Biografia de John B. Watson, o pai do behaviorismo

John B. Watson marcou a história da psicologia. Com sua pesquisa, ele contribuiu com conhecimentos que inspiraram muitos estudos subsequentes. Você quer conhecer a sua história?
Biografia de John B. Watson, o pai do behaviorismo

Última atualização: 16 Novembro, 2021

Conheça a biografia de John B Watson, uma das figuras mais importantes de toda a história da psicologia. Ele é considerado o criador do behaviorismo e um dos pesquisadores decisivos no estudo da mente humana. Embora seu nome tenha gerado polêmica, suas contribuições para a psicologia são inegáveis.

O artigo de John B. Watson, Psychology as Seen by the Behaviorist, é considerado por muitos o trabalho fundamental do behaviorismo. Ele foi um dos três grandes pilares dessa escola, junto com Ivan Pavlov, pai do condicionamento clássico, e BF Skinner, pai do condicionamento operante.

No entanto, foi John B. Watson quem realmente tornou o behaviorismo popular. Embora Pavlov e Skinner tenham sido teóricos mais sólidos do que ele, a capacidade de Watson de comunicar e espalhar o behaviorismo nas segunda e terceira décadas do século XX o marcou.

Os homens são construídos, não nascem…. Dê-me o bebê e eu o farei subir e usar as mãos na construção de edifícios de pedra ou madeira…. Vou fazer dele um ladrão, um atirador ou um demônio. As possibilidades de treinamento em qualquer direção são quase infinitas… ”.
-John B. Watson-

Mente com mecanismos

A biografia e a vida de John B Watson

John B. Watson nasceu em Travellers Rest, Carolina do Sul (Estados Unidos), em 9 de janeiro de 1878. Seu pai, Pickens Butler Watson, sofria de alcoolismo e deixou a família para começar uma nova casa com duas mulheres indígenas. A mãe, Emma Kesiah Watson, era profundamente religiosa, e certamente a partida do marido fortaleceu as suas convicções.

Emma queria treinar seu filho em ascetismo estrito. Ela o proibiu de fumar, beber e dançar. Na verdade, ela batizou seu filho de John porque um ministro batista que ela admirava tinha esse nome. Sua esperança era que, com o nome, seu filho herdasse também o amor pela pregação.

Na verdade, aconteceu o contrário. Por um lado, o pequeno John nunca perdoou seu pai pela afronta do abandono. Ele até teve problemas de comportamento após a partida do pai, a ponto de ser preso. Por outro lado, as fortes restrições impostas por sua mãe geraram uma forte aversão a tudo que soasse religioso. Em sua vida adulta, ele se tornou ateu.

Formação profissional

John B. Watson estudou pela primeira vez na Furnam University, formando-se aos 21 anos. Posteriormente, fez pós-graduação na Universidade de Chicago, onde iniciou uma interessante pesquisa sobre os processos de aprendizagem em ratos brancos. Sua tese de doutorado, que apresentou aos 25 anos, tratou desse tema.

Na época, ele se tornou o aluno mais jovem a receber um Ph.D. da Universidade de Chicago. Os chefes do departamento, impressionados com seus estudos, decidiram contratá-lo como professor assistente. Depois de quatro anos, ele foi trabalhar na Johns Hopkins University e, mais por acaso do que por mérito, acabou se tornando o editor da prestigiosa Psychological Review.

Foi justamente nessa revista que publicou a obra fundadora do behaviorismo, em 1913. Apenas um ano depois foi nomeado presidente da American Psychological Association (APA). Depois de um escândalo sobre um romance clandestino, John B. Watson deixou a academia e foi à publicidade. No fim das contas, quase todas as suas obras são autênticos clássicos da psicologia.

Experimento com ratos

Uma vida escandalosa

A vida de John B. Watson, que terminou em Nova York em 25 de setembro de 1958, foi cercada de escândalos. Ele se casou com Mary Ickes antes de completar seu doutorado e eles tiveram dois filhos com o nome de seus pais.

Sua filha Mary teve uma tentativa de suicídio. A filha dela, Mariette, sofria de distúrbios psicológicos e os atribuía ao fato de ter sido criada de acordo com as orientações do avô.

Quando Watson foi trabalhar na Hopkins, ele começou um caso com uma assistente chamada Rosalie Rayner. Com ela, realizou a famosa e polêmica experiência do pequeno Albert. A verdade é que sua esposa descobriu a correspondência da psicóloga com seu amante e a tornou pública. Por isso, ele foi convidado a deixar a universidade. Depois disso, ele se divorciou e se casou com sua assistente. Ele estava repetindo, em parte, a história de seu pai.

Com Rosalie, ele teve dois outros filhos, que criou seguindo os princípios do behaviorismo. Quando ela morreu em 1935, John B. Watson se aposentou em uma fazenda em Connecticut, dedicando-se ao trabalho de campo. Lá, ele passou seus últimos anos. Um dos filhos de seu segundo casamento, William, tornou-se psiquiatra e, mais tarde, cometeu suicídio em 1963.

Pode interessar a você...
Biografia de Pierre Bourdieu: uma vida dedicada a compreender as práticas de poder
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Biografia de Pierre Bourdieu: uma vida dedicada a compreender as práticas de poder

Conheça a biografia de Pierre Bourdieu, um influente sociólogo francês do século XX. Ele teorizou sobre a ligação entre educação e cultura.



  • Ribes, E. (1995). John B. Watson: el conductismo y la fundación de una Psicología científica. Acta comportamentalia: revista latina de análisis del comportamiento, 3(3).