Antoine de Saint-Exupéry, biografia de uma alma nobre

Antoine de Saint-Exupery foi um escritor e também um aventureiro. Ele amava a aviação tanto quanto a literatura. A sua musa foi Consuelo Carrillo, uma artista salvadorenha que inspirou o personagem da rosa em sua grande obra, O Pequeno Príncipe.
Antoine de Saint-Exupéry, biografia de uma alma nobre

Última atualização: 28 Março, 2021

Poucas obras literárias no mundo podem se dar ao luxo de dizer que foram traduzidas para 250 idiomas, incluindo várias línguas indígenas. O Pequeno Príncipe é uma das poucas que conseguiu. Hoje falaremos sobre a biografia do seu autor, Antoine de Saint-Exupéry, que colocou nela uma alegoria de sua filosofia de vida e parte das suas aventuras.

O Pequeno Príncipe não foi a única obra de Antoine de Saint-Exupéry, mas foi a de maior sucesso. Muitos não sabem se devem classificá-la como uma obra para crianças ou para adultos. Esse é o seu encanto: pode ser lida a partir de vários pontos de vista.

“O mundo inteiro se afasta quando vê passar um homem que sabe para onde vai.”
– Antoine de Saint-Exupéry –

Antoine de Saint-Exupéry foi um escritor maravilhoso e sensível, mas também um grande aventureiro. Amante da aviação e das viagens, sedutor e brilhante intelectualmente. Ele adorava aventuras e esteve em perigo mortal em algumas situações por puro amor ao desafio.

Antoine de Saint-Exupéry, biografia de uma alma nobre

Biografia de Antoine de Saint-Exupéry: um menino feliz

Antoine era filho do conde Jean de Saint-Exupéry, um especialista em seguros. A sua mãe era Marie de Fronscolombe, uma mulher amorosa de grande sensibilidade artística. O escritor e aviador nasceu em 29 de junho de 1900, na ilha de Riou (França).

A sua família era, é claro, muito bem de vida. Antoine tinha quatro irmãos: três meninas e um menino. Ele era o terceiro filho. O seu único irmão morreu de febre reumática quando ele tinha apenas 15 anos. A cena e o efeito dessa morte foram capturados em O Pequeno Príncipe.

O pai de Antoine de Saint-Exupéry faleceu quando ele tinha 9 anos. Desde então, a sua família se instalou no castelo de uma tia. O pequeno Antoine, apesar de tudo, teve uma infância feliz. A família era muito amorosa e ele adorava a mãe.

Arquiteto, aviador e escritor

Antoine queria ir para a universidade, mas foi reprovado no exame. Resolveu então se matricular em uma escola de artes plásticas para estudar arquitetura. Em 1921 ele serviu o exército e lá se apaixonou pela aviação.

Entre 1922 e 1926 Antoine de Saint-Exupéry exerceu várias funções, como representante de uma empresa de caminhões e inspector de uma fábrica de tijolos. Finalmente, em 1926, ele começou a trabalhar como piloto comercial na Aeropostale e publicou a sua primeira história: O Aviador.

Em 1928 foi nomeado representante da Aeropostale para a Argentina e mudou-se para aquele país. Lá, ele conheceu a escritora e artista salvadorenha Consuelo Carrillo. Eles foram apresentados por um amigo em comum e foi um daqueles casos de amor à primeira vista. Em seguida, a empresa faliu na América do Sul. Assim, Antoine de Saint-Exupéry, juntamente com Consuelo, foram para a França e se casaram em 1931.

Antoine de Saint-Exupéry, o homem

Seguindo a biografia de Antoine de Saint-Exupéry, vemos que em 1919 ele publicou o seu primeiro romance, Correio do Sul. No mesmo ano de seu casamento, publicou Voo Noturno, o seu primeiro grande sucesso literário. O próprio André Gidé escreveu o prólogo. Com esse trabalho, obteve o Prêmio Femina.

O seu relacionamento com Consuelo começou a ficar turbulento. O casamento durou 15 anos, entre separações e reconciliações sucessivas. Tanto ele quanto ela classificaram o relacionamento como intenso e instável.

O que mais afetou o casamento foram as sucessivas infidelidades de Antoine. Porém, é claro que Consuelo foi o grande amor de sua vida. O personagem da rosa, em O Pequeno Príncipe, é dedicado a ela.

O Pequeno Príncipe

Um aventureiro, um sonhador

Em 1935, Antoine de Saint-Exupéry e seu amigo André Prevot tentaram bater o recorde da aviação, voando em tempo recorde de Paris a Saigon. No entanto, o avião apresentou falhas e eles tiveram que fazer um pouso de emergência no deserto da Líbia. Ali, ficaram à mercê do acaso. No quarto dia, eles foram resgatados por um beduíno.

Essa experiência no deserto é narrada alegoricamente em O Pequeno Príncipe. Mais tarde, em 1938, ele também queria bater um recorde de voo, desta vez entre Nova York e a Terra do Fogo. Ele sofreu um acidente na Guatemala e ficou à beira da morte. Isso inspirou a obra Terra dos Homens.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Antoine de Saint-Exupéry decidiu se alistar para lutar contra os nazistas. Quando os alemães invadiram a França, ele emigrou para os Estados Unidos. Lá, ele escreveu Piloto de Guerra e O Pequeno Príncipe, em 1943. Depois, juntou-se à resistência francesa.

A resistência clandestina o encarregou de uma operação secreta ao longo da costa francesa. Ele partiu para cumpri-la em 31 de julho de 1944. No entanto, o seu avião foi abatido pelas tropas alemãs e desapareceu. O seu corpo foi encontrado em agosto do mesmo ano, mas só em 2000 o avião que ele comandava foi encontrado.

Pode interessar a você...
Um baobá no coração, uma reflexão de O Pequeno Príncipe
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Um baobá no coração, uma reflexão de O Pequeno Príncipe

Faça como o Pequeno Príncipe, que a cada manhã retirava as sementes dos imensos baobás de seu pequeno planeta, por medo de que destruíssem o que am...



  • Saint-Exupéry, A. D., & Gatlieb, B. L. (1966). Un sentido de la vida.