Biografia de Eugène Delacroix, o sensualismo exótico na pintura

Eugène Delacroix foi um dos mais importantes pintores franceses do Romantismo. O seu estilo é hoje conhecido como Orientalismo, e suas obras são muito conhecidas pelo acabamento das suas pinceladas soltas e suas figuras cheias de vitalidade.
Biografia de Eugène Delacroix, o sensualismo exótico na pintura

Última atualização: 02 Julho, 2021

Neste artigo vamos expor uma breve biografia de Eugène Delacroix, um pintor importante do período romântico francês do século XIX. Inspirado pela história, literatura e locais exóticos, Delacroix pintou obras famosas como “Liberdade guiando o povo” e “A morte de Sardanapalo”.

O estilo único de suas pinturas fez dele um personagem icônico na história da arte. Na verdade, Delacroix é considerado um dos mais importantes artistas românticos. As suas obras marcam uma tendência artística: o orientalismo. A partir de Delacroix, a pintura francesa quis representar culturas exóticas do Oriente Médio e da África.

Primeiros anos da biografia de Eugène Delacroix

Ferdinand-Eugène-Victor Delacroix nasceu em 26 de abril de 1798 em Charenton-Saint-Maurice, França. Ao contrário de outros pintores franceses, Delacroix nasceu em uma família abastada. O seu pai, CharlesFrançois Delacroix, era ministro das Relações Exteriores. Além disso, desempenhava a função de prefeito governamental em Marselha e Bordeaux.

A sua mãe, Victoire Oeben, era filha de um renomado marceneiro, Jean-François Oeben, que trabalhava para o rei Luís XV. Ela era uma mulher culta que encorajou o jovem Delacroix a seguir sua inclinação para a literatura e a arte.

A família Delacroix serviu à Revolução e ao Império que a seguiu. Delacroix teve uma infância amorosa, mas frágil, já que adoecia com frequência.

Biografia de Eugène Delacroix

Existe uma teoria que atribui a verdadeira paternidade de Eugène ao estadista Charles-Maurice de Talleyrand-Périgord. Essa crença foi reforçada pela forte semelhança física de Delacroix com Talleyrand. Na verdade, isso também explicaria o patrocínio que Delacroix recebeu ao longo de sua vida. Apesar da natureza inconformista de sua arte, o pintor recebeu um patrocínio significativo do governo francês.

Infelizmente, a calamidade parecia estar em seu destino: o pai de Delacroix morreu quando ele tinha 7 anos. A sua mãe faleceu quando ele tinha 16 anos. Após a morte de seus pais, o jovem frequentou o Lycée Louis-le-Grand em Paris. No entanto, Eugène Delacroix abandonou a escola para iniciar os seus estudos artísticos.

Inicialmente, ingressou no ateliê do pintor Pierre-Narcisse Guérin. Em 1816, matriculou-se na École des Beaux-Arts. Nesses anos, o jovem se inspirava em suas frequentes visitas ao Louvre, onde admirava as pinturas de antigos mestres como Ticiano e Rubens.

Uma estreia notável

Em 1822, com apenas 24 anos, Delacroix expôs “Dante e Virgílio no Inferno” pela primeira vez. A obra imediatamente chamou a atenção dos críticos.

Muitas das primeiras pinturas de Delacroix versavam sobre temas religiosos. No entanto, é curioso que o seu primeiro trabalho tenha se inspirado na literatura.

Para outras obras da década de 1820, Delacroix se voltou para eventos históricos recentes. O seu interesse na Guerra da Independência Grega e sua angústia com as suas atrocidades levaram ao “Massacre de Chios“, que ele apresentou no Salão de Arte de 1824. Alguns anos depois, ele apresentou “Grécia sobre as ruínas de Missolonghi” (1826).

Mesmo neste estágio inicial de sua carreira, Delacroix teve a sorte de encontrar compradores para suas obras. Além disso, ele foi aclamado como uma figura central da era romântica da arte francesa, ao lado de Théodore Géricault e Antoine-Jean Gros.

Grandes obras do romantismo

Delacroix continuou a impressionar os críticos e seus clientes com obras como “A morte de Sardanapalo” (1827). Esta obra retrata uma cena decadente de um rei assírio derrotado se preparando para cometer suicídio.

Uma de suas pinturas mais famosas foi “Liberdade guiando o povo”, inspirado na Revolução de 1830. Essa cena mostra o momento em que pessoas indignadas se rebelaram contra as novas leis sobre a liberdade de imprensa e a severidade do regime da Restauração Francesa.

“É preciso trabalhar não só para produzir, mas também para valorizar o tempo”.
– Eugène Delacroix –

A tela monumental mistura alegoria clássica com realismo contemporâneo. A pintura mostra uma mulher segurando uma bandeira francesa e liderando um bando de cidadãos de todas as classes sociais. Esta pintura foi comprada pelo governo francês em 1831; na verdade, tornou-se uma obra de arte icônica na Terceira República.

Pintura de Eugène Delacroix

Eugène Delacroix e sua viagem ao Marrocos

A biografia de Eugène Delacroix continua em janeiro de 1832, quando ele acompanhou o enviado do rei Luís Filipe, o conde de Mornay, ao Marrocos. O conde estava indo para este país em uma missão diplomática. Ele ficou fascinado com a paisagem, a beleza das pessoas e seus costumes.

Após esta viagem, Delacroix voltou a Paris com novas ideias para sua arte. Pinturas como “As mulheres da Argélia em seus aposentos” e o “O chefe marroquino recebendo um tributo” definiram o seu interesse romântico por temas exóticos e terras distantes.

A profunda impressão desta terra exótica inspirou mais de 72 pinturas durante a vida de Eugène Delacroix. No entanto, embora a sua pintura fosse predominantemente orientalista, ele não se concentrou apenas nesse exotismo.

Eugène Delacroix continuou pintando cenas retiradas da obra de seus autores favoritos, incluindo Lord Byron e Shakespeare. Além disso, ele foi contratado para pintar várias salas no Palais Bourbon e no Palácio de Versalhes.

Ele sentia que havia encontrado o Oriente de seus sonhos, bem como uma antiguidade preservada. As memórias que Delacroix tinha sobre o Marrocos permaneceram com ele por toda a vida. As anotações que fez, as aquarelas que pintou, os objetos que trouxe das viagens e que guardou no ateliê, marcaram a sua pintura durante muitos anos.

Vida posterior e obras

A partir da década de 1840, Delacroix passou mais tempo no campo, fora de Paris. Ele fez amizade com outras figuras proeminentes do mundo cultural. Dois exemplos são o compositor Frédéric Chopin e George Sand, pseudônimo da autora Amandine Aurore Lucile Dupin.

“O primeiro mérito de uma pintura é ser uma festa para o olhar”.
– Eugène Delacroix –

A última grande encomenda de Delacroix foi um conjunto de murais para a Igreja de Saint-Sulpice em Paris. Esta coleção inclui “Jacob lutando contra o anjo”, uma cena de intenso combate físico entre duas figuras em uma floresta escura.

Esta obra ocupou Delacroix ao longo da década de 1850 e na década seguinte até a sua morte. Eugène Delacroix morreu em 13 de agosto de 1863 em seu apartamento na Rue de Fürstenberg, em Paris.

Pincéis para pintura

Biografia de Eugène Delacroix: vida pessoal

Ao contrário de outros artistas e dos costumes da época, Eugène Delacroix não se casou. No entanto, ele encontrou uma companheira em Jeanne-Marie Le Guillou.

Jeanne-Marie nasceu em Finistère em 1801 e começou a trabalhar com o pintor Eugène Delacroix por volta de 1835. Le Guillou permaneceu ao seu lado até a morte do artista, presenciando o seu último suspiro.

Le Guillou foi a fiel governanta de Eugène Delacroix, considerada quase como seu guarda-costas. Cuidou de seu professor e amigo com total devoção e evitava qualquer problema material para o pintor.

Com o passar dos anos, ela se tornou sua amiga e confidente. Eugène Delacroix disse em 1855 que ela era “o único ser cujo coração é meu sem reservas”. Após a morte do mestre, a sua lealdade foi recompensada com a herança de várias pinturas.

Pode interessar a você...
Monet: biografia do pai do Impressionismo
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Monet: biografia do pai do Impressionismo

Claude Monet foi um dos pintores mais famosos da França dos últimos séculos. Fundador do movimento impressionista, nasceu em Paris em novembro de 1...



  • Delacroix, E. (1987). El puente de la visión: antología de los “Diarios”. Tecnos.
  • Delacroix, E. (2002). Viaje a Marruecos y Andalucía. 1832. Terra Incognita, José J. de Olañeta Editor. Traducción de Francesc Gutiérrez, 56.
  • Baudelaire, C. (2011). Vida y obra de Eugène Delacroix: artículo necrológico publicado en tres entregas de “L’Opinnion nationale”, París, 2 de septiembre, 14 de noviembre y 22 de noviembre de 1863. Casimiro.
  • Gállego, J. (1957). El viaje a España de Eugène Delacroix. Revista de ideas estéticas, (59), 33-49.