De acordo com um estudo, a luz azul melhora a eficiência cognitiva

O azul é a cor preferida da população. O que talvez não saibamos é que esse tipo de luz é benéfica para o cérebro: otimiza a memória, a eficiência cognitiva e o bem-estar.
De acordo com um estudo, a luz azul melhora a eficiência cognitiva

Última atualização: 06 maio, 2022

De que cor é o espaço onde você costuma trabalhar? Que tipo de luz você tem ao seu redor agora? Quando você precisa estudar, você se preocupa com as cores que o cercam? Muitos de nós mal prestamos atenção a esses detalhes, mas eles são importantes. Agora, a ciência nos diz que a luz azul melhora a eficiência cognitiva e atua como um estímulo para o cérebro.

Esses dados vêm complementar muito mais as fascinantes particularidades dessa cor. Afinal, o azul é o preferido da maioria da população, e até é o preferido do setor de marketing e publicidade. Gera harmonia, seriedade, confiança, tranquilidade e até lealdade. No entanto, há um aspecto ainda mais decisivo: é um aliado do potencial cognitivo.

Este espectro de luz pode melhorar a produtividade de uma equipe de trabalho. Até faz com que as crianças nas salas de aula concentrem melhor sua atenção. Assim, e como disse Vincent Van Gogh, é quase impossível se cansar do céu azul. E a verdade é que nunca devemos nos afastar muito dessas cores que a natureza nos dá.

A luz azul natural tem o maior impacto em nosso bem-estar cognitivo e emocional.

mulher na montanha apreciando a luz azul
A luz azul pode melhorar a memória de trabalho, atenção e facilitar o aprendizado.

Luz azul, um estímulo para o seu cérebro

Se existe uma cor favorita no mundo da arte, é o azul. Wassily Kandinsky apontou que é a cor da abstração e da imaterialidade. Yves Klein insistiu que o azul não tem dimensões, está além de todas as dimensões, e Matisse comentou que existem certos tipos de azul que ficam dentro da alma.

De fato, há algo particular na cor azul , ela faz parte do que conhecemos como cores primárias psicológicas. Talvez, essa impressão profunda e hipnótica venha de ser a cor predominante no nosso planeta Terra.

Na verdade, é tão fascinante que o ser humano ficou obcecado em encontrar pigmentos naturais para poder pintar e tingir roupas com essa cor. Os egípcios foram os primeiros a sintetizá-lo. Essa atração inata e profunda, por sua vez, tem um impacto muito positivo no cérebro: permite que as habilidades cognitivas sejam aprimoradas. A memória ou concentração melhoram quando estamos cercados de luz azul.

A sala de estudo preferida da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA)

Nos prédios mais novos da Universidade da Califórnia, há uma pequena sala de estudo que é preferida pelos estudantes. É The Hedrick Study ou também conhecida como a sala azul. Tem cadeiras confortáveis, é espaçosa e tem tetos altos pintados de preto e com estrelas. A particularidade é a sua iluminação: um tom azulado quente e agradável.

Todos os alunos que ali passam algumas horas indicam que se concentram muito mais e são mais produtivos. Esses dados não são acidentais. A Universidade do Arizona e a Universidade Médica de Harvard já apontaram em um estudo que a exposição pontual à luz azul melhora o desempenho cognitivo. A retenção de dados é melhor, assim como o foco.

A razão disso é devido ao sistema de fotorreceptores no cérebro relacionados ao ritmo circadiano. A cor azul está associada ao dia, à luz do sol e ao brilho. O cérebro é ativado e otimiza seus recursos, bem como seu potencial. Especificamente, o que facilita é a memória de trabalho.

Esse tipo de espectro de luz aprimora tudo, desde a compreensão e o raciocínio até o planejamento e a resolução de problemas. O cérebro associa essa cor à nossa atividade diurna e à necessidade de responder e agir ao nosso redor quando está ensolarado.

A luz azul inibe a produção de melatonina. Por isso, ao escurecer, é importante não entrar em contato com aparelhos ou luzes dessa cor. Caso contrário, teremos problemas para adormecer.

Mulher abrindo uma janela para apreciar a luz azul

A luz azul e nossa sensibilidade biológica a este comprimento de onda

O céu, os oceanos… A luz azul está presente na tela da natureza e é o tom que, de longe, distingue o nosso planeta. Carl Sagan já apontou isso em Pálido Ponto Azul, 1994. O ser humano continua intimamente ligado a esses cenários, a essas origens que nos deram vida, sustento e bem-estar.

Sabemos, graças a estudos, como o publicado pela Universidade de Exeter, que esse tipo de luz melhora a saúde mental e reduz as taxas de depressão. Entrar em contato com aqueles espaços em que o tom azul reverbera no céu, no reflexo do mar ou no fluxo dos rios favorece o equilíbrio mental, a vitalidade e até a esperança.

O cérebro é ativado, foca muito melhor e entra em um estado altamente enriquecedor de positividade e receptividade. Dispensar esta luz natural nos deixa doentes, razão pela qual está sendo considerada a possibilidade de recriar artificialmente essa luz em nossos centros de trabalho e estudos. Seria uma forma de se sentir mais ativo e até produtivo.

Agora, há uma ressalva. A luz azul só é benéfica nas horas centrais do dia. Ao anoitecer, é necessário respeitar nossos ritmos circadianos e prescindir de todos os estímulos de luz, especialmente os artificiais. O bem-estar está sempre em viver em harmonia com a natureza e seus ciclos. Essa é a chave.

This might interest you...
Relação entre luz artificial noturna e depressão
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Relação entre luz artificial noturna e depressão

Existe uma relação direta entre a luz artificial noturna e a depressão. Nossos ritmos circadianos mudam e nosso humor é alterado.



  • Alkozei, A., Smith, R., Pisner, D. A., Vanuk, J. R., Berryhill, S. M., Fridman, A., Shane, B. R., Knight, S. A., & Killgore, W. D. (2016). Exposure to blue light increases subsequent functional activation of the prefrontal cortex during performance of a working memory task. Sleep, 39, 1671-1680.
  • Elliot AJ, Maier MA. Color and Psychological Functioning. Current Directions in Psychological Science. 2007;16(5):250-254. doi:10.1111/j.1467-8721.2007.00514.x
  • Curtis, C. E., & D’Esposito, M. (2003). Persistent activity in the prefrontal cortex during working memory. Trends in Cognitive Sciences, 7, 415-423.
  • Vandewalle, G., Schmidt, C., Albouy, G., Sterpenich, V., Darsaud, A., Rauchs, G., Berken, P. Y., Balteau, E., Degueldre, C., Luxen, A., Maquet, P., & Dijk, D. J. (2007). Brain responses to violet, blue, and green monochromatic light exposures in humans: prominent role of blue light and the brainstem. PloS one2, e1247.