Diencéfalo: estrutura, funções e curiosidades

Graças ao diencéfalo e sua conexão com o sistema límbico, surgem as emoções. Além disso, é por meio dessa parte do cérebro que as conexões entre os nossos sentidos são gerenciadas. Hoje vamos aprender mais sobre essa estrutura interessante.
Diencéfalo: estrutura, funções e curiosidades

Última atualização: 24 Fevereiro, 2021

O sistema nervoso central (SNC) é dividido em duas partes: o encéfalo e a medula espinhal. O encéfalo é a parte mais anterior no interior do crânio e contém uma das principais estruturas do cérebro: o diencéfalo.

Essa estrutura está envolvida no controle do comportamento afetivo, na regulação da consciência, no sistema nervoso autônomo, no sono e em outros fatores. 

O que é o diencéfalo?

O diencéfalo deriva do prosencéfalo ou cérebro anterior, a parte mais frontal do cérebro no início do desenvolvimento embrionário. À medida que o prosencéfalo cresce, ele se divide em diencéfalo e telencéfalo até se tornar uma ponte entre o mesencéfalo e o telencéfalo.

Ele está localizado abaixo do corpo caloso e do fórnix, e se junta aos hemisférios do telencéfalo nas laterais. Portanto, ele está localizado na parte média do cérebro.

As estruturas do diencéfalo têm conexões com o resto do sistema nervoso, incluindo as áreas corticais e subcorticais. Portanto, é um centro que envia e recebe sinais nervosos (aferências e eferências, respectivamente) e desempenha um papel fundamental para o bom funcionamento de múltiplos processos biológicos.

Diencéfalo: estrutura, funções e curiosidades

Estrutura e funções do diencéfalo

O diencéfalo consiste em 4 estruturas principais. São as seguintes:

Epitálamo

  • Estrutura: o epitálamo contém a glândula pineal ou epífise, os núcleos da habênula, a estria medular talâmica, a comissura branca posterior, a comissura habenular, a lâmina tectória e os plexos coróides.
  • Funções: regula os ritmos circadianos das secreções hormonais, principalmente ligadas aos ciclos de claro e escuro. Também tem influência na esfera gonadal (testículos e ovários) e, além disso, é responsável pela secreção de melatonina.

Tálamo

  • Estrutura: é dividido em tálamo anterior, tálamo medial e tálamo lateral. Este, por sua vez, contém uma região dorsal, uma região ventral e o metatálamo.
  • Função: ele funciona como um relevo entre as conexões corticais e subcorticais. É um receptor de estímulos sensoriais, exceto os olfativos, que chegam diretamente ao córtex. Além disso, intervém na regulação da consciência e no ciclo do sono.

Subtálamo

  • Estrutura: é composto pelo núcleo subtalâmico de Luys, a zona incerta, o campo pré-rúbrico de Forel, o globo pálido e as porções compacta dorsal e a reticular ventral da substância negra.

Hipotálamo

  • Estrutura: é dividido, de frente para trás, em hipotálamo anterior, médio e posterior. Ele contém uma zona periventricular, uma medial e outra lateral.
  • Funções: é o centro regulador das funções viscerais por meio dos sistemas vegetativo e endócrino. Além disso, regula o comportamento afetivo por meio do sistema límbico, mantém a homeostase e produz os hormônios vasopressina e ocitocina.

Além dessas estruturas, o diencéfalo possui uma cavidade, chamada de terceiro ventrículo, que se localiza debaixo do tálamo. Este ventrículo permite a circulação do líquido cefalorraquidiano e ajuda a manter a forma e a estrutura do cérebro, mantendo-o saudável.

Hipotálamo

Curiosidades sobre o diencéfalo

O diencéfalo é o centro de controle que faz com que o nosso corpo mantenha o seu equilíbrio interno ou homeostase. Mostramos algumas das suas curiosidades:

  • Representa apenas 2% do peso total do sistema nervoso.
  • A hipófise está ligada ao hipotálamo e está envolvida em processos como a reprodução e o crescimento por meio da ação de hormônios.
  • Mantém a temperatura corporal.
  • Regula o apetite e, portanto, a ingestão de alimentos.
  • A habênula, parte do epitálamo, está relacionada ao medo e à depressão.
  • Regula a atividade endócrina da adenohipófise (ou hipófise anterior).
  • É o principal modulador do funcionamento do Sistema Nervoso Vegetativo.

O diencéfalo, o estresse e as emoções

O diencéfalo também participa das respostas neuroendócrinas ao estresse. Na verdade, um estudo publicado sobre a relação entre o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e o estresse aparece na revista Dialogues in Neuroscience. Ele indica que os animais, para responder ao estresse, ativam uma gama de respostas fisiológicas e comportamentais associadas a esse eixo.

Os autores explicam o estresse como um estado de ameaça real ou percebida. Como o hipotálamo regula a homeostase, ele gerencia a situação trabalhando em conjunto com os sistemas nervoso, endócrino e imunológico.

Garota estressada

Da mesma forma, tem sido demonstrada a enorme importância do hipotálamo na geração de comportamentos emocionais. H. Nakao, em um estudo publicado no American Journal of Physiology, comprovou que a estimulação do hipotálamo em gatos por meio de eletrodos implantados levou a respostas agressivas.

Graças ao diencéfalo, um “grande administrador” pouco conhecido, é possível a comunicação entre os níveis cortical e subcortical. Ele também nos permite manter o equilíbrio do nosso corpo e a regulação das nossas emoções, sempre de mãos dadas com outros sistemas. Um centro de controle tão maravilhoso quanto eficaz.

Pode interessar a você...
Sistema límbico: o que é e como funciona?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Sistema límbico: o que é e como funciona?

Sabemos que dentro do cérebro há vários sistemas que se especializaram em determinadas funções. Um dos mais importantes deles é o sistema límbico.



  • Bear, M. F. Connors, B. W., Paradiso, M.A., Nuin, X. U., Guillén, X. V. & Sol Jaquotot, M. J. (2008). Neurociencias: la exploración del cerebro. Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wikins.
  • Nakao, H. (1958). Emotional behavior produced by hupothalamic stimulation. American Journal of Physiology, 19 (2), pp. 411-418.
  • Smith, S. M., & Vale, W. W. (2006). The role of hypothalamic-pituitary-adrenal axis in neuroendocrine responses to estress. Dialogues in clinical neuroscience, 8 (4), pp. 383.