Curiosidades de Carl Jung

Carl Jung é sinônimo de singularidade e mistério. Ele confrontou inteligentemente os positivistas de seu tempo e não teve medo de recorrer ao mito e a elementos do ocultismo para formular sua teoria. Contaremos alguns fatos curiosos sobre ele.
Curiosidades de Carl Jung

Última atualização: 02 julho, 2022

Carl Jung é uma das figuras mais interessantes da história da psicologia. Suas teorias ousadas tiveram mais impacto na filosofia e na arte do que na própria psicologia ou psiquiatria. Existem também conceitos dele que marcaram decisivamente as ciências da mente.

Uma das curiosidades de Carl Jung está em sua forma de escrever. Parece que escreveu para si mesmo, sem a menor intenção de ser compreendido pelos outros. Por isso, muitos pensam que várias de suas obras não pretendiam oferecer um discurso coerente, mas eram fruto de uma mente curiosa que mergulhava em uma ideia atrás da outra, sem muita pretensão.

“ Os grandes talentos são os frutos mais encantadores e muitas vezes mais perigosos da árvore da humanidade. Eles ficam pendurados nos galhos mais finos e fáceis de quebrar.”

-Carl Jung-

A vida de Carl Jung teve muitos altos e baixos. Momentos de grande claridade e também momentos de escuridão. Ele é mais lembrado por seu rompimento com Sigmund Freud. Também por ter combinado muitos elementos místicos com sua própria prática analítica. Esse psicanalista suíço era isso e muito mais.

Fatos interessantes sobre Carl Jung

Vamos começar dizendo que Carl Jung tinha um irmão mais velho que morreu logo após o nascimento, então seus pais o amavam muito. Tanto seu avô quanto seu bisavô eram médicos alemães de prestígio. Seu pai era filólogo , mas abandonou a profissão para se tornar clérigo. No final de sua vida, logo após Jung começar a estudar medicina, ele levou sua pregação para um hospital psiquiátrico.

A mãe de Carl Jung foi classificada como uma mulher de personalidade dissociativa, ou seja, alguém que nem sempre preservou o princípio da realidade. Por outro lado, o pai ensinou ao pequeno Carl latim quando ele tinha apenas 6 anos. Isso permitiu que ele mergulhasse e ficasse fascinado com a literatura antiga.

Estudou em internato e lá foi vítima do ciúme de seus colegas. Seus famosos desmaios datam dessa época: toda vez que enfrentava forte pressão social, desmaiava. Ele era quieto e reservado. Ele praticamente não tinha amigos, mas nunca ficava entediado. Sua curiosidade intelectual era insaciável.

Mais curiosidades de Jung

As sessões eram frequentemente realizadas na casa de Carl Jung. Ele mesmo testemunhou um acontecimento que lhe despertou grande interesse: uma mesa de nogueira subitamente partida ao meio, diante de várias testemunhas. Este e outros fatos o motivaram a investigar os chamados “fenômenos ocultos“. Durante toda a sua vida manteve um pé na “parapsicologia”.

Jung casou-se com Emma Rauschenbach e ficou ao seu lado até ela morrer. Eles tiveram cinco filhos. Uma delas, Agatha, tornou-se médium. A verdade é que Carl não foi um marido exemplar e também deixou algumas dúvidas como analista. Seu caso com uma de suas pacientes, Sabina Spielrein-Scheftel, foi o assunto de seu círculo por vários anos.

Um dos fatos mais curiosos da vida de Carl Jung ocorreu no momento de sua morte. Aconteceu quando ele tinha 85 anos, durante uma tarde tranquila na cidade de Küsnacht, na Suíça. Assim que ele morreu, um raio dividiu a árvore onde ele costumava descansar. Da mesma forma, seu amigo Lawrence Van der Post, que estava tirando uma soneca longe, sonhou que Carl estava na estrada e se despediu dizendo “até mais”.

Uma experiência de quase morte

Carl Jung teve uma experiência de quase morte em 1944. Aconteceu depois que ele fraturou a fíbula enquanto patinava no gelo. No momento da realização da cirurgia, apresentou parada cardíaca e, em suas palavras, estava “prestes a cruzar o limiar”.

Segundo o próprio Jung em sua autobiografia, de um momento para outro ele se via flutuando sobre o Ceilão (Sri Lanka). Ele foi capaz de observar tudo de cima e até percebeu a forma esférica da Terra. Ele a definiu como “a mais grandiosa e fascinante experiência que já tive”.

Ele também teve a sensação de se reconectar com sua essência e a certeza de que iria acessar um nível superior de compreensão. De repente, ele viu seu corpo e seu médico, que tinha a aparência do deus da medicina. Ele lhe disse que não era a hora dele e que ele deveria voltar.

Jung sentiu uma profunda decepção, que coincidiu com seu “retorno à vida”. Certamente isso alimentou o mundo já místico e complexo de Carl Jung.

Pode interessar a você...
Os três filtros da consciência: freudiano, rogeriano e atencional
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os três filtros da consciência: freudiano, rogeriano e atencional

Os três filtros da consciência nos permitem dar significado e compreender cada experiência e cada sensação. Vamos analisá-los.



  • Cruz-Campos, M. I. (2017). Experiencias Cercanas a la Muerte.
  • Grisales, D. E. A. (2020). El presente eterno de Jung. Revista Universidad de Antioquia, (341), 194-195.
  • Jung, C. G. (2013). The essential jung. In The Essential Jung. Princeton University Press.
  • Jung, C. G., & Wilhelm, R. (2020). El secreto de la flor de oro: un libro de la vida chino. AMA.