6 curiosidades sobre os notívagos

Quem vai para a cama tarde e acorda tarde possui uma série de peculiaridades, entre elas o fato de costumar ser tratado de forma injusta. Saiba como esta tendência condiciona as suas vidas.
6 curiosidades sobre os notívagos

Última atualização: 04 Setembro, 2021

Você odeia acordar cedo? Você se sente mais ativo e produtivo à noite? Você tende a realizar suas tarefas rotineiras quando a maioria da população já está dormindo? Em caso afirmativo, é provável que, ao longo da sua vida, você tenha se sentido um pouco julgado pelo seu entorno, e pode até ter sido chamado de preguiçoso, caótico ou desorganizado, já que todos devemos nos adaptar a uma rotina diurna. No entanto, talvez seja hora de aprender mais sobre os notívagos.

Estima-se que cerca de 20% das pessoas tenham esse cronotipo. Ou seja, eles atingem seus pontos máximos de energia após o anoitecer e têm sérias dificuldades para funcionar logo de manhã. Eles passam a vida lutando contra suas próprias inclinações para se adequar ao ritmo da sociedade, e podem ser vistos como desajustados. No entanto, o que realmente sabemos sobre esse grupo de indivíduos? Descubra a seguir!

Ser notívago não é uma escolha

Muitas pessoas pensam que os notívagos escolhem ter um horário de sono em desacordo com o ritmo social. Acreditam que lhes falta vontade de dormir e acordar cedo; no entanto, isso não é tão simples assim.

Diversas pesquisas mostraram que o cronotipo é, em grande parte, determinado geneticamente. Assim, essas pessoas já nascem com uma importante predisposição para manifestar essa tendência noturna.

Além disso, alguns estudos descobriram que existe até uma mutação genética que tem fortes efeitos nos padrões de sono. Desta forma, naqueles que a apresentam, o ciclo se alonga fazendo com que a pessoa não consiga adormecer até a madrugada e sofra quando seu corpo pede para acordar mais tarde do que o esperado. Em última análise, esta não é uma escolha voluntária, mas uma determinação biológica.

Homem trabalhando no computador à noite

Os notívagos são diagnosticados com a síndrome do atraso das fases do sono

O fato de o cronotipo variar de pessoa para pessoa pode ter sido uma vantagem evolutiva nos tempos antigos. Quando os humanos viviam em pequenas tribos, eles se certificavam de que sempre houvesse alguém acordado e alerta a cada momento do dia e da noite. Porém, atualmente a sociedade segue um ritmo acentuado durante o dia, por isso os notívagos não conseguem se adaptar e sofrem graves consequências.

É por isso que eles geralmente são diagnosticados com a chamada síndrome do atraso das fases do sono. Ou seja, eles precisam adormecer e acordar várias horas mais tarde do que seria desejável com base nas convenções sociais.

Na verdade, quando essas pessoas podem escolher seus horários de sono, elas desfrutam de um descanso adequado em quantidade e qualidade; no entanto, tendo que ir contra sua tendência natural, sofrem incômodos e dificuldades que podem chegar a causar um transtorno.

Eles conseguem ficar mentalmente alertas por mais tempo

Tendemos a pensar que quem acorda cedo é mais enérgico e produtivo, mas isso não é inteiramente verdade.

Se falarmos sobre o número de horas que um indivíduo pode permanecer alerta e mentalmente ágil, os notívagos vencem a disputa. Alguns estudos descobriram que, após 10 horas de vigília, os amantes da noite apresentam uma maior ativação cerebral nas regiões relacionadas à atenção.

Eles obtêm melhores pontuações em testes de inteligência

Há muito que todos sabemos que as inteligências são múltiplas e que as capacidades de cada indivíduo variam. No entanto, verificou-se que, em testes que medem a inteligência geral (o chamado fator G), os notívagos obtêm pontuações mais altas do que suas contrapartes matinais.

Porém, apesar dessa vantagem em inteligência e da sua capacidade de raciocínio indutivo parecer superior, eles tendem a apresentar um pior rendimento acadêmico e profissional.

O motivo é que eles são obrigados a viver em seus horários de menor operação, além de arrastarem uma significativa privação de sono que os impede de fazer suas tarefas de forma otimizada.

Eles são mais criativos

Além do exposto, os notívagos parecem ser pessoas mais criativas, visto que usam mais o pensamento lateral. Essas pessoas que vivem enquanto as outras dormem apresentam uma vantagem na hora de encontrar soluções alternativas e aplicar pontos de vista diferentes e originais.

Mulher estudando à noite

Os notívagos são mais suscetíveis a doenças

No entanto, nem tudo é positivo: vários estudos descobriram que os notívagos são mais propensos a desenvolver diabetes, obesidade, estresse, distúrbios psicológicos e neurológicos. Eles têm até 10% mais chances de morrer mais cedo do que os que acordam ao raiar do dia. Novamente, isso está intimamente relacionado à incapacidade de se ajustar aos horários, levando a um sono insuficiente e de baixa qualidade, dieta inadequada e hábitos de vida piores.

Apesar de tudo isso, não podemos esquecer que existem diferenças individuais. Os resultados apresentados são generalizações que não determinam as qualidades ou o desempenho de todas as pessoas. Nem todos os madrugadores são menos criativos e nem todos os noturnos adoecem; tudo depende das circunstâncias individuais no nível genético e ambiental.

No entanto, talvez os resultados anteriores nos ajudem a repensar a necessidade de respeitar os cronotipos de cada um, sem julgar os outros e procurando flexibilizar a sociedade para que cada indivíduo alcance seu máximo desenvolvimento.

Pode interessar a você...
5 estratégias para acordar cedo
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
5 estratégias para acordar cedo

Se você tem dificuldade para se levantar em um determinado horário, conheça algumas estratégias para acordar cedo que podem ser de grande ajuda.



  • Jones, C. R., Huang, A. L., Ptáček, L. J., & Fu, Y. H. (2013). Genetic basis of human circadian rhythm disorders. Experimental neurology243, 28-33.
  • Maierova, L., Borisuit, A., Scartezzini, J. L., Jaeggi, S. M., Schmidt, C., & Münch, M. (2016). Diurnal variations of hormonal secretion, alertness and cognition in extreme chronotypes under different lighting conditions. Scientific reports6(1), 1-10.
  • Piffer, D., Ponzi, D., Sapienza, P., Zingales, L., & Maestripieri, D. (2014). Morningness–eveningness and intelligence among high-achieving US students: Night owls have higher GMAT scores than early morning types in a top-ranked MBA program. Intelligence47, 107-112.
  • Wang, S. C., & Chern, J. Y. (2008). The ‘Night Owl’Learning Style of Art Students: Creativity and Daily Rhythm. International Journal of Art & Design Education27(2), 202-209.
  • Knutson, K. L., & Von Schantz, M. (2018). Associations between chronotype, morbidity and mortality in the UK Biobank cohort. Chronobiology international.