Helen Fisher, biografia de uma especialista em amor

Helen Fisher dedicou praticamente toda a sua vida ao estudo do amor. Graças a ela sabemos, por exemplo, que a aparência desempenha um papel muito importante na conquista, e que amor sem dopamina não é amor.
Helen Fisher, biografia de uma especialista em amor

Última atualização: 25 Setembro, 2021

Hoje vamos expor uma breve biografia de Helen Fisher, uma das pessoas que mais conhece o amor do ponto de vista científico. Ele estudou esse sentimento por mais de 30 anos e seu trabalho é uma grande ajuda para entender as voltas e reviravoltas associadas ao amor romântico. Nossa protagonista pertence àquele grupo de especialistas que se esforçou para entender o amor a partir de uma perspectiva bioquímica.

Vários livros de Helen Fisher são mundialmente famosos. Entre eles estão Por que amamos: Natureza e química do amor romântico e O primeiro sexo. Ambos mudaram a maneira como vemos o amor, os relacionamentos e as questões de gênero.

A bióloga e antropóloga americana desenvolveu a maior parte das suas pesquisas na Rutgers University, em Nova York (Estados Unidos). Hoje, Helen Fisher é a pesquisadora mais citada em questões amorosas.

“O amor romântico é uma das experiências humanas mais intensas. É definitivamente mais forte do que o desejo sexual. O amor romântico é uma das substâncias mais viciantes do planeta”.
-Helen Fisher-

Coração iluminado

Quem é Helen Fisher?

Na verdade, não sabemos muito sobre a biografia de Helen Fisher. Sabemos que ela nasceu em Nova York em 31 de maio de 1945. Também sabemos que estudou na Universidade de Nova York e na Universidade do Colorado. Trabalhou em vários institutos até chegar à Rutgers University, onde desenvolveu a maior parte do seu trabalho.

É uma daquelas pessoas que se conhece mais pelas obras do que pela própria biografia. Ela se tornou uma estrela das palestras TED, especialmente entre 2006 e 2008. Também foi vista em programas de televisão e documentários que falam sobre o amor.

Embora Helen Fisher tenha estudado o amor romântico, suas abordagens são muito diferentes daquelas que a maioria de nós usa para falar sobre o amor romântico. A partir da sua perspectiva, essa sensação está intimamente ligada às reações neuroquímicas que ocorrem em nosso sistema nervoso.

A biografia de Helen Fisher e o amor

Há mais de 30 anos, Helen Fisher começou a investigar o que acontece no cérebro das pessoas quando estão apaixonadas e quando passam por decepções ou têm experiências amorosas amargas. Em seus estudos, vemos a fusão entre seus conhecimentos sobre a nossa biologia e sobre a nossa antropologia. O resultado é muito interessante.

Ela apresentou uma teoria única sobre o sentimento romântico. Na sua perspectiva, o amor seria essencialmente sensível a três fatores:

  • Luxúria. Tem a ver com desejo sexual e libido.
  • Atração sexual seletiva. A partir desse fator, explica-se a grande intensidade dos relacionamentos em seu primeiro estágio.
  • Apego. Refere-se ao sentimento de união que surge com o parceiro, que possui um maior grau de profundidade e permite relacionamentos de longo prazo.

As suas premissas básicas

Em uma das muitas entrevistas de Helen Fisher, ela condensou uma boa parte da sua teoria em um grupo de premissas básicas. Algumas delas são:

  • O amor pode ser definido como uma necessidade fisiológica, um instinto e o resultado de um fluxo químico no cérebro.
  • O amor romântico funciona como uma droga viciante, principalmente em sua primeira fase.
  • A necessidade que prevalece no amor é a união afetiva com a pessoa amada.
  • Você pode sentir um profundo apego pelo parceiro estável e, ao mesmo tempo, experimentar um amor romântico por outra pessoa, bem como atração sexual por outras pessoas. Cada experiência é controlada por diferentes áreas do cérebro que não estão bem conectadas umas às outras.
  • Você não poderia experimentar o amor romântico por duas pessoas ao mesmo tempo.
  • O amor romântico duraria entre 18 meses e três anos.
  • O romance pode ser nutrido e sustentado por meio de novas experiências compartilhadas que são emocionantes e até mesmo um tanto perigosas.
  • As mulheres se beneficiam menos do sexo casual e, portanto, se sentem menos atraídas por ele.
  • Todas as pessoas apaixonadas são possessivas. O ciúme quase sempre é a fonte de maus-tratos em um casal.
  • Os homens são tão apaixonados pelo amor quanto as mulheres. De cada quatro pessoas que cometem suicídio após terminar um relacionamento, três são homens.

Essas e muitas outras teses estão registradas nas obras e nas palestras de Helen Fisher. Ela é uma daquelas cientistas que podem ser lidas com a mesma emoção de um bom poeta. Vale a pena conhecer o seu trabalho.

Créditos de imagem principal | Adam Timworth com licença CC BY-ND 2.0
Pode interessar a você...
5 elementos essenciais em um relacionamento amoroso
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
5 elementos essenciais em um relacionamento amoroso

Os elementos essenciais em um relacionamento amoroso são aqueles que permitem que você construa um vínculo forte e saudável. Conheça 5 deles!



  • Fisher, H. E., Aron, A., Mashek, D., Li, H., & Brown, L. L. Fisher et al 2002 Sistemas cerebrales de Lujuria, Atracción y Apego.