Antonio Gala, biografia de um mestre das palavras

29 Janeiro, 2021
Antonio Gala é um verdadeiro alquimista das palavras. Um mágico da metáfora que soube, como ninguém, iluminar nosso presente ao longo da história. Um verdadeiro mestre do sublime e do sensual.

Hoje vamos compartilhar uma breve biografia de Antonio Gala e tentaremos nos aproximar da vida e da obra desse mago das palavras. Um mestre da alquimia da linguagem que soube transmitir emoções, paisagens, histórias, sabores e cores através do crivo das suas palavras.

Sem dúvida, o escritor ocupa um lugar no coração e na mente de muitas pessoas que ele conseguiu alcançar e penetrar na alma. Ele soube melhor do que ninguém iluminar nosso presente através da história.

Antonio Gala tem um talento inato para transformar a vida cotidiana em poesia. As histórias, personagens, jardins, paisagens e cidades descritas por Gala são tão detalhadas que parecem flutuar à nossa volta como se estivéssemos realmente ali. Neste artigo, vamos tentar homenageá-lo e revisar suas experiências e seu magnífico trabalho.

Antonio Gala

Biografia de Antonio Gala

A biografia de Antonio Gala teve início em 1930, quando ele nasceu em um pequeno povoado de Ciudad Real, na Espanha. Passou a primeira infância em sua cidade natal e, aos nove anos, mudou-se para Córdoba. Gala foi um escritor e leitor precoce. Já na infância mostrou um certo talento para as letras, especificamente na tarefa de escrever.

Aos quinze anos começou a estudar Direito na Universidade de Sevilha, e também se formou em Filosofia e Letras e Ciências Políticas e Econômicas pela Universidade de Madri. Sem dúvida, era um jovem de interesses diversos e com um certo dom para o estudo.

Ao final dos estudos, parece que Antonio Gala estava passando por um período de rebeldia contra os desejos de seu pai, que sonhava que seu filho se tornasse procurador do Estado. Mas Gala abandonou essa ideia para se juntar à vida monástica dos cartuxos. Esta iniciativa não correu bem e a sua natureza rebelde lhe custou a expulsão da ordem.

Na idade adulta, Antonio Gala morou em diferentes cidades e países, começou a focar sua carreira no ensino até que optou pela literatura. Em 1959 fixou-se em Portugal como professor de Filosofia e História da Arte, atividade que aliou à produção de poesia e deu início a uma brilhante carreira no mundo do jornalismo e do teatro.

Pouco depois, mudou-se para Florença, onde continua a escrever poesia e a publicá-la regularmente. Um sério problema de saúde o surpreendeu no início dos anos 60: Gala ficou à beira da morte e sua saúde piorou muito. As sequelas o obrigaram a usar uma bengala para o resto da vida, o que, de alguma forma, tornou-se uma espécie de marca da sua identidade.

“Viva não de acordo com os ideais recebidos, mas com as suas aspirações, com a sua intuição mais veemente.”
-Antonio Gala-

Mais tarde, estabeleceu-se como escritor profissional com seus artigos semanais para o jornal El País. Em 1990 ele publicou seu primeiro romance, O Manuscrito Carmesim, que lhe rendeu um prêmio Planeta. Sua produção literária é enorme e atingiu quase todos os gêneros possíveis: poesia, romance, ensaio, jornalismo, teatro e roteiro para televisão.

Trabalhos de Antonio Gala

Toda a obra de Antonio Gala foi considerada portadora de um grande lirismo. Em seu trabalho durante a década de 1950, vários livros de poesia se destacaram, como Enemigo ÍntimoLa deshonra

Mais tarde, ele iniciou um período como dramaturgo com Los verdes campos del Edén, outra produção que ganhou vários prêmios e que contém um uso magistral de tom metafórico extremo.

Este trabalho foi seguido por muitos outros do mesmo gênero, que encenaram a realidade da Espanha naquela época. Com um certo caráter moralizante e crítico, Gala, por meio de metáforas, levou o espectador a compreender a realidade em que vivia.

“Fiquem quietos, amantes, e ocupem os lábios com o beijo. Não fales palavras vãs enquanto procuras o teu coração noutro peito, ofegante e pobre como o teu, já à beira da madrugada.”
-Antonio Gala-

Antonio Gala

Em 1985 e continuando sua produção de roteiros, Paisaje con Figuras estreou na televisão. Uma série de televisão que, pela primeira vez, aproximou milhões de espanhóis de diversas figuras históricas, por meio das quais foi forjada a identidade atual do país. Esse foi um programa que inspirou em muitos de nós, ainda muito jovens, uma paixão precoce pela leitura de biografias e pela história.

Já nos anos 90, Antonio Gala se voltou para a narrativa com livros inesquecíveis, como El manuscrito carmesí, La pasión turcaLa regla de tres. Três obras que enfocam o erótico feminino tratado de forma poética e com a mais sublime das sensibilidades. Após esses títulos, Gala continuou com obras como Las afueras de Dios.

O poder das palavras

Das ciências cognitivas, sabemos que a leitura em profundidade é uma experiência muito mais enriquecedora do que a mera comunicação de palavras. A leitura de Antonio Gala é uma leitura envolvente, complexa em emoções e detalhes, que coloca desafios a nós mesmos e ao mundo. Ele fala sobre o que habita a alma.

Seu trabalho reflete o poder da luta, do amor, de experiências comoventes que enriquecem a mente e o espírito. Essas obras nos mostram como o sofrimento humano é desvalorizado como meio de conhecimento. A dor das batalhas pessoais quando ainda não foram vencidas. A perplexidade e o vazio terrível dos golpes baixos da vida, o orgulho das cicatrizes emocionais quando já estão curadas. Em suma, da vida desgastada por vivê-la.

“Acho rude ser totalmente feliz.”
-Antonio Gala-

Os livros de Antonio Gala, seus recursos literários e seu domínio de alinhavar palavras, vidas e ideias são como sementes mágicas que, além do incrível prazer que sua leitura proporciona, deixam um sedimento muito mais profundo que frutifica de infinitas maneiras e por muito tempo.