Disforia de gênero: o desejo de corresponder ao sexo oposto

Disforia de gênero: o desejo de corresponder ao sexo oposto

julho 4, 2018 em Psicologia 0 Compartilhados
Disforia de gênero: o desejo de corresponder ao sexo oposto

As pessoas com disforia de gênero sentem um grande estranhamento. Há uma discrepância entre o sexo que lhes foi atribuído (geralmente no nascimento) e o sexo com o qual se identificam ou expressam. Essa discrepância é a característica fundamental da disforia de gênero. De fato, algumas pessoas sentem um desconforto diante dessa discrepância. O sexo que é experimentado pode incluir identidades de gênero alternativas além dos estereótipos binários.

Consequentemente, o desconforto não se limita ao simples desejo de ser do outro sexo. Pode incluir o desejo de ser de um sexo alternativo. Isso ocorre desde que seja diferente do sexo atribuído à pessoa. A preocupação ou desejo de mudança de sexo pode aparecer em qualquer idade após os primeiros 2-3 anos de infância. Muitas vezes interfere nas atividades diárias.

Em crianças mais velhas, a incapacidade de adquirir as habilidades e relacionamentos que são típicas para a idade com parceiros do mesmo sexo pode levar ao isolamento social e causar desconforto.

Disforia de gênero em meninas

A disforia de gênero se manifesta de forma distinta em diferentes faixas etárias. Meninas pré-púberes com disforia de gênero podem expressar o desejo de ser um menino. Podem afirmar que são meninos ou afirmar que quando crescerem serão homens.

Eles preferem as roupas e o estilo de cabelo dos meninos. Por causa de seu estilo, elas também são percebidas por estranhos como meninos e podem pedir para serem chamadas pelo nome de um menino. Geralmente mostram intensas reações negativas em relação às tentativas de seus pais de fazê-las usar vestidos ou outras roupas associadas ao feminino. Alguns podem se recusar a ir à escola ou eventos sociais onde tais roupas são necessárias.

Essas meninas podem mostrar uma identificação marcante com o outro sexo em dramatizações, sonhos e fantasias. Geralmente preferem esportes de contato, os jogos de luta. Assim, elas preferem os meninos como companheiros de brincadeira.

Mostram pouco interesse em brinquedos (por exemplo, bonecas) ou atividades (trajes femininos ou jogos de personagens) que são baseados em estereótipos femininos. Ocasionalmente, se recusam a urinar em posição sentada. Algumas meninas podem manifestar o desejo de ter um pênis, ou alegam que têm pênis, ou que, quando crescerem, o terão. Também podem dizer que não querem desenvolver as mamas ou menstruar.

Filme 'A Garota Dinamarquesa'

Disforia de gênero em meninos

Meninos pré-púberes com disforia de gênero podem expressar o desejo de ser uma menina, afirmar que são uma menina ou afirmar que quando crescerem serão mulheres. Sua preferência é vestir roupas de meninas ou mulheres e podem improvisar vestidos com os materiais que encontram.

Esses meninos brincam de fazer o papel de figuras femininas (por exemplo, brincam de “mães”). Se interessam frequentemente ​​por fantasias femininas. Geralmente preferem atividades, jogos e hobbies que são estereótipos femininos tradicionais (por exemplo, brincar de “casinha”).

Também preferem fazer desenhos femininos e assistir programas de TV ou vídeos dos personagens que as garotas preferem. As bonecas que se encaixam no estereótipo feminino costumam ser os seus brinquedos favoritos e as meninas são suas companheiras de brincadeira favoritos.

Esses meninos geralmente evitam os jogos mais competitivos. Alguns podem fingir que não têm pênis e insistem em se sentar para urinar. Com menos frequência, eles podem alegar que acham o pênis ou os testículos desagradáveis. Eles querem tirá-los ou querem ter uma vagina.

Disforia de gênero em adultos

Em adultos com disforia de gênero, a discrepância entre o sexo que possuem e as características sexuais físicas costuma ser acompanhada por um desejo de se livrar de suas características sexuais primárias ou secundárias do outro sexo.

Em graus variados, os adultos com disforia de gênero podem adotar o comportamento, a vestimenta e os maneirismos do sexo que experimentam. Eles se sentem desconfortáveis ​​quando são considerados pelos outros ou quando a sociedade os identifica com o sexo que marca suas características físicas.

Alguns adultos podem ter um forte desejo de ser de um sexo diferente e serem tratados como tal. Podem ter certeza interior suficiente para sentir e responder de acordo com o sexo que experimentam sem buscar tratamento médico para alterar suas características corporais.

Disforia de gênero

Esses adultos podem encontrar outras maneiras de resolver a inconsistência entre o sexo que é experimentado/expressado e o que lhes é atribuído vivendo parcialmente no papel desejado ou adotando um papel sexual que não é convencionalmente masculino nem feminino.

Recomendados para você