Despejos e suicídios, uma realidade dramática

novembro 19, 2019
Por que os despejos e os suicídios parecem caminhar lado a lado? O que leva alguém a acabar com a própria vida nestas situações? Depressão, ansiedade e estresse são alguns dos sintomas provocados pelos despejos. Neste artigo, abordaremos esta situação dramática.

Os despejos e os suicídios são fenômenos com uma alta convergência e frequência na atualidade. Infelizmente, esta é uma notícia comum em jornais e programas de televisão.

Diante deste cenário, podemos nos fazer várias perguntas: por que os despejos não param se conhecemos as suas consequências? E, sobretudo, o que leva uma pessoa a acabar com a sua vida diante de um despejo?

O suicídio era um tema tabu na mídia até pouco tempo. O medo do contágio fez com que ele não fosse mencionado. No entanto, atualmente há um debate sobre esta posição, de forma que a sociedade está começando a ver a ponta do iceberg.

O fato de que um despejo leve alguém a acabar com a sua vida, entendida como a coisa mais valiosa que temos, é inquietante. Isso desperta um grande interesse nos psicólogos, que querem entender como a mente trabalha e quais decisões toma diante de situações complicadas.

Não há outras saídas? Não há outras opções? O desespero é tanto que a pessoa só enxerga esta alternativa, ou se trata de um impulso momentâneo? Neste artigo, vamos analisar por que os despejos e os suicídios estão associados e começaram a ocorrer com mais frequência.

Suicídio voluntário?

A pessoa é livre quando toma a decisão de acabar com a sua vida, ou é uma vítima das circunstâncias? Se você estiver na beira de um abismo rodeado por vinte pessoas que decidirem empurrá-lo, você vai acabar caindo. Neste caso, ninguém vai falar de suicídio, pois a sua intenção não era cair, você foi empurrado. Podemos equiparar as pessoas que empurram com uma ação de despejo?

Quando alguém é obrigado a abandonar o seu lar, há uma série de variáveis que podem levar algumas pessoas a quererem dar um fim a tudo. Chegando a este ponto, outras questões que podem surgir são: por que alguns sim e outros não? Por que alguns acabam com suas vidas e outros não?

Diante do fato de que nem todas as pessoas despejadas optam pela mesma saída, surge uma nova questão: existem traços de personalidades incompatíveis ou que protegem contra o suicídio?

Homem sem rumo

Cada despejo envolve uma série de circunstâncias diferentes. Entre elas, podemos encontrar a idade dos despejados, se têm filhos ou não, os recursos financeiros, a possibilidade de se alojar na casa de algum familiar ou amigo, o apoio social e familiar, etc.

Todos estes e outros elementos precisam ser levados em conta no momento de abandonar um lar de forma forçada. Não é a mesma coisa ser acolhido por um familiar e não ter um lar para se alojar. Também não é a mesma coisa viver sozinho e ser recebido por um amigo e ter uma família com filhos e não ter a possibilidade de um local para abrigá-los.

“Nossa maior glória não está em não fracassar nunca, e sim em levantar depois de cada queda”.
-Confúcio-

Consequências do despejo para a saúde mental

A equipe de Julia Bolívar (2016) publicou um artigo interessante. Trata-se de um estudo sobre a saúde mental de pessoas adultas afetadas por um processo de despejo. Suas principais descobertas foram de que as pessoas afetadas pelos despejos têm 13 vezes mais chances de ter uma má saúde.

Na pesquisa, 57,3% dos homens e 80,9% das mulheres informaram que não gozavam de uma boa saúde. Também foi identificado que eles apresentavam uma probabilidade maior de desenvolver problemas cardiovasculares.

Outra das descobertas da equipe de Bolívar foi de que a própria exposição aos despejos no bairro pode provocar um aumento da pressão arterial nos moradores. Quanto ao processo de perda do lar e a sua relação com a saúde, ocorre uma influência de fatores individuais e do entorno.

De forma individual, destaca-se o estresse da experiência do despejo desde as suas fases iniciais, afetando também a saúde física e mental.

Teresa Galeote (2018) afirma que “nas pessoas mais vulneráveis à frustração, o desemprego pode ser um dos maiores fatores de risco para o suicídio”. 

Enrique Echeburúa (2015) afirma que um humor melancólico pode ser altamente prejudicial, pois a depressão contrapõe o desejo natural de viver. Desta forma, entre 15% e 20% das pessoas com depressão podem tentar acabar com suas próprias vidas.

Echeburúa também destaca que os transtornos relacionados ao vício, como a dependência de drogas e o alcoolismo, são fatores de risco para o suicídio. Neste ponto, podemos considerar diferentes elementos e observar que alguém passando por um processo de despejo pode ser um candidato a desenvolver uma depressão.

Dependendo dos estilos de enfrentamento de cada pessoa, a depressão pode se instaurar ou não. O mesmo acontece com a decisão de recorrer às drogas ou ao álcool para suportar a dor emocional provocada pelo despejo.

Assim, como todos estes são fatores de risco para o suicídio, observamos várias razões que impulsionam certas pessoas a acabar com suas próprias vidas.

“Onde uma porta se fecha, outra se abre”.
-Miguel de Cervantes-

Mulher sem saber o que fazer

Despejos e suicídios: reflexão final

Diante das pesquisas apresentadas, é possível comprovar que certas circunstâncias adversas mantidas no tempo podem provocar depressão. Uma situação de despejo teria um impacto tão negativo sobre a saúde física e mental que poderia provocar estados depressivos.

Também poderia desencadear diferentes tipos de vício como forma de enfrentamento. Os recursos de enfrentamento de cada indivíduo são diferentes. No entanto, o número tão elevado de suicídios da atualidade nos faz pensar que os despejos provocam um maior mal-estar e desespero nos que sofrem com ele do que pode parecer.

O tema dos despejos e dos suicídios, sem dúvida, é muito complexo. Apesar disso, também podemos observar que nem todas as pessoas optam por esta via. Isso nos traz uma luz de esperança, já que indica que o suicídio não é a única saída.

Quando uma situação se torna insustentável, muitas pessoas escolhem lutar e descobrir como podem sair vitoriosas.