testemunhar uma leitura de Sigmund Freud em um congresso realizado em Budapeste.

Ferenczi chamou sua atenção para a sua grande capacidade intuitiva de compreender as crianças. Desde então, Melanie Klein se inclinou para esta área e começou a produzir trabalhos interessantes.

Melanie Klein: uma vida difícil

Um psicanalista de grandes controvérsias

Um dos aspectos controversos de Melanie Klein foi que seu trabalho inicial foi baseado na análise dos seus filhos. Aos poucos, Klein foi ganhando prestígio no meio psicanalítico e fez grandes amizades, como a com Ernest Jones. Com ele, travou grandes batalhas e formou a sociedade psicanalítica da Grã-Bretanha.

Melanie se divorciou do marido e se estabeleceu na Inglaterra, adotando essa nacionalidade. Lá, ela foi a protagonista de uma polêmica aguda com Anna Freud sobre a psicanálise infantil. A disputa era tão impetuosa que certa vez o próprio Ernest Jones teve que parar o debate, porque Londres estava sendo bombardeada e elas não tinham nem percebido.

Melanie Klein fez uma segunda psicanálise com Karl Abraham, a quem ela sempre considerou seu verdadeiro professor. No entanto, ele morreu um ano após o início do processo. O filho mais velho de Melanie também morreu em um acidente de escalada, embora um potencial suicídio não tenha sido descartado. Sua filha Melitta se tornou uma de suas oponentes mais ardentes, um assunto que lhe causou uma grande angústia.

Melanie Klein escreveu apenas um livro, A Psicanálise de Crianças, e cerca de trinta ensaios. Isso foi o suficiente para lhe dar um lugar de honra na história da psicanálise. A escola kleiniana tem muitos adeptos atualmente. A sua fundadora morreu em 1960 de câncer de cólon.

  • Niño, M. V. (2010). Melanie Klein. Su vida y su obra. Psicoanálisis: Revista de la Asociación Psicoanalítica Colombiana, 22(2), 51-58.