Diferenças no desejo sexual no casal: o que fazer?

Quando um membro do casal tem um desejo sexual mais pronunciado do que o outro, podem surgir conflitos e discrepâncias. Mostramos como lidar com essa situação.
Diferenças no desejo sexual no casal: o que fazer?

Última atualização: 08 Dezembro, 2021

As relações sexuais no casal constituem um momento de troca, conexão e satisfação mútua que fortalece o vínculo. Porém, quando ambos os membros discordam sobre a frequência com que se mantêm relacionamentos, podem surgir disputas e conflitos que acabam afetando a qualidade do relacionamento. Portanto, queremos explicar como lidar com as diferenças no desejo sexual.

Muitos casais enfrentam essa situação há anos. Um deles se sente rejeitado porque o outro recusa muitas de suas propostas sexuais; enquanto a outra parte se sente assediada e perseguida.

Assim, ambos ficam frustrados e insatisfeitos e é fácil para eles entrarem em uma dinâmica negativa que tende a se perpetuar com o tempo. Identificar os motivos subjacentes e agir para aproximar as posições é essencial nessas situações.

Quais são as diferenças no desejo sexual do casal?

O desejo sexual é uma questão que pode variar significativamente de um indivíduo para outro. Assim, há quem dê a esta área uma importância crucial e quem não sinta praticamente nenhum interesse por ela.

Em geral, a maioria dos casais considera a sexualidade um dos pontos importantes sobre os quais se baseia o relacionamento. O problema surge das diferentes definições que ambos os membros têm disso.

É natural que o desejo sexual predomine durante os primeiros meses ou anos de namoro e que diminua ou se estabilize à medida que o relacionamento se consolida. Porém, neste ponto, as necessidades de cada pessoa são diferentes e, se forem muito diferentes, podem criar um problema.

O efeito de incompatibilidade pode ser usado para medir as diferenças no desejo sexual do casal. Assim, ambos devem avaliar, em uma escala de 0 a 5, a frequência com que gostariam de fazer sexo, sendo 0 ” menos de uma vez por mês ” e 5 ” todos os dias “. A diferença é obtida pela subtração de suas pontuações.

Homem pensando sobre a diferença no desejo sexual

A que se devem essas diferenças no desejo sexual?

As diferenças no desejo sexual podem ter várias origens. Não é simplesmente um capricho de cada pessoa. Existem várias variáveis que devem ser consideradas.

Características pessoais

Como já discutimos, cada pessoa pode ter um nível diferente de desejo sexual e isso é bom. Além disso, dependendo das circunstâncias, isso pode variar. Por exemplo, em momentos de grande estresse ou quando há desconforto físico.

Disfunções sexuais

Se um dos membros do casal tem disfunções sexuais (como dispareunia ou disfunção erétil, entre outras) é normal que seu interesse pelo sexo seja afetado.

Crenças erradas e insegurança

Tabus, mitos e crenças disfuncionais sobre a sexualidade podem fazer com que ela não seja totalmente apreciada e, portanto, diminua o desejo sexual. O mesmo acontece se a pessoa apresentar inseguranças pessoais ou em relação ao seu físico.

Conflitos no casal

Quando há tensões, brigas ou desentendimentos frequentes no casal, a intimidade é afetada.

Diferentes ritmos circadianos

Existem pequenas variações no ritmo circadiano de cada pessoa, fazendo com que algumas sejam mais diurnas e outras mais noturnas.

Assim, um dos membros do casal pode estar mais ativo e ter maior desejo sexual pela manhã e o outro no final do dia, o que pode levar a um desentendimento.

Insatisfação sexual

Não podemos esquecer que, se as relações sexuais não forem satisfatórias, o interesse da pessoa em praticá-las pode ser drasticamente reduzido.

Dinâmica negativa

Quando as diferenças no desejo sexual estão presentes há muito tempo, estabelece-se uma dinâmica que distancia cada vez maior nas duas posições das pessoas. Quem faz o papel de “caçador” tende a ser cada vez mais insistente e quem faz o papel de “presa” pode gerar uma rejeição cada vez maior das relações sexuais.

Como abordar as diferenças de desejo sexual no casal?

Para abordar as diferenças no desejo sexual do casal, é importante identificar os fatores subjacentes e agir para resolvê-los. Por exemplo, pode ser necessário receber ajuda profissional para modificar crenças errôneas, para lidar com inseguranças ou para tratar disfunções sexuais.

Além disso, é fundamental melhorar a qualidade do vínculo do casal de forma abrangente : reduzindo conflitos, melhorando a comunicação e tornando o relacionamento emocionalmente nutritivo para ambos.

Por outro lado, uma recomendação geral é tentar encontrar um ponto médio no que diz respeito à frequência das relações sexuais com as quais ambas as pessoas se sentam confortáveis. No entanto, alguns estudos descobriram que os casais que fazem sexo pelo menos uma vez por semana se sentem mais satisfeitos com o relacionamento. Portanto, pode ser mais positivo trabalhar para melhorar a baixa libido de alguma das partes.

Para atingir este último objetivo, é importante que o casal se dedique ao desenvolvimento da intimidade. Por exemplo, aumentando os momentos e espaços de intimidade, não necessariamente para fazer sexo, mas para dedicar atenção e compartilhar momentos com seu parceiro. Isso promoverá a proximidade emocional e a probabilidade de que o desejo apareça com mais frequência.

Além disso, é essencial que a assertividade sexual seja trabalhada. Ambas as pessoas devem ser capazes de expressar o que esperam, o que querem, do que gostam e como gostam. Desta forma, é possível aumentar a confiança e cumplicidade e obter relações sexuais mais satisfatórias para ambos. No final do dia, não se trata apenas da frequência, mas também da qualidade da experiência.

Mulher acariciando o marido

Uma nova dinâmica

O objetivo é que abandonem os papéis de “pessoa que sempre pede” e “pessoa que sempre recusa”. Em vez disso, o objetivo é parar de ver a sexualidade como um foco de ansiedade e conflito e começar a vê-la como uma oportunidade para se conectar e satisfazer um ao outro.

Às vezes, essa transição pode ser difícil de fazer. Portanto, se seu relacionamento sofrer como resultado das diferenças no desejo sexual, não hesite em consultar um especialista.

Pode interessar a você...
O sexo de reconciliação é realmente benéfico?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O sexo de reconciliação é realmente benéfico?

O sexo de reconciliação é aquele que acontece no final de uma discussão e tem um caráter explosivo e intenso. Ele é bom ou ruim?



  • Frederick, D. A., Lever, J., Gillespie, B. J., & Garcia, J. R. (2017). What keeps passion alive? Sexual satisfaction is associated with sexual communication, mood setting, sexual variety, oral sex, orgasm, and sex frequency in a national US study. The Journal of Sex Research54(2), 186-201.
  • Mark, K. P., & Lasslo, J. A. (2018). Maintaining sexual desire in long-term relationships: A systematic review and conceptual model. The Journal of Sex Research55(4-5), 563-581.
  • Vowels, L. M., & Mark, K. P. (2020). Strategies for mitigating sexual desire discrepancy in relationships. Archives of sexual behavior49(3), 1017-1028.