Diferenças entre Alzheimer e demência

As diferenças entre Alzheimer e demência são um tanto difíceis de entender no papel, mas vamos tentar descrevê-las de forma clara e concisa.
Diferenças entre Alzheimer e demência

Última atualização: 17 Setembro, 2021

É claro que as habilidades cognitivas diminuem com a idade. Nos últimos anos, o conhecimento popular sobre esse processo e as doenças associadas a ele tem crescido. No entanto, o diagnóstico continua difícil, pois é complicado entender as diferenças entre Alzheimer e demência, além das outras doenças que existem.

Para muitas famílias, é difícil saber diferenciar os sinais do envelhecimento daqueles dos estágios iniciais de uma doença neurodegenerativa. Isso geralmente faz com que as demências progridam a um ponto que prejudica seriamente a vida do paciente.

Portanto, neste artigo você poderá encontrar a diferença entre as duas doenças que mais preocupam as famílias: a doença de Alzheimer e a demência. Não perca!

O que é o Alzheimer?

Alzheimer e demência diferem clinicamente

A doença de Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro que perturba o funcionamento dos neurônios. Afeta principalmente o neurocórtex e provoca a morte celular, mas em estágios avançados se aprofunda em áreas internas do cérebro.

Por muitos anos ele permanece assintomático, já que o poder de plasticidade e compensação do cérebro vai resolvendo a perda de funções. Quando não consegue mais “escondê-lo”, começam os sinais de comprometimento cognitivo e perda de memória, podendo progredir até a morte da pessoa.

Novos estudos com biomarcadores de Alzheimer permitem detectar a doença precocemente, antes mesmo que ela provoque sintomas. Isso é especialmente útil para pessoas que têm histórico de Alzheimer na família. Os biomarcadores desta doença são os seguintes:

  • Os níveis das proteínas beta-amilóide e tau no líquido cefalorraquidiano, que são analisados por extração por meio de punção lombar.
  • Detecção do acúmulo dessas proteínas no cérebro por meio da tomografia por emissão de pósitrons (PET).
  • Estudos de imagens estruturais ou funcionais do cérebro e de suas regiões por meio de tecnologias de ressonância magnética e tomografia por emissão de pósitrons com marcador de glicose.

O que é a demência?

A demência é um conjunto de sintomas associados à capacidade de pensar, raciocinar e lembrar que causam dificuldades no desempenho normal da vida do paciente. Não é uma doença, mas pode ser a causa de uma.

O DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) mudou o nome da “demência” para “Transtorno Neurocognitivo Maior”, além de adicionar uma nova categoria de deficiência cognitiva menos grave, chamada Transtorno Neurocognitivo Leve. Esse transtorno é diagnosticado quando o comprometimento de uma única habilidade cognitiva é grave o suficiente para interferir na independência.

Além disso, esse distúrbio não pode ter sido causado pelo uso de drogas, delírio ou outras condições.

As habilidades cognitivas avaliadas para este diagnóstico são as seguintes:

  • Atenção complexa.
  • Expressão e compreensão da linguagem.
  • Função executiva: planejar, organizar, lembrar coisas, priorizar ou dar atenção às tarefas.
  • Função perceptivo-motora: percepção visual das relações espaciais entre objetos.
  • Aprendizagem e memória.
  • Cognição social.

Diferenças entre Alzheimer e demência

Alzheimer e demência têm certas semelhanças

Agora que você conhece cada condição um pouco mais a fundo, verá que existem grandes semelhanças entre elas, como perda de memória e deterioração das funções cognitivas superiores. No entanto, suas diferenças são substanciais e, uma vez feitos os testes diagnósticos relevantes, o tratamento será diferente.

As principais diferenças entre Alzheimer e demência são as seguintes:

  • O Alzheimer é uma doença, mas a demência é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas.
  • A demência deteriora as funções cognitivas, mas não é degenerativa, pois a degeneração ocorre pela doença que pode ser a sua causa.
  • A demência não é uma causa direta de morte, mas o Alzheimer é.
  • Os sintomas de ambos seguem cursos diferentes: enquanto na doença de Alzheimer começa com pequenas perdas de memória e os sintomas são acrescentados à medida que avança, na demência os sintomas iniciais variam dependendo da doença que a causa.
  • A demência não é hereditária, embora haja evidências de que ter familiares com a doença pode aumentar o risco de sofrer dela. O Alzheimer tem uma ligação genética clara, já que alguém com um dos pais ou irmão com Alzheimer terá um risco ligeiramente maior de desenvolvê-lo.

Estima-se que uma em cada 10 pessoas com mais de 65 anos sofra de algum tipo de demência, e aproximadamente 75% desses casos são decorrentes da doença de Alzheimer. Embora os estudos e a medicina continuem avançando, ainda não há cura para essas doenças e seu progresso só pode ser retardado.

Pode interessar a você...
12 hábitos que cuidam do cérebro e reduzem o risco de demência
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
12 hábitos que cuidam do cérebro e reduzem o risco de demência

Existem vários hábitos que cuidam do cérebro. Eles fazem isso independentemente de quantos anos você tem ou do estilo de vida que você levou até ag...



  • García-Ribas, G., Moreno, L. S., & García Caldentey, J. (2014). Biomarcadores en la enfermedad de Alzheimer. Rev Neurología58(7), 308-17.
  • Morrison, J. (2015). DSM-5® Guía para el diagnóstico clínico. Editorial El Manual Moderno.
  • Mateu, K. A., Guzmán, M. D. L. Á. A., & Jiménez, L. F. H. (2014). Función ejecutiva en adultos mayores con patologías asociadas a la evolución del deterioro cognitivo. Neuropsicologia Latinoamericana6(2).https://www.neuropsicolatina.org/index.php/Neuropsicologia_Latinoamericana/article/view/180