Dark Souls, o videogame que ajuda a tratar a depressão

Dark Souls mergulha o jogador em um mundo sombrio e desesperado. No entanto, muitos jovens superaram a depressão graças a este videogame.
Dark Souls, o videogame que ajuda a tratar a depressão
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater em 15 Novembro, 2021.

Última atualização: 15 Novembro, 2021

Dizem que quem mergulha no universo Dark Souls passa a ver as coisas de forma diferente. A vida ganha sentido, novas forças são desenvolvidas e o “fogo” da motivação é recuperado. Em um cenário virtual habitado por monstros no mais puro estilo Lovecraft, em que se morre repetidamente, a mente que navega no oceano da depressão parece despertar.

Fake news? Lenda urbana do mundo gamer? A verdade é que há vários anos lemos opiniões, notícias e artigos sobre quantos jovens experimentaram um bem-estar psicológico graças a este videogame. Desde o seu lançamento no Japão em 2011, a franquia só ganhou popularidade. Atmosfera, trilha sonora, sua mecânica de ação…

Parece que cada elemento deste videogame RPG visa criar uma série de sensações muito específicas no jogador. Em um mundo escuro onde o desespero é uma constante, a pessoa é forçada a abrir caminho quase à força.

O herói que morre e renasce mil vezes em um eterno retorno finalmente emerge com novos valores. Constância, propósito, senso de esperança e luta para se levantar novamente sonhando com a vitória. O que é verdade nesta ideia? Um videogame pode tratar a depressão?

Levante-se de novo e de novo para lutar. Essa é a mecânica que rege este videogame que tem melhorado a qualidade de vida de muitos jovens.

O videogame Dark Souls

O que é Dark Souls?

Dark Souls é mais do que um videogame, é uma metáfora sobre como superar as dificuldades. É uma saga que já tem três partes e que, para os conhecedores, é uma referência quando o assunto é RPG.

Sua narrativa e a mecânica para introduzir o jogador na ação são impressionantes. A imersão é absoluta e embora a princípio tudo seja um pouco estranho e até cansativo, aos poucos uma série de mudanças se impõe à pessoa.

Para começar, o protagonista que o jogador controla é Chosen Undead, um herói (humano-morto-vivo) que deve abrir caminho por Lordran, um mundo escuro habitado por seres monstruosos, criaturas atávicas que não são fáceis de derrotar. Isso faz com que o herói morra diante do menor descuido e que Chosen Undead perca seus pontos e até um pouco da sua humanidade.

Quanto mais ele morre, maior é o risco de se transformar em um estado denominado “Hollow”. Sabendo disso, o que há de tão especial em um videogame dominado por cenários sombrios e habitado por uma raça imortal de dragões?

O videogame como uma ajuda para os jovens superarem a depressão

Cerca de 6 anos atrás, o termo Dark Souls começou a aparecer com frequência no espaço do Reddit. Essa rede social em que os usuários postam textos, vídeos ou imagens revelou algo que uma parte da população estava vivenciando. Muitos jovens disseram que estavam superando sua depressão graças a este videogame.

De lá para cá, essa percepção só aumentou, a ponto de vários estudos já terem sido realizados. Por exemplo, a Universidade do Arizona iniciou um projeto em 2018 para investigar essa hipótese terapêutica. Até o momento, os seguintes benefícios foram encontrados.

A integração de dois aprendizados: fracasso e resistência

Um iniciante pela primeira vez em Dark Souls descobre algo quase que instantaneamente: é muito difícil permanecer vivo em Lordram. O herói e avatar do jogador morre repetidamente. Um pequeno fracasso, um ataque inesperado, um perigo imprevisto e a morte chega. É comum se desesperar e também é comum abandonar o jogo por um tempo.

Qual é o sentido de se esforçar se os perigos dificilmente podem ser previstos? A chave é aprender com cada morte. Algo que os jovens desenvolvem neste jogo é a tolerância ao fracasso. Eles aceitam a queda, o erro, a tragédia e sua própria frustração.

Depois de darem esse passo, vem o próximo: aumentar a resistência. Sempre há outra oportunidade e, com ela, a obrigação de persistir. Cada uma dessas dimensões é enriquecedora diante de um transtorno depressivo.

A cada morte, o jogador é convidado a assumir um novo aprendizado. Como na vida, cada queda é uma oportunidade de adquirir sabedoria e se levantar novamente.

Dark Souls e a motivação intrínseca

Há outro fator inevitável que é fundamental no tratamento de qualquer transtorno de humor: despertar a motivação intrínseca. É fazer com que a pessoa encontre seus próprios objetivos, explorando, aplicando curiosidade, entusiasmando-se com tudo o que foi planejado, feito e alcançado…

Esse tipo de motivação é o mais poderoso porque molda uma necessidade humana subjacente, como competência social e autodeterminação. Agora, como o videogame Dark Soul desenvolve essa dimensão psicológica decisiva?

Por meio de várias estratégias altamente cuidadosas:

  • Favorece a competência. Ao longo da jornada épica do herói, o jogador se torna cada vez mais competente ao passar e aprender com os difíceis testes de sobrevivência.
  • Desenvolve a autodeterminação e a autonomia. Embora seja muito fácil perder a vida em Lordram, o mais importante é resistir e lembrar qual é o propósito, qual é o objetivo. Da mesma forma, o jogador está livre para explorar, mover, decidir e descobrir os mecanismos para superar perigos e ameaças. Isso intensifica a motivação.
  • Você não está sozinho: os relacionamentos são importantes. Hoje, grande parte dos videogames oferece a oportunidade de jogar com outras pessoas online. Dark Souls planeja testes que só podem ser superados se “pedirmos ajuda” de outros companheiros de equipe.
  • Satisfação. Conforme os jovens acumulam horas de jogo, eles sentem que muitas coisas estão mudando em suas mentes. Eles aprendem a aceitar as derrotas e a se superar. Entendem que poucas coisas são tão importantes quanto ter um propósito… A satisfação vai aumentando e o humor vai melhorando.
  • Dark Souls encoraja habilidades decisivas como autoconsciência, perseverança, técnicas para tomar decisões, se defender, resolver problemas, etc.

Uma mente que luta contra pensamentos sombrios para não se tornar um Hollow

Um Hollow é um estado degenerativo no videogame Dark Souls. Cada morto-vivo, como o herói da história, está condenado a se tornar esse tipo de ser, a menos que obtenha um suprimento constante de Humanidades. Esse é o objetivo final, esse é o verdadeiro feito. A metáfora aqui é reveladora, o dispositivo simbólico de como superar uma depressão é tão evocativo quanto inegável.

Estamos diante de um videogame cuja atmosfera é sombria e opressora, como a mente de uma pessoa que passa por esse distúrbio psicológico. Algo que esse recurso alcança é forçar a pessoa a despertar novas habilidades, novas abordagens e ferramentas de vida. Para não se tornar um Hollow, a primeira coisa a fazer é derrotar os pensamentos negativos e, então, gradualmente moldar o herói que todos carregamos dentro de nós.

Para concluir, se agora nos perguntarmos se esse recurso pode realmente ajudar uma pessoa a superar sua depressão, podemos nos referir, por exemplo, a estudos como os realizados este ano na University College London. Crianças e adolescentes que dedicam algumas horas da semana a esse tipo de lazer apresentam menores índices de depressão.

Se as habilidades desenvolvidas em Dark Souls forem posteriormente aplicadas à vida diária, os benefícios podem ser indiscutíveis.

Pode interessar a você...
Qual é a relação entre inteligência e videogames?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Qual é a relação entre inteligência e videogames?

Estes jogos significaram uma enorme mudança na forma como usamos o nosso tempo livre. Afinal, qual é a relação entre inteligência e videogames?



  • A. Kandola, N. Owen, D. W. Dunstan, M. Hallgren. Prospective relationships of adolescents’ screen-based sedentary behaviour with depressive symptoms: the Millennium Cohort Study. Psychological Medicine, 2021; 1 DOI: 10.1017/S0033291721000258
  • Palmer, Chad Raymond (2018) Dark Souls and Depression: A Case Study in Video Games. Arizone State University https://repository.asu.edu/items/51813