Biografia de Paul Cézanne, o grande pintor eremita

Paul Cézanne, que viveu em contínuo isolamento criativo, é considerado um dos maiores pioneiros da arte moderna e da pintura. Ele é visto como um gênio tanto pelo método de colocar na tela exatamente o que seus olhos viam na natureza, quanto pelas qualidades da forma que alcançou por meio de um tratamento único do espaço e da cor.
Biografia de Paul Cézanne, o grande pintor eremita

Última atualização: 25 Junho, 2021

Hoje falaremos sobre a biografia de Paul Cézanne, um pintor francês que muitos consideram um pioneiro das pinceladas abertas características do pós-impressionismo. A sua obra formou uma ponte entre o impressionismo do final do século 19 e a nova linha de pesquisa artística do início do século 20, o cubismo.

O domínio do design, o tom, a composição e a cor que envolvem a sua obra são muito característicos. O seu jeito de pintar é único e pode ser facilmente reconhecido em todo o mundo. Tanto Henri Matisse quanto Pablo Picasso foram muito influenciados por Cézanne.

Infância e juventude da biografia de Paul Cézanne

O famoso pintor Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839 em Aix-en-Provence, França. A sua mãe parece ter sido a principal influência em seus primeiros anos, pela sua visão da vida e da arte.

O seu pai, Philippe Auguste, foi cofundador de um banco que prosperou ao longo da vida do artista. Essa empresa proporcionou ao pintor uma segurança financeira que não era comum na época e que a maioria de seus contemporâneos não desfrutava. No final da sua vida, o negócio da família deixou ao pintor uma grande herança.

Ele frequentou a escola primária juntamente com as suas irmãs mais novas, Marie e Rose. Mais tarde, continuou os seus estudos na escola Saint Joseph, em Aix.

Em 1852, Paul Cézanne ingressou no Collège Bourbon, onde conheceu e se tornou amigo de Émile Zola. Essa amizade foi decisiva para os dois homens. Com um romantismo juvenil, eles imaginaram carreiras de sucesso na florescente indústria da arte de Paris: Cézanne como pintor e Zola como escritor.

Paul Cézanne, o grande pintor eremita

Começo de carreira

A biografia de Paul Cézanne indica que ele começou a estudar pintura e desenho na École des Beaux-Arts de Aix em 1856, mas o seu pai se opôs à sua carreira artística. Em 1858, seu pai o convenceu a entrar na faculdade de direito da Universidade de Aix-en-Provence.

Cézanne continuou os seus estudos de direito por vários anos. No entanto, ele cursou esses estudos simultaneamente com a École des Beaux-Arts de Aix, onde permaneceu até 1861.

Em 1862, após uma série de amargas disputas familiares, o aspirante a artista recebeu uma pequena mesada e foi enviado para estudar arte em Paris. Ele tinha planejado morar com Zola.

Ele queria se matricular na L’école des Beaux-Arts em Paris. No entanto, o seu pedido foi rejeitado. Por isso, iniciou seus estudos artísticos na Académie Suisse.

O círculo de artistas

A Académie Suisse era um estúdio onde jovens estudantes de arte podiam trabalhar com modelos vivos por uma mensalidade muito modesta. Lá, Cézanne conheceu pintores como Camille Pissarro, Claude Monet e Auguste Renoir.

A sua pintura nesse momento tinha um estilo romântico desenfreado e rude. Em suas pinturas da época, Cézanne mostrou uma certa predileção por temas como violência e erotismo. Um estilo completamente diferente de suas obras mais maduras que o consagrariam como pintor.

Todos os jovens da Académie Suisse também eram artistas com dificuldades financeiras. Em breve, eles estariam entre os membros fundadores do nascente movimento impressionista.

Embora Cézanne tenha se inspirado nas suas visitas ao Louvre e, em particular, ao estudar Diego Velázquez e Caravaggio, ele duvidou da sua vocação depois de cinco meses em Paris. Por isso, decidiu voltar a Aix e trabalhar no banco de seu pai, embora nunca tenha abandonado a escola de artes.

Em 1869 ele conheceu Hortense Fiquet, uma modelo e costureira, que se tornou sua amante e, posteriormente, lhe deu um filho, Paul, nascido em 1872. Paul Cézanne os manteve em segredo de sua família; tinha medo da reação de seu pai autoritário. Finalmente, ele se casou com Hortense em 1886, pouco antes da morte de seu pai.

Em 1886, Cézanne brigou com Zola pelo que ele interpretou como referências disfarçadas de seus próprios fracassos em um dos romances do escritor. Como resultado, ele rompeu relações com seu apoiador mais antigo.

Paul Cézanne em Aix, os anos de maior produção

No mesmo ano, ele herdou a riqueza do pai e finalmente, aos 47 anos, ganhou independência financeira; mas socialmente ele permaneceu isolado. Após a morte de seu pai, ele herdou a propriedade da família ‘el Jas de Bouffan’.

“O mundo não me entende e eu não entendo o mundo, por isso me afastei dele”.
– Paul Cézanne –

A propriedade aparece em muitas das suas pinturas, e a partir dessa época, Cézanne viveu principalmente em Aix. Dedicou-se a alguns de seus temas preferidos: retratos de sua esposa Hortense, naturezas mortas e, sobretudo, a paisagem da província, especialmente o Monte Sainte Victoire.

Cézanne estava interessado na estrutura subjacente. Assim, as suas pinturas raramente dão uma indicação óbvia da hora do dia ou mesmo da estação retratada.

As suas pinturas posteriores são mais compostas e abertas, impregnadas com uma sensação de ar e luz. A terceira dimensão é criada através da perspectiva ou encurtamento, mas também pelas variações de tonalidade notavelmente sutis.

Em 1872, se instalou em Auvers sur-Oise, perto de Pontoise, onde viveu Camille Pissarro. Nesse lugar, Cézanne iniciou uma longa e frutífera parceria com Pissarro. No último ano de sua vida, ainda se autodenominava “aluno de Pissarro”.

Obra de Paul Cezanne

A cor e a luz em suas pinturas

Muitas das primeiras obras de Cézanne foram pintadas em tons escuros aplicados com pigmentos pesados ​​e fluidos. Desta forma, ele seguiu o rastro do expressionismo romântico e caprichoso das gerações anteriores.

Sob a tutela de Pissarro, e em um curto período de tempo entre 1872-73, Cézanne mudou de tons escuros para tons claros. Além disso, começou a se concentrar em cenas de fazendas e vilas rurais.

Ele expôs com os impressionistas em 1874 e novamente em 1877. No entanto, Cézanne nunca se identificou com o grupo impressionista ou adotou totalmente os seus objetivos e técnicas. Ele estava mais interessado na análise estrutural da natureza.

Ele percorreu um caminho solitário e difícil em direção ao seu objetivo de uma arte que não agradava superficialmente aos olhos, mas à mente. Esta arte combinaria o melhor da tradição clássica francesa da estrutura com o melhor do Realismo contemporâneo.

O seu trabalho permaneceu praticamente desconhecido ao longo de sua vida. Em 1895, Ambroise Vollard, um ambicioso comerciante de arte de Paris, organizou uma exposição das obras de Cézanne, que foram promovidas com sucesso nos anos subsequentes.

Na época de sua morte, em 1906, Cézanne havia alcançado o status de figura lendária.

O legado de Paul Cézanne

Ao olhar para a obra tardia de Cézanne, é impossível não perceber o surgimento de uma abordagem artística única. Cézanne ofereceu uma nova forma de compreender o mundo através da arte.

“Para um impressionista, pintar a natureza não é pintar um tema, mas sim criar sensações”.
– Paul Cézanne –

Com a sua reputação em constante evolução nos últimos anos da biografia de Paul Cézanne, um número crescente de jovens artistas foi influenciado pela sua visão inovadora. Entre eles, estava o jovem Pablo Picasso.

Sob a influência de Cézanne, Picasso logo conduziria a tradição ocidental da pintura em uma direção inteiramente nova e sem precedentes.

Foi Cézanne quem ensinou a nova geração de artistas a liberar a forma da cor em sua arte. Assim, criaram uma nova realidade pictórica subjetiva, não simplesmente uma imitação servil.

Pode interessar a você...
7 frases geniais de Pablo Picasso
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
7 frases geniais de Pablo Picasso

As frases de Pablo Picasso são um presente para a mente e o espírito. O talento deste maravilhoso pintor não está refletido apenas em sua obra pict...



  • Venturi, L. (1960) Cuatro pasos hacia el arte moderno: Giorgione, Caravaggio, Manet, Cézanne. Nueva Visión.
  • Machotka, P.; Cézanne, P. (1996) Cézanne: Landscape into art. Yale University Press.
  • Smith, P. (1996) Interpreting Cezanne. London: Tate Publishing.
  • Rewald, J.; Feilchenfeldt, W.; Warman, J. (1996) The paintings of Paul Cézanne: a catalogue raisonné. Musée du Louvre.