Contratar mais pessoas com autismo, uma iniciativa do Google

O Google quer integrar funcionários com autismo à sua força de trabalho. Para isso, os mecanismos de seleção e entrevistas de emprego foram reformulados.
Contratar mais pessoas com autismo, uma iniciativa do Google

Última atualização: 10 Outubro, 2021

Um dos objetivos do Google é ter mais funcionários neurodivergentes em sua força de trabalho. Condições como dislexia, dispraxia, transtorno de atenção e hiperatividade (TDAH) agora são vistas com particular interesse, assim como a importância de contratar mais pessoas com autismo. Os gerentes de escritórios do Vale do Silício conhecem o potencial desses jovens.

No entanto, para o seu recrutamento, eles tiveram que reformular suas abordagens. Os mecanismos de seleção para esse grupo populacional não podem ser os mesmos dos “neurotípicos” (neologismo usado para pessoas não autistas). É necessário fazer uso de outras abordagens que se ajustem às características das pessoas que estão dentro do espectro do autismo.

Recordemos a elevada taxa de desemprego existente nestes grupos, formado por pessoas válidas, competentes e dotadas (na sua maioria) de competências particulares. Portanto, é preciso aproveitar esse potencial e também favorecer a sua inclusão.

É importante considerar que muitas pessoas com autismo evitarão o contato visual em uma entrevista de emprego.

Reunião de trabalho

Contratar mais pessoas com autismo: um objetivo que devemos ter em mente

O transtorno do espectro do autismo se manifesta em cada pessoa de uma maneira particular. Existem pessoas funcionais que certamente não sabem que sofrem desta condição e existem crianças, jovens e adultos dependentes que não desenvolveram as suas capacidades de comunicação. Portanto, estamos diante de um grupo populacional muito diversificado.

Se nos voltarmos agora para estudar as taxas de empregabilidade, os dados são interessantes. Pesquisas como as realizadas na Universidade de Washington (Estados Unidos) indicam, por exemplo, que 34,7% dos jovens com TEA (transtorno do espectro do autismo) cursaram uma universidade. Os dados de empregabilidade após o fim do curso são muito baixos.

Além disso, aqueles que não obtêm ensino superior podem levar anos para encontrar um emprego. Os números em outros países são muito semelhantes. Não é fácil para pessoas com problemas de neurodesenvolvimento se integrarem à nossa sociedade. Dessa forma, se já é difícil para muitos conseguir um emprego no contexto atual, existem grupos invisíveis para os quais a situação é ainda mais complicada.

O empoderamento das pessoas neurodivergentes

O Google iniciou uma campanha que já viralizou e que visa contratar mais pessoas com autismo. O objetivo é colaborar com o Stanford Neurodiversity Project para capacitar pessoas neurodivergentes, ou seja, todos os jovens que estão dentro do espectro e que, devido a vários preconceitos e barreiras, não conseguem ter acesso a um emprego e demonstrar o seu potencial.

Como explicam os executivos da grande multinacional americana, é hora de criar ambientes de trabalho mais humanos e diversos. O que significa isso? Significa que há muito promovemos corporações dominadas por pessoas com as mesmas maneiras de fazer as coisas. Temos nos concentrado em manter uma cultura que esconde vulnerabilidades e peculiaridades.

As deficiências, como a neurodiversidade em todas as suas formas, eram um tabu até então. Agora sabemos que quanto mais formas de trabalhar, conceber e pensar, mais rico é o ambiente. O Google quer tirar vantagem disso e, por esse motivo, busca contratar mais pessoas com autismo.

Novas formas de recrutamento

Uma pessoa com autismo não buscará contato visual com o entrevistador, nem saberá responder a perguntas carregadas de ironia e contradição. Além disso, se há algo que sabemos sobre os processos seletivos do Google é que eles são desafiadores e que, nas entrevistas, é fundamental demonstrar resolução, inovação e capacidade de reação.

Esses recrutadores estavam, até pouco tempo atrás, focados em pessoas neurotípicas. Agora, nessa meta de contratar mais pessoas com autismo, o cenário mudou.

  • Os entrevistadores foram treinados para entender como uma pessoa com autismo age. É importante que eles não desconfiem de coisas como seus movimentos incomuns, falta de contato visual ou tom de voz. No entanto, há muita variabilidade no espectro.
  • Os tempos das entrevistas serão estendidos. Os candidatos terão mais tempo disponível.
  • Eles serão informados de todas as etapas a serem seguidas nos procedimentos de seleção para que tudo seja altamente estruturado para eles.
  • Eles podem se expressar por escrito, se necessário.

Além disso, há outro objetivo: uma vez contratados, eles devem encontrar um ambiente de trabalho acolhedor. Sentir-se aceito e integrado é fundamental para que possam demonstrar seu potencial. Isso também significa treinar funcionários neurotípicos para saber o que é o autismo e como agir diante dele.

Trabalhar no Google

Contratar mais pessoas com autismo é promover a inclusão

A verdadeira inclusão é a que normaliza e não diferencia. Porém, é preciso criar mecanismos que tornem isso possível. Em outras palavras, é verdade que pessoas com autismo terão estratégias mais adequadas no Google para a sua seleção com base em suas particularidades. No entanto, eles terão os mesmos desafios que qualquer pessoa que queira conseguir um emprego nesta gigante da tecnologia.

A ideia é criar uma cultura e configurações ideais para que as pessoas com autismo revelem suas capacidades. A neurodiversidade se manifesta de várias maneiras, mas todos precisam e merecem uma chance.

Criar mecanismos para o seu acesso ao mercado de trabalho é criar um mundo mais inclusivo que entenda que todos somos importantes.

Pode interessar a você...
Benefícios da musicoterapia para crianças com autismo
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Benefícios da musicoterapia para crianças com autismo

A musicoterapia para crianças com autismo tem vários benefícios. Desperta a sua atenção e eles se abrem para o que os cerca.



  • Frank F, Jablotschkin M, Arthen T, Riedel A, Fangmeier T, Hölzel LP, Tebartz van Elst L. Education and employment status of adults with autism spectrum disorders in Germany – a cross-sectional-survey. BMC Psychiatry. 2018 Mar 27;18(1):75. doi: 10.1186/s12888-018-1645-7. PMID: 29580218; PMCID: PMC5870494.
  • Shattuck, P. T., Narendorf, S. C., Cooper, B., Sterzing, P. R., Wagner, M., & Taylor, J. L. (2012). Postsecondary education and employment among youth with an autism spectrum disorder. Pediatrics129(6), 1042–1049. https://doi.org/10.1542/peds.2011-2864