Efeito de primazia: características, exemplos e como nos influencia

Você tem a sensação de que se lembra melhor do que os outros lhe dizem primeiro? Isso tem a ver com o efeito de primazia. Saiba mais sobre esse fenômeno!
Efeito de primazia: características, exemplos e como nos influencia

Última atualização: 11 Setembro, 2021

Efeito de primazia: esse conceito lhe parece familiar? Trata-se de um fenômeno que tem a ver com a percepção, a memória e a atenção. Por meio da percepção, nosso cérebro recebe e processa informações do ambiente por meio dos sentidos para formar uma determinada impressão.

A atenção nos permite atender a esses estímulos, e a memória vai armazená-los. O efeito de primazia combina essas duas capacidades e tem a ver com o fato de lembrarmos mais e melhor das informações que percebemos no início, por exemplo, em uma lista de palavras.

Neste artigo, contaremos em que consiste esse fenômeno e por que ocorre e, além disso, citaremos alguns exemplos para que seja melhor compreendido. Por fim, falaremos sobre o impacto que ele pode ter sobre nós, bem como sobre a publicidade e o marketing.

O que é o efeito de primazia?

O efeito de primazia é um fenômeno típico da psicologia básica e cognitiva. É um viés cognitivo que implica lembrar mais e melhor daquelas informações que foram apresentadas (e, portanto, percebidas) primeiro, com tendência a esquecer as informações percebidas posteriormente.

Um exemplo do efeito de primazia é o seguinte: imagine que alguém lê uma longa lista de palavras para você e depois pergunta de quais palavras você lembra. Graças a esse efeito, é provável que você se lembre muito melhor das primeiras palavras da lista (e também das últimas; neste caso, estamos falando de outro fenômeno, o efeito de recência).

Mente com mecanismos

A memória de longo prazo

Acredita-se que o efeito de primazia ocorra porque os itens ou informações iniciais são melhor armazenados em nossa memória de longo prazo (MLP) do que os itens que vêm a seguir. Porém, e em relação a isso, esse fenômeno se enfraquece nas listas de palavras ou itens e nas informações apresentadas de forma rápida, já que neste caso temos menos tempo para armazená-la na MLP.

Além disso, o fato de apresentar os itens no início aumenta a probabilidade de esses itens se repetirem mais vezes do que os outros, o que torna mais provável a “transferência” de informações da memória de curto prazo (MCP) para a MLP.

Um fenômeno relacionado: a primazia do resultado

Curiosamente, os pesquisadores acreditam que o efeito da primazia também aparece quando aprendemos a decidir com base em experiências passadas. A primeira coisa que aprendemos (e as primeiras recompensas recebidas) condicionaria nossas decisões futuras em maior extensão do que o aprendizado subsequente.

Nesse caso, estamos falando de um fenômeno mais específico: a primazia do resultado. Ou seja: os primeiros resultados que obtemos em determinadas tarefas, ou na realização de determinadas ações, nos condicionam a voltar a realizar o ato no futuro, em maior ou menor grau.

Exemplo do efeito de primazia

Durante a década de 1950, Solomon Asch, um psicólogo americano reconhecido por suas contribuições para a psicologia social, conduziu um estudo em que verificou o efeito da primazia. Os participantes do estudo ouviram uma lista de adjetivos que descreviam uma pessoa. O que aconteceu foi o seguinte: quando os participantes ouviram falar de alguém “invejoso, teimoso, trabalhador e inteligente”, a maioria formou uma má impressão da pessoa.

No entanto, quando eles ouviram essas mesmas palavras em uma ordem diferente, na qual os adjetivos positivos (trabalhador e inteligente) foram colocados em primeiro lugar, eles tiveram uma impressão melhor da pessoa que estava sendo descrita. Isso pode ter a ver com a nossa maneira de fazer descrições, em que geralmente incluímos as mais importantes no início e depois passamos aos detalhes.

Como isso nos influencia?

Como o efeito de primazia nos influencia? Vimos, através do exemplo com adjetivos positivos e negativos, que esse fenômeno pode nos influenciar na hora de julgar as pessoas. Ele também pode estar ligado às primeiras impressões, que têm um impacto na imagem que formamos dos outros.

Dois amigos conversando sobre o efeito primazia

Marketing e publicidade

No campo do marketing e da publicidade, o efeito de primazia também tem uma influência relevante. Os anunciantes conhecem o fenômeno e procuram colocar as mensagens mais relevantes no início das suas criações. Eles sabem que os lugares mais importantes para motivar a venda que pretendem fazer são o início e o final do tempo que possuem.

Por exemplo, comerciais que começam assim que um programa de grande audiência é interrompido são mais bem percebidos do que aqueles colocados em pontos intermediários ou posteriores. Este é um dos motivos pelos quais os espaços publicitários acompanham as campanhas de ano novo.

“O produto é o mesmo, a diferença está na comunicação”.
-Oliviero Toscani-

O efeito de primazia tem a ver com processos cognitivos básicos, como a percepção, e com habilidades cognitivas, como atenção e memória humana. Agora que você conhece esse efeito, que ocorre na maioria das pessoas, pode saber onde colocar a parte ou o tipo de mensagem que lhe interessa para que seja mais lembrada pelo seu público.

Pode interessar a você...
O efeito McGurk: quando ouvimos com os nossos olhos
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O efeito McGurk: quando ouvimos com os nossos olhos

Às vezes tentamos ouvir com os olhos o que as outras pessoas nos dizem, mas podemos ficar confusos. Estamos falando sobre o efeito McGurk.



  • Anderson, N. H. (1965). Primacy effects in personality impression formation using a generalized order effect paradigm. Journal of personality and social psychology, 2(1): 1.
  • Arias, M.F. et al. (2000). Psicología básica, psicología aplicada y metodología de investigación: El caso paradigmático del análisis experimental y aplicado del comportamiento. Revista Latinoamericana de Psicología, 32(2): 277-300.
  • De Vega, M. (1990). Introducción a la Psicología Cognitiva. Alianza Psicología. Madrid.
  • Garzon, A. y Seoane J. (1982). La memoria desde el procesamiento de información.
  • Gigerenzer, G. (2018). Decisiones instintivas. La inteligencia del inconsciente. Ariel.