Como agir se uma ferida emocional reabriu

A cicatrização não é um processo linear e, portanto, é normal que feridas antigas reapareçam. Contaremos como agir nestes casos.
Como agir se uma ferida emocional reabriu

Última atualização: 23 abril, 2022

As feridas emocionais são os danos que experimentamos ao longo da vida e que condicionam a nossa forma de interpretar o mundo e de lidar com ele. Praticamente todos nós temos alguma ferida emocional, mas identificá-las e aceitar sua presença não é fácil. Se você faz parte daqueles que se atreveram a enfrentar esse dano e abordá-lo, pode ter ficado desapontado ao ver como o que você achava que estava curado na verdade não está.

Perdoar o dano que nossos pais, amigos, parceiros ou colegas nos causaram é complicado. Integrar essas memórias dolorosas e aprender com elas para crescer é um trabalho árduo.

No entanto, a sensação de realização e liberdade que vem com a realização do trabalho faz com que o esforço valha a pena. Mas, o que acontece se, de repente, essa ferida voltar a doer, se nos encontrarmos novamente sentindo raiva, medo ou tristeza diante de situações que pensávamos ter superado? O que fazer se você se encontrar voltando aos velhos padrões?

Como agir se uma ferida emocional reabrir?

Mulher triste duvidando

Aceite ela como parte do processo

É comum que, quando sentimos uma recaída em algo que pensávamos ter superado, entremos em pânico. Podemos chegar a pensar que todo o trabalho feito foi inútil, que mentimos para nós mesmos…, pensamos que nunca conseguiremos avançar. Nada está mais longe da realidade; a cura é um processo e não costuma ser linear: há avanços, pausas e retrocessos e todos eles fazem parte da jornada.

Talvez você esperava que, uma vez que tivesse superado a dor, nunca mais sentiria dor ao pensar naquela pessoa. Talvez você tenha pensado que, depois de enfrentar seu medo, essas situações deixariam de assustá-lo. Ou talvez você acreditasse que, aprendendo novas maneiras de pensar e reagir, nunca mais voltaria às antigas. No entanto, tudo bem se algo diferente acontecer, é normal e não significa que você voltou à estaca zero.

Parabenize-se por identificar o problema

Uma das maiores provas de que todo o seu trabalho pessoal não foi em vão é que você conseguiu identificar novamente essas emoções ou padrões de comportamento. Reconhecer o que está acontecendo o ajudará a redirecionar o curso.

Use seus recursos

É importante ter em mente que uma queda não é uma recaída. Pelo contrário, é uma oportunidade para detectar onde estamos falhando e usar os recursos que aprendemos anteriormente. Por exemplo, se ao curar a dor que deixou uma pessoa, você entendeu que o “não contato” foi benéfico para você, você pode descobrir que sente dor novamente porque começou a rever as redes de quem era seu parceiro. Ou, talvez, se ao superar uma fobia você verificou que enfrentar as situações temidas aliviou o medo, você pode ter uma recaída porque as evitou novamente.

Por outro lado, verifique seu diálogo interno, os pensamentos que você costuma ter, pois é possível que eles tenham mudado e estejam influenciando na reabertura da ferida emocional. Você frequentemente se lembra de eventos passados, pensando em quão injusto ou cruel o que aconteceu com você foi? Como você fala consigo mesmo? Você está empoderado ou desencorajado com sua conversa interior? Os pensamentos estão na base dos estados emocionais, verifique como os primeiros mudaram e você encontrará por onde continuar.

Seja paciente

Por último, seja paciente consigo mesmo. Sentir que está indo para trás pode ser exasperante, mas é importante não se julgar, se culpar ou tentar apressar o processo. Nem todos os dias temos a mesma energia ou humor.

É possível que um dia você volte a levantar a voz em uma discussão, mesmo que tenha se proposto a ser mais assertivo. É normal que, apesar de você ter melhorado sua capacidade de estabelecer limites, em algum momento você volte à complacência. Vá passo a passo, você está indo bem.

menina triste

E se a ferida emocional ainda estiver aberta?

Apesar do exposto, é possível que se ressurgem medos, dores ou padrões que você pensou que foram curados, é porque eles não foram realmente trabalhados em profundidade. Talvez falte algo para descobrir, entender ou abordar e, neste caso, pode ser muito positivo buscar ajuda profissional. Mesmo que já a tenha recebido, se sentir que falta algo para terminar, não hesite em retomar o processo.

This might interest you...
Autorregulação emocional: os outros mostram apenas o local da sua ferida
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Autorregulação emocional: os outros mostram apenas o local da sua ferida

A autorregulação emocional depende, em grande parte, da interação entre o córtex pré-frontal e os centros emocionais. Saiba mais neste artigo.

 



  • Prochaska, J. O., DiClemente, C. C., & Norcross, J. C. (1993). In search of how people change: Applications to addictive behaviors. Addictions Nursing Network5(1), 2-16.
  • Chappa, H. J. (2006). Trastorno de pánico: resistencia terapéutica y prevención de las recaídas. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas2(2), 25-38.