As 3 armadilhas da comunicação

As 3 armadilhas da comunicação

Última atualização: 17 fevereiro, 2022

Em “ O Pequeno Príncipe ”, a bela obra de Antoine de Saint Exupery, o protagonista disse que “A linguagem é fonte de mal-entendidos ”. Ele se referia àquela dificuldade que nós, seres humanos, temos de colocar em palavras o que realmente sentimos ou pensamos.

Assumimos que somos suficientemente claros, cada vez que temos que colocar em palavras o que realmente sentimos ou pensamos, ou dizemos alguma coisa. Mas, na realidade, nos expressarmos pode ser muito mais difícil do que pensamos. Às vezes decidimos apenas sugerir, acreditando que os outros entenderão o resto. Também pode acontecer que quem nos ouve, entenda à sua maneira o que dizemos, mesmo que nos expressemos com clareza.

A comunicação é muito mais do que apenas palavras. Na realidade, é um campo em que é fácil cair em mal-entendidos. Aqui apresentamos algumas dessas situações em que entramos nas armadilhas da comunicação.

Armadilhas da comunicação:

O silêncio como substituto do grito

É um mecanismo que é usado quando a raiva ou o ressentimento aparecem. Em vez de afirmar claramente o que nos incomodava, optamos por um silêncio grave e duro. Se nos perguntam “O que há de errado com você?”, com a maior calma respondemos “Nada”, embora seja evidente que não é o caso.

Este tipo de comunicação é ineficaz. A usamos quando supomos que a outra pessoa deve perceber por si mesma que fez algo que nos ofendeu. Talvez ela tenha esquecido de nos dizer alguma coisa, ou ela não entendeu que precisávamos que ela fosse mais carinhosa, ou ela perdeu algo que era importante para nós.

A verdade é que permanecer em silêncio nunca leva à compreensão. O diálogo é a única opção válida para lidar com esse tipo de situação. Diga clara e serenamente o que é que não gostamos. Só assim se pode estabelecer uma comunicação saudável e madura com os outros.

As sutilezas

Às vezes , optamos por lançar “indiretas”  em vez de dizer algo diretamente. É uma forma de comunicação que não contribui em nada para o relacionamento com os outros. Se temos algo a dizer, então vamos dizer de uma vez por todas. E se não for importante o suficiente, vamos esquecer  e todos felizes.

Mas esse dizer sem dizer, e ficar calado sem calar, a única coisa que consegue é criar uma atmosfera pesada e fazer com que outros interpretem as palavras de várias maneiras. É fácil cair na confusão e provocar um desacordo ou conflito, o que poderia muito bem ser resolvido se decidíssemos falar.

Milhares de rodeios

Acontece quando, em vez de ir direto ao ponto, nos perdemos no mato e acabamos não dizendo o conteúdo central do que queremos expressar. Um exemplo disso ocorre quando, por exemplo, alguém está zangado com seu parceiro porque deu muita atenção a outra pessoa durante um jantar. Ela não expressa seu aborrecimento diretamente com ele por medo de ser rotulada como “ciumenta” ou “possessiva”. Ela então expressa sua raiva criticando a aparência física de seu parceiro, a desordem ou qualquer outra coisa.

Neste, como nos outros casos, não dizer as coisas com clareza leva a erros na percepção do outro e é basicamente não ajuda.

Um componente importante de ser adulto é justamente saber dizer o que sentimos e pensamos, na hora e a quem corresponda. Dessa forma podemos estabelecer relacionamentos saudáveis e maduros com os outros.

Pode interessar a você...
Os ciúmes são uma má companhia
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os ciúmes são uma má companhia

Se queremos eliminar os ciúmes das nossas vidas, por que não nos libertamos dos laços emocionais internos e focamos em trabalhar a nossa autoestima...

Imagem cortesia de loungerie