Gêneros em trânsito: qual é a diferença entre transexualidade e transgenerismo?

Embora pareçam sinônimos, transexualidade e transgenerismo são termos que refletem e estimulam a luta coletiva pelo reconhecimento das identidades diversas e pela despatologização da diferença.
Gêneros em trânsito: qual é a diferença entre transexualidade e transgenerismo?

Última atualização: 26 Outubro, 2021

Você saberia dizer qual é a diferença entre transexualidade e transgenerismo? O prefixo trans vem do latim e significa ‘do outro lado’ ou ‘através’. Ao longo do século XX, seu uso foi fundamental para dar nome a identidades sexuais diversas, a corporalidades cuja percepção de si não coincide com o sexo biológico e com o gênero atribuído no momento do nascimento.

Assim, trans tornou-se um termo guarda-chuva: agrupa identidades como transexualidade, transgenerismo, travestismo e transformismo.

À primeira vista, os termos “transexualidade” e “transgenerismo” podem parecer sinônimos; entretanto, cada um aparece em momentos diferentes e se refere a características particulares da experiência de vida trans.

Neste artigo, exploraremos brevemente a história desses conceitos, a postura ética e política envolvida no uso de cada um e a importância de identificar a transfobia e combatê-la no dia a dia.

Pessoa trans

Um pouco de história: a transexualidade e o olhar biomédico

O termo transexualidade apareceu formalmente em meados do século 20, particularmente no cenário biomédico. Foi criado para descrever aquelas pessoas cuja identidade de gênero difere das características sexuais no nascimento.

A história reconhece os médicos David Cauldwell e Harry Benjamin como os primeiros a formular e usar esse conceito clinicamente. Uma das características mais importantes associadas à ideia de transexualidade era o desejo que, segundo os médicos, as pessoas transexuais manifestavam em transformar sua corporalidade para fazê-la coincidir com o gênero com o qual se sentiam identificadas.

Assim, de acordo com os padrões clínicos, procedimentos como a cirurgia de redesignação sexual e a terapia hormonal tornaram-se elementos definidores tanto da transexualidade quanto dos indivíduos identificados como transexuais.

Da mesma forma, a transexualidade passou a ser uma categoria para definir os comportamentos “patológicos” e “desviantes” em relação à concordância entre sexo e gênero.

Embora o DSM-V e o CID-11 tenham feito esforços para reduzir o estigma associado às identidades transexuais, diagnósticos como “disforia de gênero” e “discordância de gênero”, respectivamente, ainda podem ser interpretados como formas de patologizar a diversidade sexual e de gênero e inscrevê-la dentro da estrutura do binarismo normalizado.

Rumo à despatologização: transgenerismo e identidades trans

Foi assim que começaram a aparecer as identidades que preferem ser chamadas de transgêneros. Estas nascem como uma crítica ao olhar biomédico e buscam enfatizar o fato de que as transformações no corpo para inscrevê-lo no binarismo masculino/feminino não precisam ser um requisito para a vivência de uma identidade trans.

Embora em alguns casos os transgêneros possam passar por intervenções hormonais ou cirúrgicas, o que eles desejam é questionar a cisnormatividade e o imperativo social da correspondência entre a materialidade física do corpo e a identidade de gênero assumida.

Assim, o transgenerismo pode ser lido como uma busca pela despatologização da diversidade sexual e um compromisso político para compreender as formas históricas e culturais nas quais construímos a relação com nossos corpos.

Apesar do fato de que, para alguns grupos LGBTI+, especialmente na América Latina, o transgenerismo é uma identidade que emerge no norte global e que ignora as lutas pelo reconhecimento de diversos organismos no espaço público e pela integração plena na vida social, trata-se de um poderoso convite para pensar a sexualidade e o gênero a partir de uma perspectiva enriquecida.

Mão com uma bandeira trans

Chega de transfobia!

O mais importante, além de estabelecer diferenças entre os termos e simplesmente transformá-los em rótulos, é reconhecer que aqueles que incorporam esses conceitos a cada dia enfrentam diferentes violações dos seus direitos fundamentais.

Violências que vão desde assédio, agressão verbal (em espaço público e nas redes sociais), perseguição e abuso, até agressão física, estupro e assassinato. Somam-se a isso a negação dos serviços de saúde (associados ou não à sua transição de gênero), as dificuldades de acesso à educação e as poucas oportunidades de trabalho em condições de dignidade, reconhecimento e remuneração justa.

Além disso, muitas vezes a mídia também é responsável por criar, disseminar e fortalecer estereótipos negativos em relação às pessoas trans, que por sua vez mantêm e reproduzem preconceitos sociais, dando lugar a novas formas de violência.

Ações como nos informar sobre as experiências de vida das pessoas trans, usar os pronomes adequados de acordo com a identidade de gênero de cada um, denunciar e não reproduzir qualquer forma de discriminação, violência ou rejeição da comunidade trans são importantes para fazer da nossa sociedade um lugar mais inclusivo e respeitoso, mais tolerante com as diferenças.

Pode interessar a você...
A Geração Z se identifica cada vez mais como LGBT e perde o medo de expressar sua identidade
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A Geração Z se identifica cada vez mais como LGBT e perde o medo de expressar sua identidade

A Geração Z é a mais reconhecida como LGBT. Além disso, a bissexualidade é a condição que predomina nesse grupo. Saiba mais neste artigo!



  •  Benjamin, H. (1966), The Transsexual Phenomenon, Julian Press, US.
  • O’Keefe, Tracie (1999), Gender and sex identity disorder vs sex, gender and sexuality exploration, The International Journal of Transgenderism, 3 (3). http://www.symposion.com/ ijt/index.htm.
  • Roughgarden, Joan (2005) Evolution’s Rainbow. Sexual and gender diversity in biology, University of California Press.
  • Soley-Beltran, Patrícia. (2014). Transexualidad y Transgénero: una perspectiva bioética. Revista de Bioética y Derecho , (30), 21-39. https://dx.doi.org/10.4321/S1886-58872014000100003